Os Desigrejados

20
1015
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


Por Rev. Augustus Nicodemus Lopes
(reprint do post de 2010 – ainda bastante atual)
Para mim resta pouca dúvida de que a igreja institucional e organizada está hoje no centro de acirradas discussões em praticamente todos os quartéis da cristandade, e mesmo fora dela. O surgimento de milhares de denominações evangélicas, o poderio apostólico de igrejas neopentecostais, a institucionalização e secularização das denominações históricas, a profissionalização do ministério pastoral, a busca de diplomas teológicos reconhecidos pelo estado, a variedade infindável de métodos de crescimento de igrejas, de sucesso pastoral, os escândalos ocorridos nas igrejas, a falta de crescimento das igrejas tradicionais, o fracasso das igrejas emergentes – tudo isto tem levado muitos a se desencantarem com a igreja institucional e organizada. Alguns simplesmente abandonaram a igreja e a fé. Mas, outros, querem abandonar apenas a igreja e manter a fé. Querem ser cristãos, mas sem a igreja.
Muitos destes estão apenas decepcionados com a igreja institucional e tentam continuar a ser cristãos sem pertencer ou frequentar nenhuma. Todavia, existem aqueles que, além de não mais frequentarem a igreja, tomaram esta bandeira e passaram a defender abertamente o fracasso total da igreja organizada, a necessidade de um cristianismo sem igreja e a necessidade de sairmos da igreja para podermos encontrar Deus. Estas idéias vêm sendo veiculadas através de livros, palestras e da mídia. Viraram um movimento que cresce a cada dia. São os desigrejados.
Muitos livros recentes têm defendido a desigrejação do cristianismo (*).
Em linhas gerais, os desigrejados defendem os seguintes pontos.
1) Cristo não deixou qualquer forma de igreja organizada e institucional.
2) Já nos primeiros séculos os cristãos se afastaram dos ensinos de Jesus, organizando-se como uma instituição, a Igreja, criando estruturas, inventando ofícios para substituir os carismas, elaborando hierarquias para proteger e defender a própria instituição, e de tal maneira se organizaram que acabaram deixando Deus de fora. Com a influência da filosofia grega na teologia e a oficialização do cristianismo por Constantino, a igreja corrompeu-se completamente.
3) Apesar da Reforma ter se levantado contra esta corrupção, os protestantes e evangélicos acabaram caindo nos mesmíssimos erros, ao criarem denominações organizadas, sistemas interligados de hierarquia e processos de manutenção do sistema, como a disciplina e a exclusão dos dissidentes, e ao elaborarem confissões de fé, catecismos e declarações de fé, que engessaram a mensagem de Jesus e impediram o livre pensamento teológico.
4) A igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos, tesouraria, hierarquia, ofícios, ofertas, dízimos, clero oficial, confissões de fé, rol de membros, propriedades, escolas, seminários.
5) De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três que crêem nele, ali está a igreja, pois Cristo está com eles, conforme prometeu em Mateus 18. Assim, se dois ou três amigos cristãos se encontrarem no Frans Café numa sexta a noite para falar sobre as lições espirituais do filme O Livro de Eli, por exemplo, ali é a igreja, não sendo necessário absolutamente mais nada do tipo ir à igreja no domingo ou pertencer a uma igreja organizada.
6) A igreja, como organização humana, tem falhado e caído em muitos erros, pecados e escândalos, e prestado um desserviço ao Evangelho. Precisamos sair dela para podermos encontrar a Deus.
Eu concordo com vários dos pontos defendidos pelos desigrejados. Infelizmente, eles estão certos quanto ao fato de que muitos evangélicos confundem a igreja organizada com a igreja de Cristo e têm lutado com unhas e dentes para defender sua denominação e sua igreja, mesmo quando estas não representam genuinamente os valores da Igreja de Cristo. Concordo também que a igreja de Cristo não precisa de templos construídos e nem de todo o aparato necessário para sua manutenção. Ela, na verdade, subsistiu de forma vigorosa nos quatro primeiros séculos se reunindo em casas, cavernas, vales, campos, e até cemitérios. Os templos cristãos só foram erigidos após a oficialização do Cristianismo por Constantino, no séc. IV.
Os desigrejados estão certos ao criticar os sistemas de defesa criados para perpetuar as estruturas e a hierarquia das igrejas organizadas, esquecendo-se das pessoas e dando prioridade à organização. Concordo com eles que não podemos identificar a igreja com cultos organizados, programações sem fim durante a semana, cargos e funções como superintendente de Escola Dominical, organizações internas como uniões de moços, adolescentes, senhoras e homens, e métodos como células, encontros de casais e de jovens, e por ai vai. E também estou de acordo com a constatação de que a igreja institucional tem cometido muitos erros no decorrer de sua longa história.
Dito isto, pergunto se ainda assim está correto abandonarmos a igreja institucional e seguirmos um cristianismo em vôo solo. Pergunto ainda se os desigrejados não estão jogando fora o bebê junto com a água suja da banheira. Ao final, parece que a revolta deles não é somente contra a institucionalização da igreja, mas contra qualquer coisa que imponha limites ou restrições à sua maneira de pensar e de agir. Fico com a impressão que eles querem se livrar da igreja para poderem ser cristãos do jeito que entendem, acreditarem no que quiserem – sendo livres pensadores sem conclusões ou convicções definidas – fazerem o que quiserem, para poderem experimentar de tudo na vida sem receio de penalizações e correções. Esse tipo de atitude anti-instituição, anti-disciplina, anti-regras, anti-autoridade, anti-limites de todo tipo se encaixa perfeitamente na mentalidade secular e revolucionária de nosso tempo, que entra nas igrejas travestida de cristianismo.
É verdade que Jesus não deixou uma igreja institucionalizada aqui neste mundo. Todavia, ele disse algumas coisas sobre a igreja que levaram seus discípulos a se organizarem em comunidades ainda no período apostólico e muito antes de Constantino.
1) Jesus disse aos discípulos que sua igreja seria edificada sobre a declaração de Pedro, que ele era o Cristo, o Filho do Deus vivo (Mt 16.15-19). A igreja foi fundada sobre esta pedra, que é a verdade sobre a pessoa de Jesus (cf. 1Pd 2.4-8). O que se desviar desta verdade – a divindade e exclusividade da pessoa de Cristo – não é igreja cristã. Não admira que os apóstolos estivessem prontos a rejeitar os livre-pensadores de sua época, que queriam dar uma outra interpretação à pessoa e obra de Cristo diferente daquela que eles receberam do próprio Cristo. As igrejas foram instruídas pelos apóstolos a rejeitar os livre-pensadores como os gnósticos e judaizantes, e libertinos desobedientes, como os seguidores de Balaão e os nicolaítas (cf. 2Jo 10; Rm 16.17; 1Co 5.11; 2Ts 3.6; 3.14; Tt 3.10; Jd 4; Ap 2.14; 2.6,15). Fica praticamente impossível nos mantermos sobre a rocha, Cristo, e sobre a tradição dos apóstolos registrada nas Escrituras, sem sermos igreja, onde somos ensinados, corrigidos, admoestados, advertidos, confirmados, e onde os que se desviam da verdade apostólica são rejeitados.
2) A declaração de Jesus acima, que a sua igreja se ergue sobre a confissão acerca de sua Pessoa, nos mostra a ligação estreita, orgânica e indissolúvel entre ele e sua igreja. Em outro lugar, ele ilustrou esta relação com a figura da videira e seus galhos (João 15). Esta união foi muito bem compreendida pelos seus discípulos, que a compararam à relação entre a cabeça e o corpo (Ef 1.22-23), a relação marido e mulher (Ef 5.22-33) e entre o edifício e a pedra sobre o qual ele se assenta (1Pd 2.4-8). Os desigrejados querem Cristo, mas não querem sua igreja. Querem o noivo, mas rejeitam sua noiva. Mas, aquilo que Deus ajuntou, não o separe o homem. Não podemos ter um sem o outro.
3) Jesus instituiu também o que chamamos de processo disciplinar, quando ensinou aos seus discípulos de que maneira deveriam proceder no caso de um irmão que caiu em pecado (Mt 18.15-20). Após repetidas advertências em particular, o irmão faltoso, porém endurecido, deveria ser excluído da “igreja” – pois é, Jesus usou o termo – e não deveria mais ser tratado como parte dela (Mt 18.17). Os apóstolos entenderam isto muito bem, pois encontramos em suas cartas dezenas de advertências às igrejas que eles organizaram para que se afastassem e excluíssem os que não quisessem se arrepender dos seus pecados e que não andassem de acordo com a verdade apostólica. Um bom exemplo disto é a exclusão do “irmão” imoral da igreja de Corinto (1Co 5). Não entendo como isto pode ser feito numa fraternidade informal e livre que se reúne para bebericar café nas sextas à noite e discutir assuntos culturais, onde não existe a consciência de pertencemos a um corpo que se guia conforme as regras estabelecidas por Cristo.
4) Jesus determinou que seus seguidores fizessem discípulos em todo o mundo, e que os batizassem e ensinassem a eles tudo o que ele havia mandado (Mt 28.19-20). Os discípulos entenderam isto muito bem. Eles organizaram os convertidos em igrejas, os quais eram batizados e instruídos no ensino apostólico. Eles estabeleceram líderes espirituais sobre estas igrejas, que eram responsáveis por instruir os convertidos, advertir os faltosos e cuidar dos necessitados (At 6.1-6; At 14.23). Definiram claramente o perfil destes líderes e suas funções, que iam desde o governo espiritual das comunidades até a oração pelos enfermos (1Tm 31-13; Tt 1.5-9; Tg 5.14).
5) Não demorou também para que os cristãos apostólicos elaborassem as primeiras declarações ou confissões de fé que encontramos (cf. Rm 10.9; 1Jo 4.15; At 8.36-37; Fp 2.5-11; etc.), que serviam de base para a catequese e instrução dos novos convertidos, e para examinarem e rejeitarem os falsos mestres. Veja, por exemplo, João usando uma destas declarações para repelir livre-pensadores gnósticos das igrejas da Ásia (2Jo 7-10; 1Jo 4.1-3). Ainda no período apostólico já encontramos sinais de que as igrejas haviam se organizado e estruturado, tendo presbíteros, diáconos, mestres e guias, uma ordem de viúvas e ainda presbitérios (1Tm 3.1; 5.17,19; Tt 1.5; Fp 1.1; 1Tm 3.8,12; 1Tm 5.9; 1Tm 4.14). O exemplo mais antigo que temos desta organização é a reunião dos apóstolos e presbíteros em Jerusalém para tratar de um caso de doutrina – a inclusão dos gentios na igreja e as condições para que houvesse comunhão com os judeus convertidos (At 15.1-6). A decisão deste que ficou conhecido como o “concílio de Jerusalém” foi levada para ser obedecida nas demais igrejas (At 16.4), mostrando que havia desde cedo uma rede hierárquica entre as igrejas apostólicas, poucos anos depois de Pentecostes e muitos anos antes de Constantino.
6) Jesus também mandou que seus discípulos se reunissem regularmente para comer o pão e beber o vinho em memória dele (Lc 22.14-20). Os apóstolos seguiram a ordem, e reuniam-se regularmente para celebrar a Ceia (At 2.42; 20.7; 1Co 10.16). Todavia, dada à natureza da Ceia, cedo introduziram normas para a participação nela, como fica evidente no caso da igreja de Corinto (1Co 11.23-34). Não sei direito como os desigrejados celebram a Ceia, mas deve ser difícil fazer isto sem que estejamos na companhia de irmãos que partilham da mesma fé e que crêem a mesma coisa sobre o Senhor.
É curioso que a passagem predileta dos desigrejados – “onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” (Mt 18.20) – foi proferida por Jesus no contexto da igreja organizada. Estes dois ou três que ele menciona são os dois ou três que vão tentar ganhar o irmão faltoso e reconduzi-lo à comunhão da igreja (Mt 18.16). Ou seja, são os dois ou três que estão agindo para preservar a pureza da igreja como corpo, e não dois ou três que se separam dos demais e resolvem fazer sua própria igrejinha informal ou seguir carreira solo como cristãos.
O meu ponto é este: que muito antes do período pós-apostólico, da intrusão da filosofia grega na teologia da Igreja e do decreto de Constantino – os três marcos que segundo os desigrejados são responsáveis pela corrupção da igreja institucional – a igreja de Cristo já estava organizada, com seus ofícios, hierarquia, sistema disciplinar, funcionamento regular, credos e confissões. A ponto de Paulo se referir a ela como “coluna e baluarte da verdade” (1Tm 3.15) e o autor de Hebreus repreender os que deixavam de se congregar com os demais cristãos (Hb 10.25). O livro de Atos faz diversas menções das “igrejas”, referindo-se a elas como corpos definidos e organizados nas cidades (cf. At 15.41; 16.5; veja também Rm 16.4,16; 1Co 7.17; 11.16; 14.33; 16.1; etc. – a relação é muito grande).
No final, fico com a impressão que os desigrejados, na verdade, não são contra a igreja organizada meramente porque desejam uma forma mais pura de Cristianismo, mais próxima da forma original – pois esta forma original já nasceu organizada e estruturada, nos Evangelhos e no restante do Novo Testamento. Acho que eles querem mesmo é liberdade para serem cristãos do jeito deles, acreditar no que quiserem e viver do jeito que acham correto, sem ter que prestar contas a ninguém. Pertencer a uma igreja organizada, especialmente àquelas que historicamente são confessionais e que têm autoridades constituídas, conselhos e concílios, significa submeter nossas idéias e nossa maneira de viver ao crivo do Evangelho, conforme entendido pelo Cristianismo histórico. Para muitos, isto é pedir demais.
Eu não tenho ilusões quanto ao estado atual da igreja. Ela é imperfeita e continuará assim enquanto eu for membro dela. A teologia Reformada não deixa dúvidas quanto ao estado de imperfeição, corrupção, falibilidade e miséria em que a igreja militante se encontra no presente, enquanto aguarda a vinda do Senhor Jesus, ocasião em que se tornará igreja triunfante. Ao mesmo tempo, ensina que não podemos ser cristãos sem ela. Que apesar de tudo, precisamos uns dos outros, precisamos da pregação da Palavra, da disciplina e dos sacramentos, da comunhão de irmãos e dos cultos regulares.
Cristianismo sem igreja é uma outra religião, a religião individualista dos livre-pensadores, eternamente em dúvida, incapazes de levar cativos seus pensamentos à obediência de Cristo.
Nota:(*) Podemos mencionar entre eles: George Barna, Revolution (Revolução), 2005; William P. Young, The Shack: a novel (A Cabana: uma novela), 2007; Brian Sanders, Life After Church (Vida após a igreja), 2007; Jim Palmer, Divine Nobodies: shedding religion to find God (Joões-ninguém divinos: deixando a religião para encontrar a Deus), 2006; Martin Zener,How to Quit Church without Quitting God (Como deixar a Igreja sem deixar a Deus), 2002; Julia Duin, Quitting Church: why the faithful are fleeing and what to do about it (Deixando a Igreja: por que os fiéis estão saindo e o que fazer a respeito disto), 2008; Frank Viola, Pagan Christianity? Exploring the roots of our church practices (Cristianismo pagão? Explorando as raízes das nossas práticas na Igreja), 2007; Paulo Brabo, Bacia das Almas: Confissões de um ex-dependente de igreja (2009).
***
Fonte: O Tempora! O Mores!

Assine o Blesss
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

20 COMENTÁRIOS

  1. Esse texto do Dr Nicodemus é interessante porque acaba do mesmo jeito que começa, ele não abre nova perspectiva no assunto, pelo contrario se equivoca em algumas coisas, como por exemplo.
    Radicaliza ao afirmar que quem está fora da igreja, o faz por interesse pela rebeldia e liberdade mundana, ora, assim ele desconsidera a presenta do Espirito Santo naqueles que buscam a Deus independente de frequentar um templo de forma regular ou mesmo sem frequência alguma.
    Tenta demostrar que não podemos viver sem tutela e orientação dos ensinos da igreja, bem, a igreja na minha opinião deveria existir justamente para formar cristãos e não para torna-los dependentes. A igreja é a referencia, o local, o templo onde as pessoas inicial quase sempre seu entendimento e sua mudança rumo a Cristo, então não compreendo bem a relação que ele defende entre o templo e seus membros.
    Afirma que há segmentos de difundem ideia da não necessidade dos templos. Eu nunca ouvi nada neste sentido, mas não duvido que exista tais pensamos, no entanto é impraticável tal intenção. Templos são inerentes ao cristianismo, pois templo é reunião e como ele mesmo afirma no texto, a igreja sobreviveu de pequenos grupos em pequenos grupos ao longo dos séculos.
    Piora o texto quando afirma:

    De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três que crêem nele, ali está a igreja, pois Cristo está com eles, conforme prometeu em Mateus 18. Assim, se dois ou três amigos cristãos se encontrarem no Frans Café numa sexta a noite para falar sobre as lições espirituais do filme O Livro de Eli, por exemplo, ali é a igreja, não sendo necessário absolutamente mais nada do tipo ir à igreja no domingo ou pertencer a uma igreja organizada.

    Aqui ele está sendo grosseiro com o evangelho, pois quem quem vai ficar reunido num café falando de um filme, pensando estar sendo igreja digna de receber a presença do Espirito é completamente estupido no que diz respeito ao básico do evangelho, ora, é leviano este paragrafo, pois desconsidera a afirmativa de Jesus e sua promessa quanto a estar presente junto a alguns reunidos em seu nome. E de fato Dr, depois de uma boa reunião cheia de fé e oração, não precisa ir mesmo ao culto de domingo.
    Enfim o discurso não é libertador, e não propõe um modelo libertador de igreja enquanto templo, mas o vinculo tutelado do pastoreio.
    Dr, a bíblia não é mais privilégio do clero!

  2. Amigos,

    Igrejados e desigrejados = PURA MENTIRA!

    Igreja é uma palavra não traduzida. Significa um grupo de pessoas. A mesma palavra traduzida por igreja está no velho testamento traduzida como povos, reunião, população… menos igreja. Até parece que estes doutores não sabem disso.

    O que estes homens fazem é atrair para si os que crêem no evangelho para roubar o dinheiro deles e fazer eles de escravos.

    Vejam as palavras de Paulo:

    E agora, na verdade, sei que todos vós, por quem passei pregando o reino de Deus, não vereis mais o meu rosto.
    Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpo do sangue de todos.
    Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus.
    Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu encarregados, para guiar os chamados de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.
    Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho;
    E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos para si.
    Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.
    Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados.
    De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário.
    Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram.
    Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber

    Atos 20:25-35

    ESTA IGREJA INSTITUIÇÃO QUE ESTA HOJE É A Babilônia! O Criador diz: SAI DELA POVO MEU
    Ouça a voz do Criador: SAI DELA!

  3. Parabéns pelo artigo,vejo que a tal liberdade é o ponto que mais impulsiona membros a saírem de suas igrejas..que Deus continue de abençoando..a Paz.

  4. Então galera, eu procurei e tenho procurado igrejas para me afiliar, porém o meio neopentecostal tem influenciado grande parte do meio cristao inclusive igrejas tradicionais, fato noticiado diariamente por vocês. Nao ter igreja acaba nao sendo uma opção mais sim uma necessidade, porque ao frequentar você acaba sendo lobotomizado e forçado a conviver com tais praticas ou pensamentos religiosos infundados, a verdade e que estamos perdendo o foco, perdendo o lugar e nos tornando meros pagadores de indulgências isso e o que erem afastado muitos reformadores dos templos atuais.

  5. Meu irmão e Rev. Augustus Nicodemus Alves,bom dia e paz de Cristo.Com respeito me dirijo ao irmão comentando o seu artigo.O seu artigo sobre os desigrejados é oportuno e esclarecedor.Eu sou um dos apontados no seu artigo,porém não abandonei a igreja-corpo-gente,tenho responsabilidade diante do Pai Eterno de zelar por todos em oração intercessória. Mas vivo no meu ambiente evangélico como que andando só – caminhante solo,mas estou buscando em Deus uma solução. O que Moisés fazia diante das crises ? Se prostava diante do Pai e fazia suas "reclamações" e sempre vinha uma solução.Gostei do artigo,só faltou uma proposta concreta para ambos os lados – como fez Josafá em 2 Crônicas 20 – " Não sei o que fazer",eu também não sei o que fazer. abraço do tito from brasília.

  6. Bom dia.

    No início da leitura tive um pensamento bom sobre o autor Rev. Augustus Nicodemus Lopes, más na continuidade percebi que o mesmo tem a mente do "JESUS-IGREJA". Ou seja, aquele tipo de pessoa que não consegue ver o Senhor Jesus fora da instituição religiosa. Na verdade é uma mente muito religiosa. Vaja bem: JESUS É.

    O Senhor Jesus evidentemente ao ascender deixou a sua igreja (que não está dentro de quatro parede) e enviou o seu Espírito para dirigir e organizá-la. De forma que deu dons ministeriais e espirituais ao homens. Más a pessoa de mente "Jesus-Igreja" que vê o diacono, o pastor, o ensinador.

    Logo, Ele sabe quem é igreja e quem não é, pois Ele sonda os corações. E quando se fala em cristão se imagina uma comunidade de adoradores, de discípulos, de servos, pessoas partindo o pão. Portanto, não existe "carreira solo" no evangelho.

    Por outro lado, não podemos admitir que espertalhões milionários do evangelho "vendam" (passem) a imagem de que as suas igrejas institucionalizadas é a Igreja do Senhor Jesus Cristo. Pois digo: "Muitas delas, não sei se todas, o Senhor Jesus está batendo à porta pedindo para entrar.

    Também, quanto a disciplina digo: -quem pode disciplinar quem. Só os santarrões hipócritas. Estes sim saem atirando pedras, apontando cisco nos olhos alheios. Os exemplos bíblicos citados visa a unidade da fé, discernir o corpo de Cristo. Ou seja, aluzir os errantes que suas atitudes não são conforme os ensinamentos do Mestre. Até porque não se tem outro Mestre. E, por isso, somente por isso, ele não poderá mais fazer parte da comunidade, caso de o irmão errante NÃO SE ARREPENDER. Entretanto, em se arrependendo, perdoa-se o irmão e continua a vida com aquele celebre conselho; "- vá e não peques mais."

    Para finalizar, digo que o irmão tem grande percepção e deve ler a Bíblia, principalmente o Novo Testamento, versículo por versículo, um depois do outro. Esquecendo das percepções adquiridas por anos a fio na instituição, pois na catequese, ou discipulado, as Instituições ensinam a pertencer e viver nelas; não o evangelho de Jesus Cristo. Traduzindo: o discipulado da Igreja Batista ensina a ser Batista; o da Assembleia de Deus como viver e ser assembleiano; e por aí vai. Por isso, peço que abre o coração e deixe que o Espírito Santo ensinar (até porque esta é uma das funções dEle).

  7. O post da Lya é uma boa resposta a este artigo.Mesmo porque são citados escritores que prescrevem a saída da igreja,enquanto s desigrejados do Brasil estão é sem lar institucional.E de maneira nenhuma submeter nossas idéias às confissões de igreja histórica é obedecer ao Evangelho.Elas não tem monopólio das escrituras,ou talvez estejam aderindo aos dogmas católicos!!E Paulo não chama nenhuma instituição de "Baluarte da Verdade" e sim a coletividade dos que VIVEM o Evangelho,o que é bem diferente!E s dois ou três que tentam ganhar o irmão em MT 18:20;querem mudar o comportamento dele e não o local onde congrega,nem com quem congrega!!Que cegueira!!E se submeter à corrupção do clero,calar ante à injustiça,aceder à chantagem por interesse é motivo de aprovação para ser membro de uma igreja,então eu estou fora!!Afinal,o CRISTO que morreu e ressuscitou,confessou sua identidade e nós temos o exemplo sobre porque lutar.Não é o caso destes barões feudais que estão nos púlpitos.

  8. O que dizer então dos 54 milhões de cristãos que se encontram na China e que não pertencem a nenhuma "instituição" religiosa!estão todos errados ?
    estes argumentos que defendem esta organização proselitista chamada cristianismo são da profundidade de um pires.
    e pra mim é somente o medo destes que mamam na teta desta "religião" ficarem sem sua vaca sagrada!

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,cristianismo-avanca-na-china,487377,0.htm

  9. Há mtos "desigrejados" pois a qualidade de líderes que temos hoje é uma afronta a inteligência humana. Homens que não conhecem as Escrituras ou se conhecem manipulam a favor próprio. Quantas vezes saimos de casa para congregar e ao chegarmos na igreja ouvimos pregações onde só se falam das bençãos materiais, pastores que dizem que ter uma vida humilde é ser derrotado? Aí vc vê um monte de crente besta que gasta o que tem e o que não tem para ostentar uma vida "vitoriosa" quanta medilcridade!!! Crentes vazios porque são pastoreados por homens vazios. Não concordo com fato do crente não congregar, mas convenhamos, o julgo que o sistema ecleciástico tem querido colocar em nossas costas tá dificil de suportar. querem tirar a nossa liberdade de pensar, raciocinar, contestar o que é pregado com o que diz a Escrituras. Você só pode obedecer e viver na cartilha que eles impõe, se falar algo fora disso vc é rebelado e merece punições.

  10. Paulo Sales,
    sim, há segmentos que difundem a idéia da não necessidade dos templos. Leia com atenção o que diz um dos adeptos deste seguimento que vem difundindo está idéia a 2000 anos:

    E, estando Paulo no meio do Areópago, disse: Homens atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos;
    Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.
    O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;
    Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;
    E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação;
    Para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós;

    Atos 17:22-27

    Que idéia idéia absurda né?

    Ah, e Jesus nunca disse que onde estiver dois ou três reunidos em nome dele estaria a "igreja" pois Ele nunca nem falou nada de "igreja" (Ele não era grego).

  11. Cá no meu pais, há gente com esse tipo de pensamento, idéias, e tudo de contrário às leis bíblicas, às regras de vida cristã! Essa gente não quere ter um congregado de fé, uma estrutura de templo, uma hierarquia de direção. Simplesmente querem viver sem estatutos de conduta de fé!

  12. É meus irmãos parece que os cães gulosos resolveram tentar mudar a cabeça dos que se dizem desigrejados. Desde quando a sã doutrina diz que a igreja é o templo? A que Jesus estava se referindo quando disse: "Destruam esse templo e eu o reconstruirei em 3 dias"??

    É muita cara de pau, nada a declarar.

    "Homens atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos;
    Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.
    O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;
    Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;'

  13. Acredito que o Reverendo não foi feliz em sua colocação quando se referiu aos cristãos que não se congregam em uma "igreja" institucionalizada como "desigrejados". Se ele for realmente um cristão, deve, no mínimo, pedir perdão pelo sentido pejorativo que atribui à expressão, pois faz um falso juízo de valor a respeito dos que discernem a Igreja de Cristo como uma comunidade de pecadores perdoados, que procuram viver o cristianismo de forma simples, sem prejuízo às ordenanças básicas da fé cristã. Não é sensato, portanto, tratar este assunto sem conhecimento de causa. É mister muito mais do que palavras e textos e idéias para se formular uma base sólida sobre o este assunto. Penso que nesse contexto, o varão perfeito, que sabe refrear sua língua, tem que se portar mais como um observador, assumindo o comportamento orientado pelas sábias palavras do mestre Gamaliel, pois caso todo esse movimento seja um impulsionar de Deus para uma retomada dos princípios eclesiológicos básicos, que se perderam na história, lutar contra ele significará lutar contra o próprio Deus. DEUS É SOBERANO!

  14. 1. Os cristãos do século primeiro, se reuniam para estudar a palavra e amparar uns aos outros ou fundaram estruturas, placas e organizações denominacionais? At 2:44-47
    2. É necessária a existência de uma empresa, instituição ou corporação para haver a ação do CRIADOR? A relação Criador Criatura passa por uma instituição? Mt 6:6
    3. Jesus deixou alguma organização religiosa, com processos, sistemas e estruturas? Caso afirmativo dessas inúmeras denominações, onde está aquela fundada por ele?
    4. A sua instituição religiosa foi fundada por Jesus e pelos apóstolos ou foi fundada por qualquer um, depois da era Apostólica?
    5. Sua denominação foi fundada por Paulo? Pelo sobrinho de Paulo? Pelo sucessor de Paulo? Tem algum documento apostólico de Paulo autorizando sua fundação?
    6. Que sentido há em seguir uma denominação fundada por outros homens, ao invés de seguir aquela que seria fundada por Jesus e pelos apóstolos?
    7. Quem deu a autoridade para sua instituição e seus líderes interpretarem as escrituras? (Mt 11:27)
    8. Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações? Pode ela ser isenta de erros? Pode ser infalível?
    9. Onde está a referencia bíblica de que um homem pode fundar instituições religiosas para representar a o Criador?
    10. Se o Criador quer que sigamos uma denominação por que ele não pediu para seus profetas fundarem uma? Desde o V.t até hoje. Ao invés de homens da reforma?
    11. Por que o Criador jamais escolheu uma instituição para representá-lo? Por que Jonas, João Batista e os profetas estavam afastados delas?
    12. Se Cristo destruiu o monopólio do deus reducionista institucional, entendendo a salvação a todos os povos, porque voltam a monopolizar Deus?

  15. 13. Jesus veio para fundar uma religião ou veio para trazer vida?
    14. O caminho, a verdade, a vida, acaso é uma é uma denominação, uma organização religiosa? Acaso é uma empresa especializada? (João 14:6)
    15. Se Jesus é o caminho para que atalhos? Se Jesus é o caminho para que buscar uma instituição fundada por homens? (Jo 14:6)
    16. Quem usou cada segundo do seu tempo, cada momento da sua vida e cada gota do seu sangue dando sua vida por você? Acaso foi o sistema religioso? (1 Cor 1:13)
    17. Para o discípulo, apenas Jesus serve como exemplo, ou homens e doutrinas são INDISPENSÁVEIS? O que diz o evangelho? (João 6:68) (Mateus 15:9)
    18. Se a palavra está nas escrituras para que buscar uma organização religiosa? Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações?
    19. Quando Cristo disse que fora de uma organização religiosa não há salvação? Pode ela ser detentora da salvação? (João 3:16; João 3:36)
    20. De onde surge o direito divino de vincular a salvação de alguém a uma instituição criada por homens? O que diz o evangelho? (João 5:21-24; 1 João 5:12)
    21. Onde está escrito que a relação Criador e Criatura passa por uma instituição religiosa? Pode ela toma o lugar do Criador para si, como se fosse o próprio? (Rm 8:39)
    22. Quando Cristo afirmou que para ser discípulo você deveria ser membro de alguma denominação religiosa? (João 13:35)
    23. Onde está escrito que para estar em Cristo devemos estar em uma instituição? E dar fruto, é participar de atividades religiosas? (João 15:12)
    24. Onde está escrito que para congregar, ou seja, reunir-se, precisamos fazer parte de alguma instituição religiosa fundada por homens? (Mateus 18:20)
    25. Jesus mentiu ao dizer que “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele? Instituições são dispensáveis. (Mateus 18:20)
    26. Se Cristianismo é exercício de amor ao próximo, pra que fundar instituição e estruturas para ensinar algo tão simples? (Mt 25:42) (1Jo 3:14)(1 Jo 4:7-8)
    27. Para adorar a Deus é preciso de templo, instituição e horário especifico? Ou adorar-se a Deus é no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos? (João 4:21-23)
    28. De acordo com Jesus, a adoração se atrela a ritualismos, exterioridades limitada a locais sagrados, ou é aplicada a internalidade, ao mapa do coração a todos os povos?
    29. Se a palavra está nas escrituras para que buscar um líder religioso? Pode ele revelar algo além das escrituras? (João 8:31)(Hb 8:10-11)(João 6:45)
    30. Por que as pessoas acreditam que homenzinhos vestidos de roxo, ou de terno/gravata são representantes de Deus na terra?
    31. Para que o templocentrismo? Se onde estiver dois ou mais em seu nome ali ele estará! Para que o pulpitocentrismo? Voltemos a instruirmos uns aos outros!
    32. Para que o clericalismo? Bispos e diáconos? Se todos nós somos sacerdotes?Voltemos a escrituras para nos instruir.(Mateus 20:25-28;Mateus 23:10)
    33. Bispos e Pastores? Qual o contexto? Tinham os Cristãos primitivos acesso a palavra por escrito como nós? Ou apenas por intermédio da reunião dos apóstolos?
    34. Para Deus há hierarquias ou apenas dons e funções?
    35. O evangelho é Cristo se oferecendo em sacrifício para que a graça de Deus alcance o homem, Religião é o homem oferecendo sacrifício para alcançar a graça de Deus.
    36. Não está escrito que a palavra do Criador é vida, que deve ser vivida dia a dia, ao invés de ficarmos enclausurados em sinagogas? (M 2 Cor 3:3)
    37. Não está escrito, que a Religião de verdade é atender aos necessitados? (Tg1:27) O Criador Mentiu ao dizer que servir a Deus é servir ao próximo? (Mt 25:42)
    38. O que importa mais, fazermos nossas orações em casa, praticarmos a justiça, a bondade, a humildade, a caridade, e a misericórdia no dia a dia! Ou sermos membros de instituição religiosa? (Gálatas 5:22 Rm 2:7)

  16. Os Fariseus e sacerdotes, doutores da lei e doutores dos templos, já estão ligando o alerta de preocupação com os eventos que vem ocorrendo.
    Primeiro as ovelhas começaram a perceber que cobrar o dizimo era um engodo dos "pastores cães gulosos" profetizado em Isaias. e o faturamento dos mercadores da fé caiu drasticamente, eles começaram a rebolar pra achar algum meio de tentar justificar este roubo…
    Depois o povo começou ir até o verdadeiro messias que diz "VINDE A MIM" e não ouvir aos doutores da lei… e ouviram que "AS SUAS OVELHAS OUVEM A SUA VOZ" que ele é o ÚNICO PASTOR, que deu a vida por nós, quanto mais digno de crédito, eque ELE É O ÚNICO MESTRE, e todos nós irmãos…
    As palavras do Messias não podem ser paradas, pois são espirito e vida, o povo do Eterno YHWH ouviu a sua voz, e se alegrou, vendo o Pai e seu filho amado, e recebendo a palavra que liberta verdadeiramente, e é uma fonte de rios de águas vivas. As palavras dos doutores, já não tem poder para condenar quem está livre pelo Messias.
    A Babilônia está Ruindo, isto é só o começo, pois apocalipse mostra que ela vai cair. E será morada de demônios.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui