Pão da vida: a singularidade de Jesus

3
701
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


Por João Rodrigo Weronka
Não há dádiva maior na vida de um ser humano que ser um discípulo de Cristo. Seguir o Mestre, alimentar-se de Seu ensino, ter comunhão com Ele, exercer a fé no Redentor, tendo-O acima de qualquer suspeita, como Senhor e Salvador, e não apenas como um guru, um médium, um espírito evoluído ou um líder espiritual. A singularidade de Jesus está em Seu ser, e por mais que alguns tentem expor o contrário, o Senhor é o nome acima de todo nome. E este fato é eterno e imutável.
Recentemente, meditando nas Escrituras, mergulhei no Evangelho de João, mais precisamente no capítulo seis. Deste tempo, extraí um esboço que se transformou neste estudo, que gostaria de compartilhar com os leitores. Este capítulo, assim como todo conteúdo deste Evangelho, possui ensino profundo a respeito da vida e missão do Messias.

Milagres
A Bíblia atesta que uma grande multidão estava seguindo a Jesus, na cidade de Tiberíades, diante dos feitos miraculosos:
E grande multidão o seguia, porque via os sinais que operava sobre os enfermos. João 6.2
Neste ponto, precisamos refletir brevemente acerca da natureza dos milagres. O contexto nos mostra que Jesus se preocupava e – evidentemente – continua se preocupando com as pessoas e com as necessidades mais íntimas do ser humano. A falha de nossa geração está em evidenciar muito mais o milagre do que o próprio Deus que fez o milagre. O milagre deve apontar para Cristo – o milagre é um meio, e não um fim em si mesmo.
Uma fé baseada em milagres nunca é tão agradável a Deus como a fé baseada somente em Sua palavra. A palavra de Deus não deveria exigir milagres para comprová-la. Qualquer coisa que Deus diz é verdade, jamais poderia ser mentira. Isso deveria ser o suficiente para qualquer pessoa! [1]
Daquela multidão, que estava acompanhando feitos miraculosos do Messias, contavam-se cinco mil homens, além das mulheres e crianças (v.10). De apenas cinco pães e dois peixes, Jesus alimentou toda multidão (v.9). A fartura foi tamanha que, além de alimentar a multidão, as sobras encheram doze cestos. Neste momento, satisfeita com o milagre, a reação do povo foi uma tentativa precipitada de coroar a Jesus como rei, ao que reagiu retirando-se para orar (v.14-15).
Veja que, neste momento, uma vasta multidão estava seguindo Jesus, pronta para engrandecê-lo pelos seus milagres. Em nossos dias, temos visto este paralelo. A ênfase da pregação está no resultado, no agora, num imediatismo perigoso que pode minar a fé. Esse caminho arriscado direciona o povo a viver uma fé em milagres (o que chamo fé na fé). Neste sentido, cabe a reflexão: qual o compromisso que as pessoas contempladas com milagres estabelecem com Deus?
Enquanto Jesus orava, os discípulos seguiram pelo Mar da Galiléia (também chamado de Tiberíades ou Lagoa de Genesaré) de volta à Cafarnaum. Neste caminho (v.16-21), uma forte tempestade sobreveio e sacudia a embarcação fortemente, ao que Jesus surge caminhando sobre a as águas colocando o caos em perfeita ordem (veja detalhes em Mt 14.22-36; Mc 6.45-56). Isso ainda nos faz lembrar do feito de Mc 4.35-41, quando sob forte tempestade Jesus dormia, e ao ser despertado cessou a tormenta. Espantados, os discípulos exclamaram:
Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem? Marcos 4:41b
Precisamos aprender um contexto muito mais profundo em tudo isso, pois muitos pregadores e leitores da Bíblia utilizam estes versículos para dizer que Jesus “acalma as tempestades da vida”, mas muito mais do que isso, Jesus é o criador de todas as coisas, e a natureza prostra-se ante seu poder e glória. Charles Hodge comenta sobre isso em sua Teologia Sistemática no tema “Seu controle sobre a natureza”:
Quando curava os enfermos, abria os olhos dos cegos, restaurava os coxos, ressuscitava os mortos, alimentava a milhares com uns poucos pães e acalmava a fúria do mar, fazia isso pela emissão de sua palavra, pelo simples exercício de sua vontade. E assim manifestou sua glória, dado aos que tinham olhos para ver visível demonstração de que ele era Deus na forma humana. [2]
Ele tem mais que domínio sobre as tempestades da vida, Jesus tem o domínio sobre tudo o que se criou, sobre todo o universo e o que nele há! Jesus é o Rei da Glória!

Assine o Blesss

Jesus, o pão da vida
No dia seguinte (v.22), já na cidade de Cafarnaum, o que julgo ser o ápice do capítulo se inicia, quando Cristo atinge o ponto de máximo interesse, mostrando para toda aquela gente qual é o cerne do Evangelho:
Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou. João 6.29
O Senhor continua o discurso para aquele povo apresentando sua messianidade e esquadrinhando os propósitos do coração. O povo, sempre ávido por milagres, tenta mais uma vez coagir Jesus por sinais, mesmo após o Senhor ter se revelado como o pão da vida!
Disseram-lhe, pois: Que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos, e creiamos em ti? Que operas tu? João 6:30
Sobre esta pergunta, cito D.A. Carson:
A pergunta no v. 30 revela a superficialidade do pensamento deles, pois de que novo sinal eles precisavam depois de ver uma multidão ser alimentada a partir de provisões insignificantes? A referência ao maná no deserto (31) fornece uma indicação de como funcionava a mente deles. Provavelmente eles pensavam que esta provisão era superior à que Jesus tinha proporcionado, em função da enorme quantidade de maná. O seu conceito de sinal parece ter-se limitado a uma reprodução da experiência dos israelitas no deserto. Isso era o mesmo que esperar que para impressioná-los, o Messias fizesse algo muito maior do que Moisés tinha feito. [3]
O povo estava convicto que o milagre do Maná no deserto representava um feito maior que Jesus, e além, achavam que o Maná era maior que Jesus, o Pão da Vida! Mais uma vez na história, o povo estava focado na quantidade, e não na relevância e qualidade do feito, agindo desta maneira, caíram no erro de minimizar a pessoa e obra de Cristo (v. 42-50). Ao que a Bíblia de Genebra comenta:
Ainda que tivessem visto o milagre da multiplicação de pães e peixes, não o reconheceram como um sinal que identificasse Jesus como o Messias. Foi meramente como uma oportunidade de refeição para eles.[4]
O Senhor afunila ainda mais o propósito de seu ensino, dando um verdadeiro tapa na cara do orgulho e auto-suficiência humana: o homem não pode encontrar Deus por seu próprio mérito e esforço próprio, e mesmo que isso venha a ferir as intenções mais sinceras de uma pessoa – e para glória de Deus – é Ele mesmo quem move o coração do homem ao caminho da graça (v.37).
Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. João 6:37

A Carne e o Sangue
Ao falar sobre comer a carne e beber o sangue do Filho do Homem (v.53), Jesus não está discursando em sentido literal. Jesus também não estava falando a respeito do sacramento da ceia (a última ceia sequer tinha ocorrido). Tal declaração aponta para a vida e obra de Cristo, para uma crença absoluta em tudo aquilo que o Mestre disse e fez, sua obra, seu ensino.

Resultado: uma pergunta que ecoa na eternidade
Uma vez que as palavras de Jesus são vivas, aquilo que Ele profetizou ecoa por toda a eternidade. Não somente naquela ocasião, como ainda em nossos dias, muitos são os que seguem Jesus com outras intenções e concluem que “o discurso é duro, quem o suporta?” (v. 60), estes estão petrificados no escândalo (v. 61). No entanto, no meio desta multidão estão os que Deus elegeu (v. 65), e para os que são de Deus, as palavras de Jesus são “espírito e vida” (v. 63).
O confronto das palavras do Senhor dispersou a multidão. No funil da circunstancia, Jesus chega-se aos seus alunos mais próximos, seus doze discípulos, e lança o ultimato:
Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? João 6:67
A resposta de Pedro ao liquidante confronto de Deus (um confronto necessário, duro, mas de inigualável graça e misericórdia), confessa quão pequena é a humanidade. Nada somos e nada podemos se não for nEle e por Ele. O problema do pecado está exposto e toda e qualquer auto-suficiência é caquética e doente. O desfecho está estampando a singularidade do Messias: o pão da vida providenciado pelo Pai.
Simão Pedro respondeu-lhe: Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. E nós cremos e sabemos que tu és o Santo de Deus. João 6.68-69 (Almeida século 21)
William Macdonald assim sintetiza esta resposta de Pedro:
Senhor, como podemos te deixar? Tu ensinas as doutrinas que conduzem à vida eterna. Se nós te deixarmos, não há mais ninguém a quem poderíamos seguir. Deixar-te seria selar nossa condenação. [5]
Quanto a mim, sou grato, infinitamente grato ao Senhor. Ele me olhou e mesmo morto no pecado (Ef 2.1,4-6), me trouxe vida (Jo 6.58), aprouve a Ele me escolher (Jo 6.44), me fazendo dEle (Jo 6.35-40).
O Mestre rejeitou uma “coroa” (Jo 6.15), mas não abdicou da cruz.
Somos dignos de seu amor? Não.
O nome disso? Graça, irresistível e incompreensível.
Solus Christus! Soli Deo gloria!

NOTAS:
[1] MacDONALD, William. Comentário Bíblico Popular do Novo Testamento. Mundo Cristão. São Paulo, SP: 2008. p.264
[2] HODGE, Charles. Teologia Sistemática. Hagnos. São Paulo, SP: 2001. p. 376
[3] CARSON, D.A. Comentário Bíblico Vida Nova. Edições Vida Nova. São Paulo, SP: 2009. p. 1561-1562
[4] Bíblia de Estudo de Genebra. Cultura Cristã. São Paulo, SP: 1999. p. 1239
[5] MacDONALD, William. Comentário Bíblico Popular do Novo Testamento. p. 271
***
João Rodrigo Weronka é fundador do NAPEC e colunista do Púlpito Cristão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

3 COMENTÁRIOS

  1. É uma pena que o post reflita a posição de alguém que não acredita em milagres.Pensei que ía ler algo novo para mim,mas é só mais um eco de incredulidade.Não crê em milagres hoje!Um incrédulo falando de fé!Que absurdo!!O mais engraçado é que censura aqueles que não foram chamados por Deus porque não creram em jesus mesmo vendo os milagres.Um calvinista não tem um argumento lógico para condenar quem não crê em jesus,pois Deus não o chamou.Eu disse DEUS,e se foi DEUS quem é vc para censurá-los?A fé na dupla predestinação,não isenta nenhum eleito de ser humilde,pois a condenação vem só de Deus,não é?Outra coisa;dizer que o cap 6;53 não fala da ceia é lamentável!ELE explica a "santa"ceia por antecipação!Não vê isto?É tão claro!!A ceia é um ato litúrgico e o texto de 6;53 é a condição ,ou descrição daqueles que participam desse ato!!Como pode não vre isso?Além do mais o próprio Jesus disse que o entendimento das parábolas era oculto doa de fora,mas revelados aos discípulos.E ainda só depois de sua ressurreição é que soprou o Espírito sobre eles Jo 20;22,sem falar que o Espírito não habitava neles ainda Jo 14;17,Eles conheciam por mei de revelação especial,soberana do Rei Jesus"não perdi os que me deste".Além do mais a ressurreição é um milagre maior do que todos,e eu pergunto ;vc crê "mesmo"que Jesus se levantou dos mortos?espero que sim.A paz!!

  2. Olá irmão! Desculpe, mas acho que você entendeu errado um ponto do post: o que ele quis dizer é que não devemos crer em Deus por causa de milagres, não porque não acontecem, mas porque como ele citou uma reflexão de William Macdonald: "Uma fé baseada em milagres nunca é tão agradável a Deus como a fé baseada somente em Sua palavra. A palavra de Deus não deveria exigir milagres para comprová-la. Qualquer coisa que Deus diz é verdade, jamais poderia ser mentira. Isso deveria ser o suficiente para qualquer pessoa!" Ele quis dizer que somente a Palavra de Deus deve ser suficiente para todos, e as pessoas devem se preocupar menos com milagrs, hoje em dia todos só querem saber de milagres e não de Deus, elas procuram mais a Deus para satisfazerem seus desejos egoístas do que para fazer a Vontade de Deus, como se Deus só por ser Onipotente e perfeitamente bom fosse um Gênio da lâmpada mágica que só existe e é obrigado à fazer nossas vontades e concupiscências da nossa carne, e quando Ele as faz ou não (se o desejo de uma pessoa não está na Vontade de Deus por ser egoísta demais Ele não irá atendê-lo) elas voltam a esquecer Deus, e algumas quando Deus não atende os pedidos, param de acreditar Nele, como se fosse a pior coisa que pudesse acontecer à Deus "Ah meu Eu! Ele vai parar de acreditar em Mim! O que eu faço? O que eu faço! SOCORROO!", alguns devem pensar que Ele deve ficar assim quando alguém "ameaça" à Deus que se não fizer o que ela quer ela irá parar de acreditar Nele. Todos só querem se lembrar de Deus quando é conveniente, mas lembre-se que devemos adorar à Deus em espírito e em verdade, o que está faltando nas pessoas de hoje em dia. Fique com Deus!

  3. legal,irmão Marcelino,também concordo até aí.Mas o que eu disse é que o milagre é testemunho de Jesus,como Ele mesmo disse "crede por causa das obras".Quando uma pessoa crê em Jesus por causa das obras,mesmo que ela não seja sincera,permanece o testemunho,pois não pode ser negado.Acreditar no Senhor por ser Ele quem é,só acontece com quem conhece o perdão de Deus e se rendeu a Ele.Além disso a fé e progressiva,aumenta cada vez mais"de fé em fé"como Paulo disse.Isso é assim porque o conhecimento sobre Jesus também é"eu te conhecia só de ouvir,mas agora os meus olhos te vêem".Jó42:5.Os milagres também são instrumentos para a fé.Negar a possibilidade de milagres na pregação é um erro,devemos ter esperança de milagres em Jesus,pois quem pode dizer que Ele não os fará?Se não fizer fica por conta D'Ele,como outras coisas do mundo ele não explicou.Note bem, eu disse negar a possibilidade,não prometer infalivelmente,como fazem por aí a teologia da prosperidade.Abraços ,a paz!!

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui