Catedral e o juízo gospel – por Ricardo Alexandre

9
730
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

catedralbanda_ricardo“Uma manchete um tanto malandra e o rastro de destruição estava feito. Mais um capítulo do livro “Cheguei bem a tempo de ver o palco desabar”
Apesar de haver me convertido ao cristianismo de tradição protestante antes mesmo de começar a escrever profissionalmente, sempre fui desconfiado de qualquer coisa parecida com o que é conhecido como segmento “gospel”. Nunca cogitei me alinhar com tal target nem como profissional muito menos como consumidor e, se você me permite generalizar, sempre achei que a música evangélica era, no fundo, uma saída fácil para que artistas sem chance no mundo pop pudessem dar seus autógrafos, ter seus produtos licenciados e viver seu sonho de star. O chamado “rock gospel” do início dos anos 1990 não diminuiu minha antipatia, muito pelo contrário. Música para mim sempre foi assunto sagrado demais para ser profanada por pseudos.
Mas aconteceu que em 1999 a gravadora WEA anunciou a contratação do grupo carioca Catedral, embalado naqueles típicos projetos de marketing vergonhosos vindos de grandes gravadoras: a multinacional queria oferecer a banda como uma espécie de substituta da Legião Urbana, especialmente do lado mais espiritualizado e “conselheiro” da banda de Brasília – dali alguns anos, de fato contrataria o tecladista da Legião, Carlos Trilha, para produzi-los e reforçar a conexão. Do lado do quarteto evangélico, o desejo declarado era romper com o mercado dito gospel e avançar para o mercado dito secular, passo que se anunciava já havia alguns anos, em músicas cuja temática religiosa eram mascaradas em letras de amor.
O Catedral havia surgido em 1988 fazendo um som que em nada lembrava a Legião nem suas matrizes estéticas. Mas encontrou seu nicho de mercado no mesmo balaio que deu certa (má) fama ao grupo Cogumelo Plutão, por exemplo, o de pretensos estepes do grupo de Brasília. Em tempos em que o “serviço de implantação de novos produtos no mercado” andava de vento em popa entre as gravadoras e as rádios, a música “Eu quero sol nesse jardim” já tocava em FMs jovens. Nem a Legião Urbana soaria tão caricaturalmente Legião Urbana quanto naquela balada de violãozinho com vocal empostado e letra sobre jardins, luz da manhã e azul do céu. Marcelo Bonfá chamou o grupo de “cópia paraguaia”; Dado Villa-lobos de “Denorex” (o xampu do slogan “parece, mas não é”).
Recebi o disco na redação da Usina do Som e encomendei ao talentoso repórter Ricardo Pieralini que visitasse o Catedral e descobrisse aonde eles queriam chegar com tudo aquilo. Lembro de tê-lo advertido de que dinheiro era a menor das tentações, uma vez que o mercado gospel já era muito mais promissor do que o mercado secular, realidade que só se acentuou nos anos seguintes. E o repórter foi em sua missão.
Pieralini voltou dizendo que, sem compartilhar da minha desconfiança, não havia encontrado nada além do que encontrava em todo artista que entrevistava: quatro pessoas querendo atingir um número sempre maior de pessoas. Na verdade, penso hoje eu, o Catedral tentava fazer na época, com o talento de que dispunham, o que um número razoável de bandas cristãs brasileiras tenta fazer atualmente: dar um passo fora do seguro target gospel, dialogar com a sociedade, e influenciá-la como fizeram Bob Dylan ou o U2. Mas o Catedral não sabia se explicar e ninguém parecia muito interessado em entendê-los. Tínhamos, pelo menos um título chamativo – ou apelativo, se você preferir, para buscar audiência na home do site, àquela altura o maior sobre música da América Latina, com mais de um milhão de usuários cadastrados: “A igreja é uma merda”.
No terceiro ou quarto parágrafo do texto, a um clique de distância, a frase era explicada. A banda dizia, ou queria dizer, que, artisticamente, manter-se restrito ao circuito formado por frequentadores de igreja, é um beco sem saída, é restritivo, uma porcaria, um cocô, uma merda. Foi um título maldoso, não posso negar, minha máxima culpa. Não mais maldoso do que as maldades que eu já reservei ao Cidade Negra, é verdade, mas ainda assim pilantra, um tipo de manchete que só se explica no meio do texto, uma técnica que eu me recusei a repetir desde então, por mais ingênuo e despreparado que seja o artista que deixa escapar uma frase como essa.
A diferença entre o Cidade Negra e o Catedral é que a maldade em direção a estes me levaram a conhecer as profundezas do farisaísmo gospel. A “notícia” de que o Catedral haveria “renegado”, “apostatado” e “zombado do corpo de Cristo” grassou com uma velocidade absurda, sem tempo para contextualizar a frase infeliz. Aquele foi o conteúdo mais acessado do site até então. Lembro de, no sábado, dia seguinte à publicação, descendo em direção ao litoral, ter cruzado com nada menos do que três rádios evangélicas repercutindo a notícia, nunca consultando a banda, sempre em tom de impiedade e condenação. A gravadora MK Publicitá, responsável pelo lançamento dos seis álbuns anteriores do grupo, aproveitou para fazer marketing e anunciou imediatamente o recolhimento dos álbuns, por causa da “quebra de compromisso” do grupo com a igreja. Vários pastores e músicos vieram a público praticar o velho esporte de arvorarem-se santos diante do que supunham ser o desvio dos outros.
A repercussão foi tanta, e as pressões da gravadora tamanhas contra um site que, de fato, dependia da simpatia das companhias, que decidimos tirar a reportagem do ar na segunda-feira, deixando um rastro impressionante de destruição.
Combinei com Pedro Só, meu diretor, que eu em pessoa conduziria uma grande reportagem sobre o mercado gospel – desde aquela época sinônimo de audiência e controvérsia, tudo pelo que babávamos diariamente. Seria a primeira vez em sete anos de carreira que eu escreveria algo relacionado a religião.
Meus primeiros entrevistados foram justamente os músicos do Catedral (o fair-play em me receber cordialmente, em meio à tormenta em que se meteram, é gesto de nobreza de espírito que me impressiona até hoje). A partir dali mergulhei no enxofre: travei uma hora de conversa surreal com a bispa Sônia Hernandes em que ela começava tentando me convencer de suas boas intenções em registrar a palavra “gospel” em seu nome e terminava chorando nervosamente; me impressionei com o pensamento vivo de Yvelise de Oliveira, dona da MK Publicitá, segundo o qual os desejos mais elevados de todo artista gospel não eram maiores do que dar autógrafo e tirar fotos ao lado dos fãs; e fui verdadeiramente iluminado por uma professora de música numa faculdade de teologia batista, quando ela me chamou a atenção para o macaqueamento dos modelos americanos entre os góspeis brasileiros.
Guardo essas entrevistas em cassete até hoje. Teria rendido uma reportagem histórica, mas a bolha da internet estourou e os jornalistas com os salários mais altos foram os primeiros a serem cortados de suas redações. O Catedral lançou outros discos pela WEA, frequentou o Disk MTV e o Rock Gol, tornou-se ainda mais parecido com a Legião Urbana, processou a MK Publicitá, ganhou, e entrou na década de 2010 com um trânsito razoável entre os dois mercados. (O gospel brasileiro é o único gênero musical em que os próprios artistas pensam em termos de “mercado” como se fosse um contingente artístico). Os músicos brasileiros de matriz cristã consideram o evento “Usina do Som” como um marco para que outros nomes se acovardassem em dar o passo fora de seu segmento. A Usina do Som, gastando em banda pelo sucesso de público e sem ideia de como reverter isso em receita, foi diminuindo de tamanho até fechar em 2005, justamente o ano do advento da web 2.0. E eu aproveitei o tempo livre para finalmente terminar meu primeiro livro, Dias de luta: O rock e o Brasil dos anos 80.
Ricardo Alexandre
 ***

Fonte: Nossa Brasilidade. Divulgação: Púlpito Cristão.

Assine o Blesss
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

9 COMENTÁRIOS

  1. Desculpe, não estou aqui para criticar, mas só queria dar um feedback. Achei que a forma que foi escrita a matéria ficou um pouco confusa para quem não estava por dentro do que aconteceu na época.

  2. Cara Catedral não é feita as outras bandas, eles tem um legado e não estão no mercado para enganar o povo. Estão apenas para produzir musica. As pessoas querem ganhar audiência com o que houve e as mentiras que falaram da banda. Acredito que você deveria procurar fontes melhores e também desenvolver uma matéria melhor e mais atrativa.

  3. As pessoas e suas "empresas" tem que tomar muito cuidado para não serem tão gospel quando o gospel que criticam.
    Empreendimentos evangélicos de tv ou rádio ou internet, críticos do gospel quase sempre acabam sendo gospel também. A linha divisória entre uma coisa e outra é tênue.

  4. Hahahaha Este comentário do cRISTÃO foi surreal. Como assim procurar fontes melhores? O autor do texto é o jornalista que entrevistou a Catedral e que acabou gerando toda a polêmica em torno da banda. Quem poderia ser fonte melhor do que ele mesmo?

    Achei o texto excelente, bem explicado e ilustrou muito bem o cenário da época em que tudo ocorreu. Eu que não vivi esse tempo consegui entender muito bem.

    Sinto que muitos de nós evangélicos nos tornamos excelentes tietes de nossos ídolos. À menor sombra de que alguém está criticando um cantor ou pastor, a reação é detonar, gritar, bater, achincalhar. Sem ao menos dar uma chance aos argumentos do crítico. Lamentável.

    Jean Corrêa
    Blog Prosa de Crente – Edificando mentes e corações

  5. Legal o vídeo/resposta que a banda fez, só acho que eles não deveriam exigir desculpas de ninguém.

    O lance é perdoar e pronto. Bola pra frente. Isso sim é atitude. Esqueçam essa gente. O que eles (MK) fizeram/fazem, um dia, com certeza será cobrado. Nada passará impune.

    Falo isso de cadeira, por tudo que TAMBÉM passei nesse meio musical gospel, que é PODRE E NOJENTO.

    E tudo começou quando ouvi Catedral e achei que, pela música, também poderia falar do amor de Deus através de minhas canções.

    O que deu?

    Isso>>> http://emerson.bahia.zip.net/arch2008-04-20_2008-04-26.html

    Abraço!

  6. Acredito na versão do Catedral, mas devo ressaltar que eles falaram coisas meio que parecidas com essas no programa do jõao Gordo. Disseram inclusive que ser eleito a melhor banda gospel da decada de 90(ou 80), não tinha significado nada e chamou os fiéis de idiotas preconceituosos.Disseram tb que não eram mais crentes…mas enfim, acredito tb em arrependimento.

  7. Lendo essa reportagem, só posso concluir o tipo de gente merda que é esse jornalista. Um cara repugnante, que faz matérias com títulos maldosos, sabendo muito bem do peso dos títulos maldosos no público geral, e que, no final das contas, não se importa em como pode prejudicar pessoas boas, de bem. Imagina o que essa banda não deve ter passado por culpa dessa matéria suja, sensacionalista e tendenciosa. Um tipo de jornalista merda que nem ao menos é homem pra pedir desculpas e se dizer arrependido.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui