Não Faça a Vontade de Deus Como Um Ateu

1
904
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por John Piper

Depois da minha mensagem ao corpo discente da University Liberty semana passada, um estudante atento me perguntou essa questão esclarecedora: “Então você não acredita que atos altruístas são possíveis ou desejáveis?”.

Eu pedi para ele definir altruísmo de modo que eu pudesse responder o que ele realmente estava perguntando. Ele disse: “Fazer uma boa obra a outros sem vislumbrar uma recompensa”. Eu respondi: “Está certo, sendo ou não possível, eu não acredito que é desejável, porque não é o que a Bíblia nos ensina a fazer; e não é o que pessoas sentem como sendo um amor genuíno. Porque isto não é amor genuíno.”
QUANDO DEUS É GLORIFICADO

Assine o Blesss

Receba nossos posts em seu e-mail

Informações relevantes sobre o cotidiano, segundo a ótica cristã. Insira seu email:

Delivered by FeedBurner

Eu tinha dito na mensagem de convocação: “Fazer o certo pela causa da retidão é ateísmo. Crentes deveriam fazer o que é certo pela causa de Deus; porque a Bíblia nos ensina a fazer tudo para a glória de Deus (1 Coríntios 10:31). Mas Deus não é glorificado se nós O deixamos fora da questão e dizemos que fazer a obra certa é sua própria justificação. Nada justifica a si mesmo se Deus é deixado de lado.
Crentes deveriam fazer o que Deus diz que é certo porque, ao fazer isso, nós apreciamos mais a Deus. Jesus estava nos motivando a ser generosos aos outros quando Ele disse: “Mais bem-aventurado é dar que receber” (Atos 20:35). Estou simplesmente dizendo que essa benção motivadora prometida não é principalmente mais dinheiro, mas mais de Deus. Deus gosta mais de revelar mais de si mesmo ao generoso do que ao mesquinho (João 14:23).
Esse motivo glorifica a Deus. Deus é glorificado quando Ele é desejado como um tesouro. Se nós queremos uma comunhão mais profunda com Ele porque Ele nos faz mais felizes do que qualquer pessoa, nós O glorificamos. Então, estar motivado a fazer o certo pelo desejo de mais de Deus, glorifica a Deus.
COMO JESUS MOTIVA
Jesus disse que quando nós somos difamados enquanto crentes, devemos nos regozijar (Mateus 5:12) e amar os nossos inimigos (Mateus 5:44) “porque é grande o vosso galardão nos céus” (Mateus 5:12), e “para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste” (Mateus 5:45). A motivação a qual ele apela é que o caminho do amor sacrificial leva a um aumento de alegria no nosso relacionamento com Deus enquanto Pai.
Jesus nos motiva a “convida(r) os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos” para nosso banquete” pelo fato de não terem eles com que recompensar [a nós]”. E adiciona: “a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos.” (Lucas 14:13-14). Em outras palavras: seja generoso; faça sacrifícios nesse mundo; porque grande é a sua recompensa no céu.
A recompensa, é claro, inclui tudo na herança de Deus. Você será um “herdeiro do mundo” (Romanos 4:13). “Porque tudo é vosso” (1 Coríntios 3:21). Os mansos “herdarão a terra” (Mateus 5:5). Sim, a recompensa inclui coisas terrenas. Mas naquele dia não haverá o perigo da idolatria. A terra, os céus e todas as coisas declararão a glória de Deus, e a essência da nossa alegria nelas será a alegria Nele. O que faz nossa recompensa verdadeiramente excelente é a plenitude maravilhosa da nossa comunhão com Deus. “Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente.” (Salmos 16:11).
Essa “plenitude” e esse “perpetuamente” estão por trás da motivação dos crentes da igreja primitiva quando eles faziam o certo e sofriam. Eles visitavam amigos crentes na prisão porque eles viam a recompensa. “Porque não somente vos compadecestes dos encarcerados, como também aceitastes com alegria o espólio dos vossos bens, tendo ciência de possuirdes vós mesmos patrimônio superior e durável.” (Hebreus 10:34). Eles se regozijavam na prisão porque sua recompensa era grande no céu. É disto que eles ganhavam coragem para arriscar suas vidas: “tem grande galardão.” (Hebreus 10:35).
Então, eu respondo novamente: “Fazer uma boa obra a outros sem vislumbrar uma recompensa” é antibíblico e ateísta. Isto desonra a Deus. Ele oferece mais alegria na sua comunhão àqueles que fazem o certo “pela Sua Causa” do que “pela causa da retidão”. Se não abraçarmos a oferta da Sua Recompensa, nós O desprezamos. Mas se abraçarmos a oferta, mostramos que Ele É O Nosso Tesouro supremamente desejado — acima de todas as recompensas de fazer o que é errado.

NOSSA ALEGRIA EM AMAR OS OUTROS
Finalmente, eu disse como resposta à ótima pergunta do estudante: “Não apenas tentar fazer o bem pela causa da retidão desonra a Deus, mas também não mostra amor aos outros. Pessoas não experimentam isto como amor.” Mas por que elas experimentariam o nosso bem como amor se estivéssemos buscando a nossa grande alegria em Deus? Elas não estariam sendo apenas usadas?
Não. Porque parte da alegria maior que buscamos em Deus, fazendo o bem a elas, é a inclusão delas na nossa alegria. Nossa alegria em Deus seria expandida pela alegria deles em Deus. Nós não os estamos usando para a nossa maior alegria. Nós os estamos trazendo para a grande alegria e desejando que eles sejam parte disso.
Mas fazer o certo pela causa da retidão não tem esse efeito. Suponha que eu vá visitar Ethel no hospital, uma senhora idosa que teve um ataque cardíaco. Eu estendo a minha mão no seu braço frágil, ela abre os olhos e diz: “Oh pastor, você não precisava vir”. Suponha que eu responda: “Eu sei, mas era meu dever vir. Isso era a coisa certa a fazer por si mesma. Portanto, eu vim.” Esta resposta não faz Ethel se sentir amada.
Mas suponha que eu diga: “Eu sei, mas sempre me faz mais feliz em Deus, Ethel, trazer um pouco de encorajamento para você e lembrá-la das promessas do Senhor.” Ethel nunca diria: “Você é tão egoísta. Tudo o que você pensa é o que faz você ficar feliz.” Ela não sentiria isso, embora eu tenha dito: “Sempre me faz mais feliz…”. E a razão pela qual ela não o sentiria é porque minha busca de mais alegria em Deus ao fazer o bem a ela, e querer que ela faça parte disso, é o que amor genuíno é.
Que Deus nos proteja da noção ateísta de fazer o bem pela causa da retidão. E que ele nos transforme nesse tipo de adoradores esquisitos e maravilhosos que negam a si mesmos os “prazeres transitórios do pecado” e “preferem ser maltratados junto com o povo de Deus”, porque nós “contemplamos o galardão” (Hebreus 11:25-26).
***
Desiring God, via Electus
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

1 COMENTÁRIO

  1. PILARES DA ESCRAVIDÃO

    ORGULHO – PARTE 10

    O CRISTÃO ATEU

    Muitas são as coisas erradas no mundo e principalmente na igreja que deveria ser luz no meio do caos que está instalado em todos os quatro cantos deste planeta, mas assim como a trajetória de um navio que tem sempre que ser ajustada para que sua rota seja mantida e não cause a colisão com outras embarcações ou obviamente se perca na vastidão dos oceanos a igreja tem que acordar, rever e corrigir a sua trajetória, que temos que ser realistas, está mais fora de rumo como nunca antes esteve.

    Um desvio por menor que seja pode não fazer muita diferença em pequenas distancias, mas quanto mais longe de seu ponto de partida este pequeno desvio se torna um grande deslocamento entre seu ponto de partida e o seu objetivo final que é o propósito de uma correta trajetória.

    Navios, aviões, foguetes, todos são guiados por cálculos precisos baseados em ângulos, altitudes, longitudes, latitudes, velocidade do vento, correntes marítimas, etc., sem estes e mais alguns outros parâmetros de medição seria impossível a movimentação aeroespacial e náutica no mundo.

    A vida cristã também possui parâmetros precisos que tem que ser observados individualmente para sempre estarmos fazendo ajustes em nossa trajetória no caminho que leva a salvação e principalmente na edificação de uma igreja forte que realmente reflita a gloria de Deus, isto é uma ordenança e não um conselho que está aberto a debates:

    Guardai-vos, que o vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e vos inclineis perante eles;Deuteronômio 11:16

    Esforçai-vos, pois, muito para guardardes e para fazerdes tudo quanto está escrito no livro da lei de Moisés; para que dele não vos aparteis, nem para a direita nem para a esquerda;Josué 23:6

    E não vos desvieis; pois seguiríeis as vaidades, que nada aproveitam, e tampouco vos livrarão, porque vaidades são. 1 Samuel 12:21

    Olhai, pois, que façais como vos mandou o Senhor vosso Deus; não vos desviareis, nem para a direita nem para a esquerda.Deuteronômio 5:32

    Não declines nem para a direita nem para a esquerda; retira o teu pé do mal. Provérbios 4:27

    E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda. Isaías 30:21

    A conclusão lógica e explícita nas passagens acima é que não existe tolerância no andar da vida cristã.

    A bíblia e genérica nos parâmetros que conduzem a salvação, mas cada um de nós tem um objetivo especifico dentro do corpo de Cristo, por isso que é essencial o cultivar de um intimo relacionamento com o Senhor. Deus trata com cada um de seus filhos individualmente edificando-o como propósito de se tornarem participantes de algo maior.

    Existe uma ideia equivocada muito comum que os ditos cristãos gostam de cuspir quando confrontados com a verdade libertadora das escrituras:

    Não existe lugar perfeito – Sempre se referindo as diversas “igrejas” que existem, bem aqui vai uma novidade para você que assimilou esta infeliz ideia:

    Até que todos cheguem à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Efésios 4:13

    Deus não espera uma perfeição de nós, mas ele quer nossa obediência e diligencia em busca-lo e no cultivar de um relacionamento com a trindade.

    E com grande pesar que afirmo ver nas atuais “igrejas” pessoas e mais pessoas enchendo salões opulentos onde o discurso motivacional transborda pelas largas portas do oportunismo mas a presença do Espírito de Deus nem perto está destes antros de ganância e soberba e este povo que diz forma de tão arrogante serem algo nada comunicam e seu testemunho para com os que fora estão e terrível, seus olhos são vazios assim como sua fé. As trevas dominam estas sinagogas de satanás.

    A continuação desta mensagem pode ser lida em vozclama45@blogspot.com.br

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui