Deus permitiu que Jefté oferecesse sua filha em holocausto?

0
54
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Por Fabio Campos
Qual professor ou estudioso da Bíblia que nunca foi perguntado sobre “como é que Deus poderia permitir que Jefté oferecesse sua filha em holocausto”? Difícil, né! Para aqueles que não estão familiarizados com a história (Juízes 11.29-40) quero apresentar um breve relato do que aconteceu. 

Deus levantou Jefté, gileadita,“guerreiro valente”(Jz 11.1). Ao ser proposta a ele a liderança na batalha contra os filhos de Amom, Jefté firma um voto a Deus, no qual, se vencesse a batalha, o primeiro que saísse ao seu encontro, ele o ofereceria em holocausto. Jefté venceu a batalha. No retorno, a primeira pessoa que saiu de sua casa, foi sua filha, a única filha. Jefté não voltou atrás no seu propósito e a ofereceu em holocausto (v. 31). A questão, contudo, gira em torno da natureza deste “holocausto” (sacrifício).
As opiniões a respeito do assunto, entretanto, divergem. Pessoas sérias e comprometidas com a interpretação bíblica não conseguem ter consenso no veredicto. Não é para menos, o assunto é daquele tipo onde discutido entre dentro dez teólogos, onze opiniões são emitidas, uma diferente da outra. Complicado!
Antes de emitir o meu parecer, quero, contudo, trazer três posições: 1) Comentário Bíblico Moody, 2) Comentário Bíblico Vida Nova 3) e o parecer do apologista Norman Geisler que se encontra em seu Manual de dificuldades bíblicas.
Segundo o comentário Bíblico Moody, Jefté, de fato, ofereceu sua filha em holocausto. O posicionamento tolo de Jefté teve a influenciado pagã de sua cultura que ele nasceu e cresceu. Jefté, portanto, tinha pouca instrução acerca da tradição dos israelitas. O paganismo de seus antecedentes ainda era forte no seu entendimento teológico. Ele cumpriu aquilo que havia prometido de antemão, foi até o fim na sua posição mesmo que equivocado.
O comentário bíblico Vida Nova traz uma opinião parecida com o comentário Moody. O comentarista diz que a frase de Jefté “o primeiro da porta da minha casa me sair” (31a) era ambígua, pois punha todos os moradores de sua casa em risco. Jefté teve uma motivação ao firmar o voto de barganha. D. A. Carson trabalha o seu argumento com base no verso 31: “aquele que vier saindo da porta da minha casa ao meu encontra, quando eu retornar da vitória sobre os amonitas, será do Senhor, e eu o oferecerei em holocausto”. Se não fosse o verso 31, tudo seria mais fácil para aqueles que discordam dos dois comentaristas. Risos…
Norman Geisler escreveu “Manual de dificuldades bíblicas” contendo respostas para mais de 780 passagens polêmicas. Essa obra teve a parceria de Thomas Howe, professor de grego, hebraico, siríaco, latim e aramaico. Geisler não entende que o sacrifício da filha de Jefté tenha sido a sua vida, mas a virgindade. Ela não poderia casar e o lamento maior consistia no fato de Jefté não ter filhos e filhas para perpetuar a sua descendência (Jz 11.34). 
Norman Geisler diz que o holocausto mencionado não poderia ser considerado“sacrifício de morte”, pois Jefté continha o mínimo de conhecimento sobre a tradição de Israel onde era proibido o sacrifício de seres humanos. Esse pouco conhecimento de Jefeté seria suficiente para ele não votar tolamente. O texto não diz em nenhum lugar que ele realmente matou a sua filha. O único lugar que apareceholocausto é no verso 31, porém, não significa que este sacrifício tenha envolvido a morte dela. 
Paulo, por exemplo, disse que seres humanos devem ser oferecidos a Deus como um “sacrifício vivo” (Rm 12.1), e não como sacrifício morto. O contexto dá a entender que Jefeté ofereceu sua filha como sacrifico vivo ao Senhor para que ela pudesse servir a Deus de forma integral nos dias da sua vida, não podendo se casar. Ela não dariaa seu pai uma descendência (este foi o motivo do pranto de Jefté quando encontrou com sua filha na volta da batalha). 
Não ter descendentes no contexto judaico era tido por maldição. Porém, Jefté, pela fé, não voltou atrás na sua decisão; parecido com o caso de Abraão que foi até as últimas consequências de sacrificar seu filho Isaque. Deus certamente aceitou o ato de Jefté, pois seu nome é citado junto dos heróis de Hebreus 11.32. O contexto trata de homens que venceram suas batalhas pela fé. (Abraão creu que Deus poderia ressuscitar Isaque dentre os mortos e por isso foi até o fim na sua atitude).
O meu posicionamento vai de encontro com o de Norman Geisler. Creio que Jefté não sacrificou (matou) sua filha. O sacrifício foi a impossibilidade dela se casar (Jz 11.37). No verso 38, junto das amigas, ela foi chorar porque “jamais se casaria”. Veja que ela não saiu para lastimar a sua morte iminente, mas para chorar sua virgindade. 
Minha convicção aumenta quando leio o verso 39: “Passados os dois meses, ela voltou a seu pai, e ele fez com ela o que tinha prometido no voto. Assim, ela nunca deixou de ser virgem. Daí vem o costume em Israel”. Caso Jefté houvesse sacrificado sua filha, a Bíblia certamente diria isso com todas as letras; contudo, passado os dois meses (que ela pediu ao pai para chorar sua virgindade), a Escritura não diz que “ela era morta”, mas que nunca deixou de ser virgem (v 40 NVI). Ou seja, ela estava viva! Disso nasceu um costume em Israel.
O povo hebreu jamais perpetuaria tal costume se de fato Jefté tivesse sacrificado sua filha. Essa prática era totalmente contrária lei estabelecida por Moises (Lv 18.21; 20. 2-5; Dt 12.31; 18.10). Esse, portanto, é o meu posicionamento.
Respeito quem pensa diferente!
Abraços fraternos,
Soli Deo Gloria!
Fabio Campos

_____________________________

Referências bibliográficas:
CARSON, D.A. Comentário Bíblico Vida Nova. Vida Nova, 2012. São Paulo, SP
F. HARISSON, Everett. Comentário Bíblico Moody. Volume I. Batista Regular, 2010. São Paulo, SP GEISLER, Norman & HOWE, Thomas. Manual de dificuldades bíblicas. Mundo Cristão, 2015. São Paulo, SP
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui