Funk do povo “Apostólico”!

16
49
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Piada pronta garimpada pelo mano WebEvangelista. Melhor que esse só mesmo o funk da Márcia Gizella!

Assine o Blesss
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

16 COMENTÁRIOS

  1. Quer dizer o seguinte: o povo apostólico é fruto da visão do homem, que é uma visão fruto de uma unção diferente?

    Não tem nada a ver com o amor eterno de Jesus pregado naquela Cruz, nem mesmo com algum toque da Graça maravilhosa? O povo é do caraaaaaaaaaaaaa….

    Ai ai ai….. tô cansado……

    Abraços Leonardo….

  2. Bom dia

    É triste a constatação que o “evangelho” virou negocio e negocio bem barato (o barato aqui e jeito de dizer, pois os caras cobram caro) virou sinônimo de gente picareta e mal intencionada a cada dia inventam uma nova “unção” e anjo massageado gente é outro caindo ao sopro (ou seria ao bafo?) do “profeta”, é “apóstolo”, “paipostolo”, patriarca, “semi-deus”, pastor desbocado, tanta tralha , tanta porcaria que me pergunto; que coisa amorfa é essa ?, que “evangelho” do mundo bizarro é esse; onde perdemos (ou nos perdemos) o norte, será que foi na falta de escola bíblica ou no excesso de literatura pré programada de revistas de “E.B.D” , com assuntos do tipo moralista e comportamental, sem levar em conta as transformações do mundo? , será que foi por que nos deitamos no berço esplendido do orgulhoso sentimento de igrejas neotestamentarias e históricas e não vimos a banda passar? . A falta de conteúdo (conhecimento básico) em muitos pregadores esta a olhos vistos ( e muitos batem no peito com orgulho disto), não precisa cavar, é verdade, mas por outro lado por parte das igrejas históricas (batistas, presbiterianas e outras) a uma certa “erudição exacerbada” que me faz perguntar: a eficiência da pregação da palavra esta sendo mantida com um uso exagerado de tantas palavras “polidas”.
    Se por um lado a um total despreparo para manusear a palavra de forma responsável e bíblica, por outro lado há uma ineficiente transmissão; ineficiência esta causada pelo uso de termos só compreendidos (às vezes nem por eles) por seus anunciadores e uma parcela bem pequena de seus ouvintes.
    E o que é mais triste de tudo isso é constatar que estes exageros aos quais me refiro são (em sua grande parte) praticados por denominações tradicionais históricas (Presbiteriana e outras reformadas), lugares onde ainda se pode ouvir uma pregação expositiva e sadia da palavra de DEUS; agora vejamos, alie-se a isto (palavras difíceis) ouvintes despreparados acostumados a “comer pela mão dos outros” sem muitas das vezes, nem o conhecimento básico desta difícil língua portuguesa (e suas pegadinhas…rsr), quanto mais entender pregações com palavras difíceis que em sua maioria servem mais para desfiles apoteóticos de “pregadores pavões” e sua retórica extremamente polida e desfile de conhecimento que pregação (transmissão) PURA e SIMPLES.
    De forma alguma acho (antes que os “puristas” me ataquem) acho que púlpito e lugar para pregações de animadores de festa infantil, mas acho também que não é lugar para pregadores secos com mensagens não entendíveis, por uma população que pouco entende de tudo.
    Pelas reflexões acima concluo que os dois (como todo extremo) extremos são prejudiciais.
    Um dia desses e fui a um culto em uma igreja presbiteriana e reformada e ao ouvir a pregação (estava com minha esposa que é jornalista e acostumada com linguagens, as vezes bem formais) sai reconfortado, alegre em ouvir uma palavra sadia, biblicamente correta, mas ao mesmo tempo – vinha comentando com minha esposa – da frustração de que aquela mesma palavra sadia (em seu conteúdo) com certeza seria ineficiente no seu entendimento para a maioria da população brasileira.

    Acho que nos falta equilíbrio, equilíbrio em tudo e em todas as coisas, equilíbrio que nos foi tirado com “a queda” entendo – pois quebramos o pescoço e não o dedo “midinho” – mas que se procurado com zelo, oração e ação poderá ser encontrado.
    Dias difíceis os nossos.

    “ I Coríntios 14:9 Assim, vós, se, com a língua, não disserdes palavra compreensível, como se entenderá o que dizeis? Porque estareis como se falásseis ao ar.”

    Leonardo
    Se possível, no teu próximo post gostaria que este tema (excesso de formalismo na pregação ou excesso de palavras e termos difíceis, sei La) fosse levantado

    ISAIAS BRITO
    EMAIL: icbrito@hotmail.com

  3. Falar mais o quê ???? " edificante " este "ajuntamento" de palavras….

    Para quem só tem dois neurônios : 1-povo, 2-apostólico ÔÔÔÔ . Tá de bom tamanho.

    Só mais uma coisa o CD tá com risco ou furado ?

    Tenso ! 0.o

  4. sim, é a treva… que flamengo que nada, o verdadeiro 'bonde desgovernado' é a igreja evangélica… que lástima. Sendo que o modelo romano da igreja cristã está nas trevas há tantos séculos… o que será desse mundo, meu Deus???

  5. Só tem uma solução para nos livrarmos dessa tralha toda é ficarmos em nossas igrejas e não darmos ibope para esse pessoal,chegou o momento de que só temos duas opções dependendo de nossa linha teológica,ou frequentamos as igrejas tradicionais ou se a pessoa for pentecostal frequentar a Assembleia de Deus que esteje em alguma convenção pois existe muitas de fundo de quintal que só tem meninice.

  6. Cara d+ esse funk. A cara de marrenta da Mc Jéssica e a cara ne nojo da Bispa ninguém paga! Acho q nunca ri tanto lendo/vendo o Púlpito Cristão. Vcs são muito bons, acham essas pérolas para nós. Muito obrigado pelas gargalhadas!!! Kakakakakakakakakakakakakakakakaka

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui