O animal religioso

4
120
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Lya alves , lupus
Lya Alves. Lupus, 2010. Spray sobre acetato, 2mx1,50m. Instituto Cultural Germânico

Segundo Aristóteles,  o homem é um animal político.  Segundo Tomás de Aquino, é um animal social.  Hanna Aredt diz que o homem é um animal político e social.  A obra Lupus é uma referência a luta de Lutero contra as alcatéias sacerdotais. Hoje a luta da apologética é contra as alcatéias sacerdotais contemporâneas, mas o pior dos combates ainda é o contra o lobo interno.
Nietzsche traz um alerta: “Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você”. A apologética não está isenta da obrigatoriedade de apresentar bons frutos: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança
Quem está de pé, cuide para que não caia.

Em Cristo,

Lya Alves

 

Lya Alves é missionária, graffiteira, artistaarte educadora, desenhista da história em quadrinhos Guerreiros de Deus , colaboradora do Púlpito Cristão e está participando da exposição “Imagens e Palavras” em cartaz de 16 a 21 de outubro na Aliança Francesa de Niterói-RJ.

Assine o Blesss

Veja as outras postagens de Lya Alves no Púlpito Cristão.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

4 COMENTÁRIOS

  1. Distintos irmãos,graça e paz!
    O artigo é pequeno, porém, bom para meditação.
    Apesar de respeitarmos os três nomes que classificam o homem como animal, no entanto, faremos algumas observações.
    Se falarmos sobre a obra-prima da criação, à luz da Antropologia Humana, ainda aceitamos o chamar de animal, por causa da palavra (animus), pois se refere à vida.
    Agora, se analisarmos à luz da Antropologia Bíblica, aí sim, discordamos em absoluto, tendo em vista de o mesmo ter sido feito a imagem e semelhança do Altíssimo, conforme Gênesis 1.26,27.
    Em relação às adversidades enfrentadas por aqueles que defendem a ortodoxia conservadora bíblico-teológica, contra aqueles que se opõem à mesma, tendem a aumentar a cada dia, pois estamos no tempo do fim.
    No entanto, sem sombra de dúvidas, cremos que temos um inimigo bem mais feroz dentro da gente, o nosso eu.
    Esse, sim, é um lobo, que somente fica adormecido, quando deixamos Jesus Cristo ser nosso Salvador, mas, acima de tudo, nosso Senhor.
    Assim sendo, todo o cuidado é pouco com a ferinha que há dentro de cada um de nós, pobres mortais, tão carentes da misericórdia de Deus.
    Sendo os dias maus, não esqueçamos de pôr em prática as admoestações: Mateus 14.38; 1 Tessalonicenses 5.17.
    Em Cristo,
    Tadeu de Araújo.

  2. A despeito do comentário do sr. Tadeu, tenho a dizer que ao ser criado, formado do barro, o homem natural tornou-se alma vivente (Gn 2.7), que quer dizer uma espécie animal (com racionalidade, é o que se espera).
    O homem só se torna imagem e semelhança do seu Criador quando tem ou estar em comunhão com Ele, para que Ele possa moldá-lo.
    Em relação ao homem interior, a alma vivente, e que a Bíblia chama de velho-homem, o animal, realmente temos que dominá-lo e até fazê-lo morrer para que o espírito outorgado por Deus, a todo àquele que se converte a Ele, cresça e o homem se torne à imagem e semelhança do seu Criador.
    Shalom aleichem.
    Em Cristo.

  3. Distintos irmãos, graça e paz!
    Não é do nosso feitio replicar comentários feitos ao que escrevemos quando opinamos nos blogs.
    No entanto, dessa vez, resolvemos fazê-lo, tendo em vista ao que lemos abaixo da nossa opinião.
    Com todo o respeito ao ilustre irmão Felipe Mar, entretanto, parece-nos que o mesmo não leu com atenção o que foi escrito.
    Dissemos, na oportunidade, que à luz da Antropologia secular ou humana, o homem é conhecido como animal, por causa do "animus", ou vida. Agora, à luz da Antropologia Bíblica,o homem citado em Gênesis 1.26,27, esse sim, é obra-prima da criação.
    Assim opinamos, porque nem todas as pessoas sabem diferençar uma coisa da outra. O que não é o caso do irmão Felipe.
    Aliás, também deixamos claro como devemos proceder para termos comunhão com o Altíssimo.
    Que a paz do Eterno continue inundando os nossos corações.
    Em Cristo,
    Tadeu de Aráujo

  4. Não concordo muito não com o post.Realmente ninguém vai agredir quem pensa diferente,mas existem situações que deixam a gente fora do sério.O grande problema é se tornar cúmplice por omissão.Numa cátedra dá para não se envolver,mas no dia a dia ,não dá mesmo.Até porque temos que proteger a quem amamos,como filhos por ex.Se voce tiver que matar alguém para salvar uma criança de ser estuprada,que fazer?(o estuprador,claro)Como ver um erro médico e ficar calado,sendo cristão?Dá pra ir ao culto e cantar "senhor eu te adoro"?E os irmãos que superaram os sentimentos de ira e indignação,pelos filhos mortos em "acidentes de trânsito",com motoristas embriagados?Como não clamar por punição?A apologética muitas vezes tem que emitir um juízo de acordo com a escritura ,e isto não é agressão.Se não ,Jesus não condenaria abertamente os fariseus,nem diria que o inferno seria o destino deles.Na verdade tal vigor ,era o amor tentando transmitir a gravidade do perigo.Tem também a famosa passagem da expulsão dos cambistas do templo.A ponto de nem permitir que carregassem nada pelo templo.Se fosse hoje seria tachado de intolerante fundamentalista,com certeza.Alguém pode imaginar o Mestre pedindo com cortesia permissão para virar as mesas dos cambistas?Se o próprio Filho de Deus julgou necessário demonstrar indignação com firmeza,porque esperar mais de nós,que somos imperfeitos?Não seria mais natural haver isto entre seres comuns?A paz!

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui