Grupo de ex-muçulmanos condena idolatria de católicos #Vídeo

2
628
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Um protesto organizado por um grupo de ex-muçulmanos convertidos ao cristianismo gerou polêmica na região de Las Vegas, Estados Unidos. Com o nome de “Koosha Las Vegas”, os homens invadiram três igrejas católicas no meio da missa para condenar a idolatria.

Eles usavam camisetas com as inscrições “Trust Jesus” [Confie em Jesus] e “Jesus is the Only Hope” [Jesus é a única esperança]. Além de gritar palavras de ordem, entregavam panfletos acusando os católicos de “pecaram contra (Deus) e violaram suas leis”.
No vídeo filmado num dos protestos, um homem grita: “Arrependam-se e voltem para Jesus Cristo! O Papa é Satanás! A imagem de Maria é Satanás!”. A mensagem de condenação da idolatria vem em seguida: “Deixem de adorar ídolos! Os ídolos não irão lhes salvar! Vocês precisam de Jesus Cristo! Vocês precisam do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

Assine o Blesss

Receba nossos posts em seu e-mail

Informações relevantes sobre o cotidiano, segundo a ótica cristã. Insira seu email:

Delivered by FeedBurner

A polícia local foi chamada, mas não prendeu ninguém. Tecnicamente, não houve crime. Mesmo assim, o especialista Randy Sutton acredita que os homens podem ter violado uma lei estatal que classifica irrupções de eventos religiosos como “agressão”.
O Koosha também fez protestos em uma escola católica semana passada, gritando aos alunos que passavam: “Se virem o Catecismo da Igreja Católica e as Escrituras, entenderão por que Deus odeia este sistema religioso”.
A diocese de Las Vegas anunciou que está trabalhando juntamente com a polícia para proteger os templos desse tipo de incidente. Em sua defesa, os integrantes do Koosha acreditam que o catolicismo distorce o cristianismo bíblico, pois impõe uma tradição de adoração a imagens que viola os mandamentos.
Saídos do islamismo e tendo aceitado a Jesus, eles acreditam que essas igrejas deveriam adorar somente a Cristo.
Assista:
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

2 COMENTÁRIOS

  1. Equívoco teologal de "adoração" no protestantismo. O CULTO DE DULIA SE DISTINGUE DA LATRIA. AMBOS SÃO BÍBLICOS. DULIA É HONRA, RESPEITABILIDADE COMUM A PESSOAS ESPECIAIS (AUTORIDADE RELIGIOSAS, FAMILIARES ETC). JÁ LATRIA, É O COMPROMISSO DE SERVIDÃO INCONDICIONAL.
    O amor com que amamos a Deus (sobre todas as coisas – AMARÁS O SENHOR, TEU DEUS, DE TODO O TEU CORAÇÃO, DE TODA A TUA ALMA E DE TODO O ENTENDIMENTO" (S. Mateus 22,37) ) NÃO É IGUAL ao amor pelo qual amamos nosso próximo e nossos mártires. (amar ao próximo, como a nós mesmos – S. Mateus 22, 38)
    Logo, também a HONRA de ofertamos a Deus, NÃO É a mesma honra que damos ao nosso próximo e aqueles a quem Deus honrou, e exige que também nós os honremos por obediência:
    “GLÓRIA, HONRA E PAZ A TODO O QUE FAZ O BEM. (Rom. 2,10)”
    Santo Agostinho ensina com maestria e diferença entre DULIA E LATRIA:
    “Uma é a servidão devida aos homens em virtude da qual o Apóstolo manda os servos serem sujeitos aos seus senhores, e que em grego se chama dulia; E OUTRA SERVIDÃO É A LATRIA, PELA QUAL (SOMENTE) CULTUAMOS A DEUS (Tratado contra Fausto).”
    Outros exemplos de dulia: "NINGUÉM SE APROPRIA DESTA HONRA, SENÃO SOMENTE AQUELE QUE É CHAMADO POR DEUS, como Aarão. (Heb. 5, 4)”
    Êxodo 20:12 “HONRA TEU PAI E TUA MÃE,
    Ora, o título de servidão que damos aqueles que foram honrados por Deus é diferente do Titulo de Servidão pelo qual devemos Honrar a Deus:
    A criatura não participa do poder de criar, em razão do qual a Deus é devida a latria. Por isso, a referida Glosa distinguiu, atribuindo a latria a Deus, enquanto criador, poder incomunicável à criatura; e a dulia, quanto ao domínio, comunicável a ela. (Suma Teológica, S. Tomás de Aquino, art. 3 Q 103)”
    O CULTO DE LATRIA, NÓS CATÓLICOS SÓ DIRIGIMOS A DEUS. O culto ou celebração de DULIA, destinamos aqueles que Deus manda honrar, não como Ele, mas na condição de modelo ou exemplo de respeitabilidade, como nossos pais, nossos santos e nossos sacerdotes fiéis.
    A Fórmula da Latria é a seguinte: CONFISSÃO. (Na Missa, confessamos pecadores perante Deus); 2) Apesar disso, logo após proclamamos a certeza da misericórdia (apesar de pecadores, o arrependimento nos permite o acesso a misericórdia Divina, que nos santifica e justifica) e por fim; 3) a Comunhão: Após isso, celebraremos em Latria na Comunhão com Deus mediante o Corpo e o Sangue de Cristo:“26. Durante a refeição, Jesus tomou o PÃO, abençoou-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: TOMAI E COMEI, ISTO É MEU CORPO.
    27. Tomou depois o CÁLICE, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,
    28. PORQUE ISTO É MEU SANGUE, o sangue da NOVA ALIANÇA, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.” (S. Mateus 26-26/291)“[…] O cálice de bênção, que benzemos, não é a COMUNHÃO do sangue de Cristo?
    E o PÃO, que partimos, NÃO É A COMUNHÃO DO CORPO DE CRISTO?
    Uma vez que há um único PÃO, nós, embora sendo muitos, formamos UM SÓ CORPO, porque todos nós COMUNGAMOS do MESMO PÃO.
    NÃO ENTRAM EM COMUNHÃO COM O ALTAR OS QUE COMEM AS VÍTIMAS? (I Corintios 10, 16/18)”
    Boa noite, Graça e Paz a todos.

  2. DIFERENTE ENTRE ÍCONE E ÍDOLO: A Iconologia sempre foi instrumento didático da Revelação. A doutrina sagrada não nos foi ensinada apenas por palavras. Não apenas a audição nos traz docência. O homem por inteiro, em todos os sentidos, é dado o Dom de cognir a Revelação. Tivesse que ensinar quem é Cristo a um surdo e mudo, bastaria levá-lo a um templo católico, e mostrar-se os afrescos desda natividade até a ressurreição.
    A iconografia está presente no Velho e Novo Testamento.
    A confecção de ornamentos e as relíquias como sendo memoriais da doutrina. da Divindade e dos escólios de Deus, esteve sempre presente na história do povo de Deus.
    “ (Ex. 31, 1-8)Eis que chamei por seu nome Beseleel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá.Eu o enchi do espírito divino para lhe dar sabedoria, inteligência e habilidade para toda sorte de obras: invenções, trabalho de ouro, de prata, de bronze, GRAVURAS EM PEDRAS DE ENGASTES, TRABALHO EM MADEIRA E PARA EXECUTAR TODA SORTE DE OBRAS. Associei-lhe Ooliab, filho de Aquisamec, da tribo de Dã. E DOU A SABEDORIA AO CORAÇÃO DE TODOS OS HOMENS INTELIGENTES, A FIM DE QUE EXECUTEM TUDO O QUE TE ORDENEI; a tenda de reunião, a arca da aliança, a tampa que a recobre e todos os móveis da tenda; A MESA E TODOS OS SEUS ACESSÓRIOS, O CANDELABRO DE OURO PURO E TODOS OS SEUS ACESSÓRIOS, O ALTAR DOS PERFUMES, O ALTAR DOS HOLOCAUSTOS, E TODOS OS SEUS UTENSÍLIOS, A BACIA COM SEU PEDESTAL;
    Moisés NÃO FEZ UM ÍDOLO, MAS UM MEMORIAL DO PRÓPRIO DEUS, POR ORDEM DO PRÓPRIO DEUS (Nm 21,8-9), que mandou erguer uma enorme serpente de bronze no deserto, como memorial de que Deus está acima de todas as serpentes, e assim, todos, picados por víboras, ao contemplá-la ficavam curados.
    Ela ficou exposta 200 anos, até que o rei Ezequias a destruísse, PORQUE O POVO PERVERTEU A DULIA EM LATRIA. Ou seja, não é a dulia que estava errado, senão Deus não lhe permitiria, mas o povo, que pereceu por falta de entendimento. (2Rs 18,4). Já o ídolo, é o que é reconhecido (criatura, objeto ou instrumento) à condição de DIVINDADE, tomando o lugar do Deus Verdadeiro. Ícone é tudo que lembra, representa, nos instrui à Cristo (os querubis do templo de Salomão; a pomba do ES; a serpente do deserto; a arca da aliança, as imagens dos mártires e seus martírios e dos profetas; a cruz, os afrescos de cenas sacras etc; ídolo no entanto, é tudo aquilo que colocamos no lugar e na função de Cristo ou lhe demos a condição vívida de Divindade. As únicas contestações a iconografia, surgiu com O MOVIMENTO ICONOCLASTA, que perseguiu e matou católicos, por volta de 700, deu-se, JUSTAMENTE POR CAUSA DA INFLUENCIA ISLÂMICA NO CRISTIANISMO, através do Imperador Leão II, o Isáurio, JÁ QUE O ALCORÃO NÃO DISTINGUE ÍCONES E ÍDOLOS. Posteriormente, com neoprotestantismo renasce o iconoclasmo. A aceitação do iconoclasmo, deu-se porque o Império Romano no Oriente, na época, necessitava de adesão política e militar dos árabes naturalizados romanos, por causa da ameaça da invasão islâmica turco otomano, sendo por isso, aceita sua influência política até mesmo na Igreja.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui