Por que pregar, sofrer e morrer se certamente os eleitos serão salvos?

6
10
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


por Josemar Bessa
Se há uma eleição divina – Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; Efésios 1:4 – e se esse Deus que elegeu é soberano e não pode ser frustrado, e irá trazer os eleitos a salvação, pregar, sofrer pela propagação da Verdade, morrer como o Apóstolo Paulo… não seria algo supérfluo?

Esse é um raciocínio repetido a exaustão, mas o que ele não consegue entender é o claro ensino do Apóstolo Paulo, por exemplo, ( que foi martirizado por pregar o evangelho ) que Deus ordenou não apenas a salvação dos eleitos, mas por sua graça, bondade, vontade… também ordenou os meios para realizar esse fim. O que envolve a pregação do evangelho até os confins do mundo – pregação essa que tem propósitos distintos: “Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem. Para estes certamente cheiro de morte para morte; mas para aqueles cheiro de vida para vida…” – 2 Coríntios 2:15-16

A ordem é pregar a Verdade à custa de oposição, aflição, de modo que os eleitos possam ser salvos, sendo regenerados pelo Espírito, então crendo, voltando de seus pecados para Deus… Não é claramente esta a causa que Paulo dá para sua vida, pregação, prisão, morte…?

“Lembra-te de que Jesus Cristo, que é da descendência de Davi, ressuscitou dentre os mortos, segundo o meu evangelho; Por isso sofro trabalhos e até prisões, como um malfeitor; mas a palavra de Deus não está presa. Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna.” – 2 Timóteo 2:8-10

Paulo está empenhado em difundir a verdade do Evangelho a ponto de estar disposto a sofrer e resistir a qualquer dificuldade, sofrimento… Mas por quê?

O que Paulo diz aqui em 2 Timóteo é um eco de toda a lógica do que ele ensinou – “Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.” – Romanos 10:13-15
O homem deve ouvir o evangelho para ser salvo, e como ouvirão se não há um pregador? Então Paulo sofre privações terríveis como expressão de seu compromisso de que os eleitos devem ouvir o evangelho para crer e serem salvos: “…tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna.” – 2 Timóteo 2:8-10. Ele sabe que Deus escolheu mostrar sua graça escolhendo homens indignos e merecedores do inferno, ele sabem que estes não podem deixar de serem salvos. No entanto, ele também sabe que eles não são salvos até que creiam no evangelho.
Por isso o “para que” no verso 10 – “…tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles…” – Ele tudo sofre com esse propósito, finalidade – por amor aos escolhidos – o sofrimento de Paulo tem um objetivo em vista – que entre aqueles que ouvem o evangelho, aqueles que foram escolhidos por Deus ouçam a boa notícia do evangelho, e ouvindo e crendo, sejam salvos.
Então, ao contrário do argumento tão repetido, a confiança de Paulo em sua pregação do evangelho, até a ponto de sofrer, ser martirizado… está numa convicção profunda:
a) De que as pessoas só são salvas quando ouvem e creem no Evangelho, e
b) Quando os eleitos ouvem o evangelho, eles tem seu coração regenerado para que creiam e sejam salvos.
Paulo não tem nenhum conflito entre a doutrina da Eleição e a necessidade de proclamar o Evangelho. Mesmo que certamente os eleitos não possam deixar de ser salvos, Deus planejou que a propagação, a proclamação do Evangelho é o meio pelo qual eles serão salvos. Em outro lugar Paulo coloca isso claramente nestes termos: “Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade;” – 2 Tessalonicenses 2:13
Deus poderia ter determinado outros meios de chamar os seus eleitos sem a necessidade da proclamação, do sofrimento, do martírio… Mas isso é manifestação de sua graça a nós. Ele de fato em nada precisa de nós, mas em bondade imerecida, desejou que fôssemos instrumentos de seu poder. Paulo nunca se vangloria que a salvação dos filhos de Deus depende dele, de seus esforços, seus sofrimentos… ele diz que simplesmente Deus quer e determinou salvar o seu povo pela pregação da Palavra, e escolheu homens e os enviou para este fim – nós! Apenas instrumentos do Seu Poder!
***
Fonte: Fides Reformata

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

6 COMENTÁRIOS

  1. O raciocinio é claro e lógico, as vezes acho que as pessoas se esforçam pra não entender, frase simplistas do tipo, "se todos os eleitos serão salvos não preciso pregar" demonstra um grau elevado de "ignorancia e esquecimento" será que esse individuo se esqueceu que mesmo sendo escolhido ele ouviu a proclamação do evangelho, ou ainda que a fé (salvifica) vem pelo ouvir da palavra de DEUS.

  2. Claro muito lógico, se não houver pregação não haverá mais salvos, se não houver mais salvos logo eles não foram eleitos. Vamos fazer o seguinte, campanha para deixar de pregar para ver se os eleitos se salvam…não? Porque a salvação é pela pregação, logo com a pregação vem a decisão, se o eleito tem que ouvir para crer, logo a salvação depende também daquele que ouve, será difícil crer que tanto a predestinação quanto o livre arbítrio são bíblicos, que tanto a soberania divina e a responsabilidade humana podem andar de mãos dadas? Creio na total salvação de Deus, que todo o mérito da salvação é de Deus, pois é Deus que convence o homem do pecado, mas Deus não força ninguém. O homem é responsável por seus atos e Deus continua sendo soberano, pois foi Ele que quis assim.

  3. Graça e Paz!
    Pensei em comentar, de verdade, mas desanimei.
    O ensino da Escritura é tão claro, tão claro no que diz respeito a eleição divina, que perdi o ânimo diante da posição daqueles que, ou não enxergam, ou não querem enxergar.
    Soli Deo Gloria!

  4. Só tu mesmo,Paulo pra fazer a gente rir!não deixe de escrever.Minha resposta ao seu comentário no outro post não chegou aí.deve ter sido porque estou usando Sandboxie e tem que sais dela pra enviar comentários.quando souber usá-la melhor não vai ter problema.a paz!!!

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui