Pseudolealdade e neoidolatria evangelica

1
627
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Por Valmir Nascimento

Se os evangélicos do tempo presente não se aperceberem incorrerão em um grave pecado apontado pelas Escrituras: a idolatria. Mas essa idolatria atual ganha novas perspectivas, práticas e ritos. Podemos chamá-la de neoidolatria, a obsessão e a lealdade excessiva sobre pastores, pregadores, cantores e escritores do mundo evangélico, e que retira Deus da primazia de suas vidas.
Essa neoidolatria produz uma lealdade burra, cega e má. Como escreveu Harris Blamires (A mente cristã, p. 33), a lealdade é má no sentido em que a defesa de qualquer ação com fundamento apenas na lealdade não é racional. Assim, a expressão “Eu faço isso por lealdade ao meu líder” é irracional e amoral (prefiro imoral) a não  ser que seja a consequência de: “Apoio meu líder por causa da qualidade de seu caráter, de seu propósito e de sua política”.
Blamires ainda observa que a lealdade em si mesma não é fundamento moral para a ação. Naturalmente, trata-se de outra matéria a lealdade a um bom homem, a um bom governo, a uma boa causa. Nesses casos, diz Blamires, em que a pessoa se põe do lado de um homem, ou um governo, ou uma causa porque é boa, ela se põe ao lado do bem. Nesses casos, o fundamento da ação é moral, serve-se ao bem e, portanto, o conceito de lealdade é redundante. E por isso, “pode-se dizer com justiça, portanto, que sempre que se alega a virtude da lealdade como causa original ou fundamento para a ação, temos fortes razões para suspeitar que se procura apoio para uma causa má, não existindo, por isso, necessidade de uma pseudolealdade se servimos a valores genuínos de maneira adequada.

***
Valmir Nascimento edita o blog Como Viveremos

Assine o Blesss
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

1 COMENTÁRIO

  1. Comentar…Venho percebendo, que de uma forma bem sutil tem sido ensinado nas igrejas neo pentecostais que criticar é algo errado, que demonstra “espírito de rebeldia”, frieza espiritual. Porém o real objetivo por traz desse ensino no mínimo tendencioso é exatamente blindar lideres de críticas, sob o falso argumento de que “não toqueis nos ungidos de Deus”. As pessoas têm sido doutrinadas a acreditarem e seguirem cegamente o que é ensinado em nossas igrejas, mesmo que esse ensino não tenha base Bíblica. Igrejas passam a se organizarem como empresas, seguindo uma hierarquia de cadeia de comando onde no topo estão os apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres e na base estão os “cristãos comuns”. O que for ensinado pelos líderes passa a ser inquestionável e mesmo que o líder esteja em pecado, ou ensinando uma heresia, não cabe às ovelhas criticar esses líderes, devendo estas apenas orar por eles.
    http://www.abibliaexplica.com.br/index.php/a-importancia-da-critica.html

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui