O verdadeiro poder da religião

1
392
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Alex Belmonte
“Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo”. Tiago 1.26, 27.
Certo pregador em uma empolgante mensagem exclamou com firmeza na voz: “A religião para nada serve, ela é má! A religião afasta o homem de Deus! Seja crente, mas não seja religioso!”. Afinal, em que contexto o pregador estava posicionando a Religião? Em que sentido a religião “para nada” serviria se tornando má? Como algo que religa (raíz da palavra) pode muito bem “re-desligar”? Então devemos abandonar nossa religião?
Etimologicamente falando a palavra Religião do latim “religio” usado na Vulgata de Jerônimo, que significa “ligar novamente”, ou simplesmente “religar” pode ser definida como um conjunto de crenças relacionadas com aquilo que parte da humanidade considera como sobrenatural, divino, sagrado e transcendental, bem como o conjunto de rituais e códigos morais que derivam dessas crenças.
Em nossa linguagem a palavra portuguesa religião deriva justamente da palavra latina religio, mas desconhece-se ao certo que relações estabelece religio com outros vocábulos. Aparentemente no mundo latino anterior ao nascimento do cristianismo, religio referia-se a um estilo de comportamento marcado pela rigidez e pela precisão.
Esclarecendo a atitude de algumas pessoas para com a religião, posso entender que existe uma grande confusão na má aplicação do termo, ou mesmo na ótica definiva da palavra. Tudo ficaria bem esclarecido se a religião fosse entendida pelo menos em três de algumas de suas esferas: A Religião como espiritualidade interior, Religião como Sistema e Rito, e Religião como filosofia.
Para início de compreensão podemos nos apossar das palavras de Tiago quando diz: “Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo”. Tiago 1.26, 27.
O texto está corretamente nos guiando a essa compreesão das esferas propostas aqui, mas revelando ainda duas facetas: A religião interior e a exterior.
No primeiro versículo Tiago está se referindo á religião interior quando diz “engana o seu coração”. Mas, parte da exigência do escritor não fica apenas aqui, pois no segundo versículo vem declarar a religião exterior, quando diz: “A religião pura e imaculada… é visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo”. É a religião que do interior surge com grande efeito no exterior, ou seja, Tiago fala que a religião não pode existir apenas como teoria mas como prática também. Então exploramos agora os três pontos:
1. A Religião como espiritualidade interior revela que todo homem é religioso por natureza. Isto é, o ser humano já nasce com a inclinação para as coisas espirituais. Desde as eras mais primitivas isso já se manifestava com a busca por respostas, com o medo e as incertezas para com a vida após a morte, com a busca do autoconhecimento e outras questões interiores. Na religião como espiritualidade interior podemos presenciar o nascimento do sentimento religioso antes mesmo que a própria religião. Antes de nascer a religião nasceu o desejo da religião.
Dessa forma podemos ter certeza que a Religião é de suma importância na vida de qualquer pessoa, visto que interiormente há um efeito em cada ser humano. O escritor russo Liev Tolstói (1828-1910) disse: “O homem pode ignorar que tem uma religião, como pode também ignorar que tem um coração; mas sem religião e sem coração, não pode viver.”
2. Na Religião como Sistema e Rito temos as deficiências no processo e criação de liturgias, formas de adoração, a particularização religiosa e em muitos casos a religião partidária. Essa é a religião falha, perigosa, infiel e que pode levar o homem a uma religiosidade artificial. A Religião como Sistema tem muito mais as ações do homem do que as ações do divino, do superior, mas observe que essa religião como sistema vai surgir a princípio por um possível desenfreio da religiosidade interior.
Então quando mencionamos a insuficiência da Religião para promover o bem-estar e a salvação do homem por algum caminho, como mencionou “nosso” pregador, devemos lembrar que se trata unicamente da Religião no status de Sistema e Rito, o que não explicou o pregador, e, dessa forma a religião pode ser sim, realmente má. Na religião como Sistema encontramos também alguns conflitos humanos, como a própria “escravidão religiosa”, o fator da intolerância, e certamento a negligência doutrinária da raíz religiosa.
3. A Religião como filosofia por sua vez é a grande influência que a mesma tem na vida das pessoas, a ponto de mudar condutas, propor regras, elevar a convivência, unir famílias e fazer a sociedade repensar seus principais valores. A religião como filosofia leva-nos as reflexões da vida fazendo-nos voltar para a real espiritualidade. Como bem lembrou o filósofo e escritor suíço Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), “O esquecimento da religião conduz ao esquecimento dos deveres do homem.”
A Religião como filosofia além de trabalhar como um fenômeno individual, se torna também um fenômeno social. A igreja e o Judaísmo, são exemplos de doutrinas que exigem não só uma fé individual, mas também adesão a um certo grupo social, de um círculo.
Enfim, como podemos compartilhar, a religião tem um poder impressionante, fazendo parte da vida humana nessas três e outras esferas. Mais que isso, a religião é parte da existência do homem, é parte da vida e do cotidiano.
Mas precisamos entender que a pior das ações religiosas, seja de que direção vir, não parte da própria religião (etimologicamente falando), mas de indivíduos que num espírito de “religiosidade extrema” transformam a religião num mecanismo de ódio e caminho tortuoso, levado ao fanatismo e á irracionalidade acerca da real missão de Deus para com o mundo: Resgatar a humanidade da maldição do pecado. E para isso, em se tratando de religião com propósitos, parte daqui um único convite: abraçar, explorar e, sem nenhum medo, mergulhar nas águas límpidas dessa religião chamada Cristianismo.
***
Fonte: Napec. Divulgação: Ministério Beréia. Compartilhado pelo Púlpito Cristão.

Assine o Blesss
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

1 COMENTÁRIO

  1. E na realidade sempre haverá os aproveitadores da fe religiosa, e com isso acaba focando a religião em invenções propiás e acabado sendo como Isaias escreveu

    : Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas tem afastado para longe de mim o seu coração, e o seu temor para comigo consiste em mandamentos de homens, aprendidos de cor.”
    A verdadeira religião está focada em Jesus e não em filosofias. A Bíblia diz em Colossenses 2:8 “Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.”
    A verdadeira religião produz frutos espirituais

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui