QUANDO A LUTA PELA ORDENAÇÃO DE PASTORAS SE TORNA MAIOR QUE A LUTA PELO EVANGELHO

4
1115
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Por Renato Vargens
Eu já deixei claro nesse BLOG o porque não acredito no ministério pastoral feminino. Os que desejarem se inteirar no assunto poderão fazê-lo lendo os textos abaixo:
1-) Sete razões porque não creio em mulheres pastoras. (aqui)

2-) Razões e argumentos usados em favor da ordenação de mulheres (aqui)

Assine o Blesss
3-) Carta de um marido cuja a esposa foi ordenada pastora (aqui)
Além disso dediquei no livro “Reforma Agora” publicado pela editora FIEL um capítulo sobre o tema. (aqui)
Isto posto, deixo claro que o propósito deste post não é argumentar, discutir ou transigir sobre o tema, até porque, já o fiz em artigos anteriores. Na verdade, resolvi escrever sobre o assunto em virturde da agressividade, bem como ferocidade de alguns defensores da ordenação pastoral feminina. 
Ora, basta alguém escrever alguma coisa discordando biblicamente sobre a ordenação de mulheres que  os adeptos do pastorado feminino se levantam acusando àqueles que pensam diferente de machismo, arrogância, prepotência teológica, e é claro, fundamentalismo.
Pois é, a impressão que tenho é alguns destes amados irmãos em vez de líderes cristãos são ativistas cujo comportamento aponta para o fato inequivoco de que foram influenciados pelo feminismo.
Confesso que estou assustado e ao mesmo tempo impressionado com os ataques verbais por parte de alguns que de forma efusiva defendem a ordenação de mulheres ao pastorado. O interessante é que mesmo diante de argumentos bíblicos os adeptos do denominado feminismo gospel, se recusam a dialogar, afrontando seus interlocurtores com as mais variadas ofensas. Se não bastasse isso, os líderes do movimento desenvolvem a tática do patrulhamento e intimidação usada com propriedade por seguimentos da esquerda. 
Caro leitor, por favor pare e pense: Será que não temos nós o direito de discordar da ordenação feminina? Será que não podemos manifestar publicamente nossos posicionamentos teológicos sem que com isso sejamos agredidos? O interessante é que o contrário disso é permitido, não é verdade? Ora, feministas amam falar em tolerância. Em seus simpósios, congressos e  conferências é comum encontrá-las dissertando sobre o tema, afirmando a necessidade de  exercer paciência e benevolência com aqueles que deles divergem. Entretanto, basta com que alguém os critique, ou discorde do sua teologia que a tolerância se transforma em intolerência.
Diante do exposto concluo que alguns dos defensores da ordenação feminina amam mais a sua causa do que o próprio Evangelho de Cristo.
Pois é, espero que não, mas acho que não demorará muito e as feministas em questão aparecerão por aqui.
Renato Vargens
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

4 COMENTÁRIOS

  1. Ô briga por títulos … mas não vejo ninguém lutando para receber o nome de servo!
    A mulher pode, muito bem, ser pastora, sem precisar dessa distinção eclesiástica. A esposa do pastor tem tantas tarefas e responsabilidades que também é pastora. Dentro de casa, há mulheres e mães pastoras com tal eficiência que nem precisam de muito argumento para conduzir suas ovelhinhas. Há ajudadoras e intercessoras, professoras e conselheiras, dentro das congregações, que trabalham como pastoras, e trabalham muito. O título é só para constar!

  2. 1Co 14,34: "Que as mulheres fiquem caladas nas assembleias, como se faz em todas as Igrejas dos cristãos, pois não lhes é permitido tomar a palavra. Devem ficar submissas, como diz também a Lei."

  3. Anônimo II
    Anônimo, a mulher moderna, mesmo que evangélica, é difícil entender que é ordem de Deus..
    Deus criou primeiro o homem para sua glória e depois fez a mulher da costela homem para ser sua ajudadora…
    Por isso o 11 de I cor, que a mulher tem que usar o véu perante o Espírito Santo, para não se igualar à Glória de Deus, que é o homem e a glória do homem que é a mulher, fique escondida, juntamente com a glória da mulher que é o seu cabelo.

  4. Esse Anônimo II tem um machismo tão grotesco que chega a ser ridículo, Deus não faz acepção de pessoas: "Não há judeu ou grego, escravo ou livre, homem ou mulher! Todos somos imagem e semelhança de Deus e tanto homens quanto mulheres serão arrebatados e verão a glória de Deus. Ou serão apenas machos que serão salvos?

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui