Distante do Trono: De um Extremo ao Outro…

7
1245
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Por Igor Sabino

Em setembro de 2013, uma série de coisas começou a mudar em minha vida. É que foi nesse período que após reconhecer um grave pecado de foro intimo, porém com conseqüências públicas, decidi confessá-lo publicamente e utilizar minha confissão para ajudar outras pessoas a vencerem esse mesmo pecado. Fui eu quem escrevi o texto “Distante do Trono: confissões de um ex-valadete”¹ e expus como a “adoração” se tornou um ídolo em meu coração. Entretanto, como afirmou João Calvino, o coração do homem é uma fábrica de ídolos e após derrubar o ídolo da adoração, percebi que eu ainda diversos outros ídolos que me mantinham “distante do trono” e é sobre isso que eu gostaria de escrever, sobre como tudo coopera para o bem daqueles que amam a Cristo, até mesmo os seus piores pecados, até mesmo os seus ídolos.
Durante 10 anos da minha vida acompanhei o Ministério de Louvor e Adoração Diante do Trono e nesse período me envolvi diretamente com uma série de ensinos teológicos errôneos. Primeiro, foi a minha concepção errada de adoração, mas logo em seguida abracei um conceito ainda mais errado do que seria o Reino de Deus e isso me trouxe consequências nefastas. O Diante do Trono e a Igreja Batista da Lagoinha são hoje os maiores expoentes de um movimento herético chamado “Nova Reforma Apóstolica”. Segundo esse movimento surgido nos Estados Unidos a partir de Peter Wagner, é dever da Igreja ao cumprir a Grande Comissão não apenas pregar o Evangelho, mas dominar o mundo a partir da conquista dos sete montes de influência da sociedade. O que se daria através da batalha espiritual, instituição de uma forma de governo eclesiástica baseada na ordenação de apóstolos, atos proféticos, adoração espontânea e ativismo político. É que chamam de dominialismo.
Esse é um movimento que tem se espalhado por todo mundo de forma impressionante e exatamente por isso que me parecia ser algo tão bom. Durante muito tempo, mesmo não concordando com algumas posturas da Ana Paula Valadão, eram esses ensinos que ainda me faziam ter proximidade com o Diante do Trono. Eu já estava totalmente envolvido com esses ensinos através de ministérios internacionais como o Jesus Culture e a Bethel Church, bem como pregadores como o Bill Johnsom, Cindy Jacobs e Che Ahn e via na Lagoinha o único expoente disso no Brasil.
Como eu já escrevi em outro texto, o que me fez não mais ouvir Diante do Trono foi perceber que as minhas concepções de adoração e culto eram erradas, mas ainda assim não conseguia conceber que também tinha uma visão distorcida do que era o Reino de Deus e qual a função da Igreja. Assim, ao adotar a teologia reformada, terminei enveredando por outro extremo, ao ter contato com um ensino chamado de “Teonomia” ou “Teonomismo” que defende um cumprimento preterista do Apocalipse, adota uma visão escatológica pós-milenista e advoga a aplicação da lei mosaica às sociedades atuais. Lembro-me que ao ter contato com os ensinos de Gary North e Rousas Rushdoony que defendem a teonomia, eu fiquei maravilhado, pois era exatamente aquilo que eu mais apreciava na Nova Reforma Apostólica e agora estava disponível para mim com uma roupagem reformada por assim dizer. Por mais que muitos teonomistas tentem negar isso, o dominialismo apostólico moderno foi totalmente embasado na obra de Rushdoony. Digo isso após ter lido obras de ambas as vertentes e há um livro da Cindy Jacobs, por exemplo, em que ela cita diretamente a obra de Gary North e de Rushdoony.
O fato é que tais ensinos foram para mim um verdadeiro abismo teológico. Eu passei a achar que o Reino de Deus deveria ser imposto aqui na Terra a partir dos meus próprios esforços e isso justificaria o fato de eu me envolver diretamente com política, adotar uma agenda conservadora de Direita, declarar guerra ao Islã e defender a pena de morte aos gays de Uganda. Tudo isso fez com que mesmo sem eu perceber, eu me tornasse um fariseu hipócrita tão deplorável e fanático quanto os extremistas islâmicos que eu sempre condenei. Eu percebi que eu estava buscando não ser um seguidor de Cristo, mas um membro da Cristandade.
Pensar sobre isso é algo que muito me entristece, pois sou lembrado de quantas pessoas eu feri por agir assim e quanto escândalo eu trouxe ao Evangelho. Mas acima de tudo isso me faz chorar porque me mostra que a razão de eu ter abraçado tudo isso foi a minha insatisfação com Cristo. A cruz de Cristo se tornou insuficiente em meu coração. É por isso que eu desejava aplicar a Lei de Moisés à sociedade. O Evangelho não era mais a única solução para os problemas do homem. Era preciso conquistar e reformar a sociedade por completo, como se Cristo não fosse soberano o suficiente para fazer isso por si mesmo quando lhe aprouvesse.
Mas logo após todas essas lágrimas de tristeza pelo pecado, meus olhos se enchem de lágrimas de gratidão a Deus por Sua graça e soberania sobre a minha vida. Hoje ao olhar para tudo isso, consigo perceber o quanto Deus usou os meus piores ídolos para a Sua glória e para o meu bem. Hoje ao olhar para minha vida percebo que cada ídolo desses que Deus permitiu que eu tivesse foi uma forma que Ele encontrou para me manter junto dEle. Durante os meus anos de adolescência, minha idolatria pela adoração fez com que eu continuasse na Igreja e sempre buscando a Deus, mesmo que de forma errada muitas vezes. Nos meus anos iniciais de universidade era necessário que eu fosse um fundamentalista cristão e não cedesse ao relativismo marxista com o qual tentaram me doutrinar. Sem falar que foram essas as circunstâncias que Deus utilizou para me dar grandes amigos que são verdadeiros irmãos e uma igreja que não apenas me acolheu de braços abertos, como também tem me dado inúmeras oportunidades de servir a Deus, me lembrando sempre que a verdadeira ortodoxia só faz sentido havendo amor e piedade. Se um dia eu não tivesse tido a coragem de confessar o meu pecado, talvez eu não tivesse vivido tudo isso.
Assim, valeu a pena os 10 anos de cegueira ouvindo Diante do Trono, o envolvimento com os falsos ensinos da Nova Reforma Apostólica e o fundamentalismo impiedoso que a teonomia teve em mim. Pois foi essa a forma que Deus usou para ser glorificado na minha vida, me mostrando que todas as coisas cooperam para o meu bem, até mesmo os meus piores pecados.
Muitas vezes ao reconhecermos o nosso pecado e recebermos o perdão de Deus somos tentados pelo Diabo a nos sentirmos culpados por algo que Cristo já pagou por nós. Somos tentados a esquecermos que Cristo já suportou a vergonha da cruz que fôssemos livres do nosso pecado. Durante muito tempo eu experimentei esses sentimentos ao olhar para os erros que cometi no passado, mas ser lembrado que Deus é soberano e que determinou cada passo da vida – inclusive os meus pecados – a fim de glorificar o Seu nome é o que me alegra.
E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Romanos 8:28)

***

Assine o Blesss

Fonte: UMP da Quarta. Divulgação: Púlpito Cristão.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

7 COMENTÁRIOS

  1. Irmão, seu testemunho falou ao meu coração, pois você falou sobre coisas que eu estou vivendo, coisas que já há algum tempo Deus vinha me mostrando que estavam erradas.
    "Eu passei a achar que o Reino de Deus deveria ser imposto aqui na Terra a partir dos meus próprios esforços e isso justificaria o fato de eu me envolver diretamente com política, adotar uma agenda conservadora de Direita, declarar guerra ao Islã e defender a pena de morte aos gays de Uganda."
    Era esse o caminho errôneo que eu estava seguindo, mas Deus usou o teu pecado para que hoje servisse de alerta para mim. Agradeço a Deus por sua misericórdia que me fez vir a este site hoje e ler este texto.

  2. É mas infelizmente temos que concordar com Voltaire; É difícil libertar os tolos das correntes que eles veneram. Poucos são os que se dão conta do engodo dos religiosos e de seus lideres. Também, despertei a tempo…

  3. ENQUANTO CRENTES FORMAM FACÇÕES, MORTOS FICAM MAIS MORTOS A PASSOS LARGOS PARA O INFERNO.
    TAMBÉM DISCORDO DE MUITA COISA. MAS A ÚNICA QUE SEI É QUE ALMAS ESTÃO SENDO SALVAS LÁ.
    MUITOS CRITICAM, POUCA AÇÃO SE TOMA!
    AGIR CRITICANDO TODO MUNDO SABE FAZER.
    FAÇA MELHOR E DEMONSTRE A VERDADE NA SUA VIDA!

  4. Provavelmente vc não vai postar isso.
    Mas sua mensagem está rodando as redes, fazendo com que os descrentes estejam cada vez mais enojados pelos Cristãos, aumentando ainda mais a mancha já gerada pelos falsos apóstolos da atualidade (como vc citou).
    Se liga!

  5. Algumas coisas nao fazem sentido, pois, a ideia do movimento Jesus Culture por exemplo e levar o reino de Deus sim as esferas da sociedade mas de acordo com o ebangelho que e o unico poderoso realmente para transformar. Eensina que acima de fazer um yrabalho com Deus e necessario aprender a ser amadopor ele. Irmao cuidado ccom faltaade informacao. Deus o abencoe

  6. Acho então que você não leu o livro Jesus Culture escrito pelo Banninjg Liebscher, líder do movimento, no qual ele utiliza a figura do desenho "Pink e Cérebro" para afirmar que os cristãos devem dominar o mundo. Parece que quem não tem todas as informações é você.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui