Quem se importa com a cidade?

Sobre a missão na cidade e o mandato cultural nas Escrituras

0
817
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Deus se importa com a cidade e nós deveríamos nos importar com ela também.

Antes de qualquer coisa, é preciso definir o que chamamos de cidade. No entendimento deste texto, as cidades são lugares de intenso movimento e aproximação de convívio entre os indivíduos, que em sua diversidade interagem na produção de bens de consumo, serviço e cultura. Logo, não apenas as grandes metrópoles se enquadrariam nesta descrição. Pequenos municípios, também se enquadram. O que devemos entender é que a cidade não é lugar de isolamento, mas de convivência e contato, mesmo que não intencional. Esbarrar em alguém ou trocar algumas poucas palavras é algo inevitável quando se vive na cidade.

Na Bíblia, o surgimento das cidades se encontra em Gênesis 4. Lá nos é dito que após ter matado seu irmão, Caim se preocupa com seu destino, pois, Deus o amaldiçoou por seu crime perverso, todavia, Deus coloca um sinal nele para que ninguém o ferisse de morte (Gn 4.15). Este se afasta da presença do SENHOR e após construir uma família, também edifica uma cidade: “E conheceu Caim a sua mulher, e ela concebeu, e deu à luz a Enoque; e ele edificou uma cidade, e chamou o nome da cidade conforme o nome de seu filho Enoque” (Gn 4.17).

Mas seria o fato da cidade ter começado com Caim algo que torna a em si um local amaldiçoado?

A CIDADE MANIFESTA A GRAÇA COMUM

Assine o Blesss

Os efeitos do pecado são nocivos ao homem, tanto como indivíduo como na sua coletividade. As coisas ruins que vemos e ouvimos na cidade são derivadas do mal maior que assola a humanidade: O pecado. Mas não podemos ter uma cosmovisão desequilibrada e achar que as cidades são um antro de perdição, corruptibilidade e que servem apenas para demonstrar a vileza do ser humano. Não deixa de ser verdade que existe a propagação do mal nos arredores da cidade. Também é fato que a perversidade é celebrada em muitos círculos. Só que isto não corresponde à totalidade da realidade. A cidade, mesmo sendo habitada por pecadores, sendo originária da descendência de Caim — assassino de seu próprio irmão, também pode ser (e é) um instrumento de benção para os homens, além de ser lugar de exaltar o nome do SENHOR.

O conceito kuyperiano da Graça Comum se aplica as benfeitorias que vemos nascer no seio das cidades desde os tempos antigos. Sendo bem sucinto, correndo até o risco de ser simplório, gostaria de chamar a Graça Comum como sendo a ação preservadora vinda de Deus, que atenua os efeitos do pecado, proporcionando o desenvolvimento da vida humana e o seu relativo progresso. É o que podemos observar em Gênesis 4, quando nos é descrito que a cidade pariu o desenvolvimento econômico, tecnológico e artístico. Os descendentes de Caim desenvolveram a pecuária, a metalurgia e a música:

“E Ada deu à luz a Jabal; este foi o pai dos que habitam em tendas e têm gado. E o nome do seu irmão era Jubal; este foi o pai de todos os que tocam harpa e órgão. E Zilá também deu à luz a Tubalcaim, mestre de toda a obra de cobre e ferro; e a irmã de Tubalcaim foi Noema”. (Gênesis 4. 20–22)

Não resta dúvida que o surgimento destas atividades resultou em avanço e trouxe melhoria de vida para aquela geração. Isto é uma benção, pois os dons que resultam em tecnologia são dádivas que Deus concede aos homens. E se toda a dádiva pertence ao SENHOR, Ele é digno de receber toda a honra e louvor que lhe são devidos. Mas vemos que o efeito maléfico do pecado é deturpador das boas dádivas e aquilo que deveria ser produzido para o bem, visando dar glória a Deus e servir ao próximo, acaba sendo desvirtuado — usado para egolatria e demonstração de poderio humano, afrontado a glória do Criador. É exatamente esse o intento do empreendimento dos moradores de Babel (Gn 11.4), mas Deus frustrou aquela empreitada de modo que cessaram de edificar a cidade (Gn 11.8).

A CIDADE DOS HOMENS x A CIDADE DE DEUS

Foi Agostinho quem falou da tensão entre a Cidade dos Homens e a Cidade de Deus em sua obra De Civitate Dei. A primeira delas é o local tomado pela malignidade, onde os seus habitantes vivem um estilo de vida autônomo, como se Deus não existisse. Já a segunda, está edificada sob os estatutos divinos. Sua existência tem por objetivo glorificar o nome de Deus e ser a alegria de toda a terra (Sl 48.2). Enxergamos a tensão na Escritura e temos ali duas cidades antagônicas: Babilônia e Jerusalém.

A Babilônia tem relação com Babel, no qual seus moradores queriam engradecer seu próprio nome. Jerusalém é a cidade da paz, lugar de adoração em que o templo foi construído em seu centro, indicando que Deus era o seu governador. No livro de Apocalipse, o antagonismo é o mais claro possível. A queda da Babilônia é celebrada (Ap 14.8, 18. 20–22). Quando a cidade da iniquidade é aniquilada, eis que surge o novo céu e a nova terra. Ao apóstolo João é mostrado que há uma cidade que será habitada pelos eleitos do SENHOR:

“E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis”. (Apocalipse 21. 1–5)

Aquela cidade que João viu tinha portas e muros como as cidades fortificadas de seu tempo (Ap 21.15). Um lugar redimido, sem os efeitos do pecado, no qual habitará todo aquele que teve o seu nome escrito no livro da vida (Ap 21.27). O paraíso pintado em imagens bucólicas não tem consistência com o relato da Escritura. O paraíso é o jardim expandido que se tornou uma cidade, que manterá suas características citadinas, dentre elas o cosmopolitismo, pois nela habitarão homens de toda tribo, língua, povo e nação (Ap 5.9).

EXERCENDO O MANDATO CULTURAL

Deus se importa com a cidade e deseja que elas sejam edificadas para o bem estar dos seres humanos. Adão tinha o dever de cultivar a terra (Gn 2.15), o que na teologia chama-se mandato cultural. Observemos que cultivo e cultura são palavras que possuem a mesma raiz. Assim sendo, o dever de Adão e de todo ser humano é produzir cultura, é gerar desenvolvimento, é utilizar-se da melhor maneira os recursos da terra. A ideia de um desenvolvimento sustentável não é destoante do conceito bíblico de cultivo. Este mandato ainda está em voga e devemos nos comprometer em extrair o melhor da terra, edificar as cidades, gerar empreendimentos, estabelecer uma rede de serviços. Contudo, precisamos ter em mente que exercer tal mandato não está desvencilhado de uma consciência ambiental. A terra pertence ao SENHOR e devemos guarda-la. Este também é outro dever que está atrelado ao mandato cultural.

Quando somos movidos pela ganância e não nos preocupamos em zelar pelo nome do Senhor, cultivamos sem guardar e buscamos o nosso bem estar em detrimento do bem estar do nosso próximo. Mas não é este o paradigma que encontramos nas Sagradas Escrituras.

Quando os judeus foram exilados na Babilônia, aquela cidade perversa, Deus usa o profeta Jeremias para dizer aos exilados o seguinte:

“Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel, a todos os do cativeiro, os quais fiz transportar de Jerusalém para Babilônia: Edificai casas e habitai-as; e plantai jardins, e comei o seu fruto. Tomai mulheres e gerai filhos e filhas, e tomai mulheres para vossos filhos, e dai vossas filhas a maridos, para que tenham filhos e filhas; e multiplicai-vos ali, e não vos diminuais. E procurai a paz da cidade, para onde vos fiz transportar em cativeiro, e orai por ela ao SENHOR; porque na sua paz vós tereis paz”.  (Jeremias 29: 4–7)

A ordem foi de se envolver com a cidade e fazê-la prosperar, mesmo sendo a Babilônia. Deus diz que a paz daquela cidade traria benefício para o seu povo. O povo não deveria se contaminar com o paganismo. Era preciso manter a distinção e não abraçar todos os aspectos culturais da Babilônia, todavia, naquilo que não ferisse os preceitos do Senhor, os judeus tinham a permissão do próprio Javé para se envolver econômica e politicamente. Daniel talvez seja o melhor exemplo deste período, pois, não se deixou contaminar (Dn 1.8), entretanto, serviu ao rei como governador de província (Dn 2.48).

CONCLUSÃO

A igreja, o povo de Deus na terra, deve se importar com a cidade e fazer o possível para promover a paz e a prosperidade dela. Não podemos nos enclausurar em guetos e produzir uma subcultura. Precisamos estar inseridos em diversas esferas. A cidade precisa de cristãos na política, nas universidades, no empreendedorismo, nos trabalhos sociais, na indústria, na medicina, nos laboratórios científicos e etc. Se a cidade prospera, nós prosperamos. Se há paz na cidade, nós não teremos motivos para temer. Todo esse caos, essa insegurança e desigualdade que vemos no perímetro urbano podem ser minorados com o envolvimento consciente dos cristãos. Mesmo estando cientes de que apenas no retorno triunfal de Cristo habitaremos na Cidade Santa, onde todas as mazelas que nos afetam terão o seu fim, isto não deve nos lançar na inércia. Sem divinizar a nossa ação cidadã, como se ela tivesse um efeito salvador na raça humana, podemos trabalhar para a glória de Deus no serviço ao próximo.

Não devemos enxergar as cidades como lugares de maldição, tampouco romantizar a sua estrutura. Sejamos constantes no empenho de edifica-la, pois Deus se importa com a cidade. Ele requer de nós uma postura altruísta, que intencione o bem estar coletivo. Que possamos trabalhar para geração de empregos, avanços tecnológicos, propagação da beleza através das artes, promoção da segurança, conscientização ambiental, educação de qualidade, acesso à justiça, respeito às leis, assegurar o direito dos fracos, o cuidado com os necessitados e tudo o mais que venha a ser uma benção na esfera da coletividade.

Tudo isso nos é lícito. Que, com os nossos dons e vocações, nos empenhemos -em promover o bem. Que vivamos a Cidade de Deus desde já — mesmo que ainda habitemos na Cidade dos Homens. Pois, nunca devemos esquecer aquilo que diz Salomão: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” (Sl 127.1). Que as nossas cidades estejam sendo edificas tendo Deus como base. Caso o contrário, toda tentativa será vã.

Se importe!

Por Thiago Oliveira
Redação Púlpito Cristão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui