“Até Jesus Cristo errou”, diz ex-deputado suspeito de participação na corrupção da Petrobrás

0
518
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
O ex-deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA) prestou depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a corrupção na Petrobrás e admitiu que pode ter cometido deslizes, embora negue que tenha se beneficiado da corrupção na empresa.

“Só posso dizer que os humilhados um dia serão exaltados. Isso está na Bíblia. Todo mundo erra. Até Jesus Cristo, que era filho de Deus, errou”, argumentou Argôlo (foto), em depoimento à CPI numa audiência realizada em Curitiba (PR).

Assine o Blesss

Receba nossos posts em seu e-mail

Informações relevantes sobre o cotidiano, segundo a ótica cristã. Insira seu email:

Delivered by FeedBurner

No depoimento, Argôlo (que não conseguiu se reeleger deputado nas últimas eleições) explicou aos parlamentares que sua relação com o doleiro Alberto Youssef – peça central da Operação Lava Jato – era de amizade, e não política: “Existia algo privado. Conheci o doleiro como um empresário que tinha investimento no Estado da Bahia”, afirmou.
Argôlo foi indiciado esta semana pela Polícia Federal sob acusação de receber propina do esquema operado pelo doleiro na Petrobrás, segundo informações do Diário do Poder.
Na CPI, disse estar colaborando com a Justiça: “Dos três ex-parlamentares fui o primeiro e único a prestar depoimentos […] Eu apanhei e fui denunciado e criticado em ano eleitoral. Se tudo isso fosse antes da eleição mudaria muito o resultado das eleições”, disse, referindo-se aos ex-deputados André Vargas (paranaense, atualmente sem partido após ser expulso do PT) e Pedro Corrêa (PP-PE).
Vargas se negou a expor detalhes de sua relação com Youssef e dos negócios do laboratório Labogen, investigado na Operação Lava Jato. O ex-deputado disse que mantinha um relacionamento “à luz do dia” com o doleiro: “Eu o conheço há mais de 30 anos. Eu o conheci vendendo coxinha no aeroporto de Londrina. Depois de ele ter cumprido pena, ele se transformou no proprietário do maior hotel de Londrina e é sócio ainda de um grande hotel em Aparecida do Norte”, concluiu.
Já Corrêa, condenado por corrupção no escândalo do mensalão, negou ter recebido propina: “Se fosse verdade o conteúdo das delações premiadas do Paulo Roberto Costa e do Alberto Youssef, eu teria algo entre R$ 21 e R$ 25 milhões. Onde está este dinheiro?”, questionou.
***
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui