Renato Russo e o Sagrado Coração

65
2671
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Antognoni José Misael da Silva

Assine o Blesss
Conheci a banda Legião Urbana no fim da minha adolescência, e foi nesse meu mundinho complicado que meus medos, dúvidas, anseios, alegrias, revoltas e insatisfações encontravam um “abrigo”, muito embora esse “abrigo” fosse um lugar com pessoas iguaiszinhas a mim à procura de um sentido pra vida. Lembro bastante de algumas canções do Legião, ou do Renato Russo, afinal não dá pra falar de Legião sem Renato, ele era o centro da banda, era a intuição e a performance viva do Rock brasileiro da época.

O pensamento da juventude brasileira nos anos 80 em desgosto com ditadura militar e que vivia as incertezas em relação ao futuro e a si própria chegaram até mim nos anos 90, e algumas canções confesso que jamais esquecerei.

“Todos os dias quando acordo não tenho mais o tempo que passou, mas tenho muito tempo, temos todo tempo do mundo.” Tempo Perdido

“Ficaremos acordados imaginando alguma solução pra que esse nosso egoísmo não destrua nosso coração?” Será

“Nas favelas, no Senado, sujeira pra todo lado, ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação. Que País é esse?” Que País é esse

“E há tempos são os jovens que adoecem. E há tempos o encanto está ausente e há ferrugem nos sorrisos só o acaso estende os braços a quem procura abrigo e proteção…” Há tempos

“Quem me dera ao menos uma vez provar que quem tem mais do que precisa ter quase sempre se convence que não tem o bastante fala demais por não ter nada a dizer.” Índios

Analisar Renato Russo e as suas mensagens me faz perceber que embora sua música não fosse tão comercial, o que lhe tornou um ícone do Rock para os jovens da época, foi não economizar sinceridade. De fato, ninguém mais do que ele próprio se identificava como o que cantava. Cantou seus sonhos, frustrações, medo, revolta, otimismo, e por fim, a sua própria morte – o Rock In Roll tão idealizado pela geração anos 60 e assimilada por ele, logo foi dando lugar à angústia, melancolia e ao maior vazio que o homem pode sentir.

No fim de sua vida, trancado no seu quarto, Renato compôs “L’Aventura” (do álbum “A tempestade” – 1996): “Quando tudo está perdido sempre existe um caminho, quando tudo está perdido sempre existe uma luz…. Mas não me diga isso..”. Nessa canção ele torna a tristeza, a febre e a dor em uma obra de arte em fase de despedida. Sua angústia me fez lembrar que nós também não estamos isentos de sofrê-las, porém, apenas com uma diferença: sempre existirá “o caminho” e “a luz”. Equivocados pensam que o cristão verdadeiro não sofre de medos e não passará por angústias, ao contrário do que a condição humana nos mostra, “meros escravos das emoções”.

Diante de um quadro irreversível, debilitado e pesando em média 45 quilos, Renato escreve a canção “Sagrado Coração”, que só vem a ser divulgada no último disco “Uma Outra Estação”, 1997, no ano seguinte de sua morte. Essa música gravada, que não possui o registro de sua bela voz, revela-nos uma confissão final em busca do sentido pleno para sua existência.

Abaixo, a letra com os grifes que me chamaram atenção:

SAGRADO CORAÇÃO

Sei que tenho um coração
Mas é difícil de explicar
De falar de bondade e gratidão
E estas coisas que ninguém gosta de falar

Falam de algum lugar
Mas onde é que está?
Onde há virtude e inteligência
E as pessoas são sensíveis
E que a luz no coração
é o que pode me salvar
Mas não acredito nisso
Tento, mas é só de vez em quando

Onde está este lugar?
Onde está essa luz?
Se o que vejo é tão triste
E o que fazemos tão errado?

E me disseram!
Este lugar pode estar sempre ao seu lado
E a alegria dentro de você
Porque sua vida é luz

E quando vi seus olhos
E a alegria no seu corpo
E o sorriso nos seus lábios
Eu quase acreditei
Mas é tão difícil

Por isso lhe peço por favor
Pense em mim, ore por mim
E me diga:
– Este lugar distante está dentro de você
E me diga que nossa vida é luz
Me fale do sagrado coração
Porque eu preciso de ajuda

Quando leio ou escuto Renato Russo fora da perspectiva técnica, musical e estilista, não priorizo a prática de vida regressa ou seus ideais de vida, mas prefiro observar o seu estado de essência. Às vezes nós como Cristãos supervalorizamos o arcabouço, o estético ou a ideia representativa de alguém, mas não atentamos para a condição interna de um pecador distante de Deus, ou seja, a de alguém com um coração aflito e cansado. Nesse texto Renato roga por uma resposta, “Onde está este lugar? Onde está essa luz ?” e nesta hora lembro que Deus “pôs no coração do homem o anseio pela eternidade”(Ecl 3.11), e esse sentimento só será preenchido quando lhe for colocado o Sagrado Coração sensível a voz de Deus.

“Me fale do sagrado coração porque eu preciso de ajuda”, são as últimas palavras dele em sua canção. Nesse instante, Renato não clamava pela cura da AIDS, por algum antídoto medicinal ou paliativo que aliviasse suas dores, a sua dor era existencial de reconhecimento de morte espiritual sob a sensação de partir para outra com a ausência da certeza do porvir. Termino dizendo que Renato era simplesmente um poeta distante de Deus que clamava por Ele sem saber chamá-Lo.

Que possamos em nosso dia-dia aprender a olhar além das aparências e dos discursos, visando em que estado de coração se encontra aqueles que nos rodeiam, só assim evitaremos escutar em tom de exortação perante as nossas negligências, quando não falamos do amor de Jesus ao nosso próximo, alguém se dirigir a nós e dizer “me fale do sagrado coração porque eu preciso de ajuda”.

***
Antognoni José Misael da Silva é músico, pós-graduando em História Cultural (UEPB), e colaborador do Púlpito Cristão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

65 COMENTÁRIOS

  1. Nossa.. eu era criança ainda.. só vim entender oq era Legião urbana quando já tinha sido bombardeada pelas boy´s bands! mas mesmo assim
    procurei conhecer um pouco da banda..
    ao ler seu post confesso que meu coração ate ficou apertadinho.. imagino a tristeza que ele passava.. tomara que de forma extraordinaria, ele tenha tido tempo p se arrepender, como o ladrão da cruz!

  2. Rsrsrs o autor poderia fazer uma exegese da música "Do Espírito" do album "O Descobrimento do Brasil", que tal:

    Do Espírito
    Legião Urbana
    Composição : Renato Russo

    Sai de mim
    Que eu não quero mais saber de você
    Esse eu te quero já não me convence mais
    E agora já nem me incomoda
    Sai de mim, não gosto de ser rejeitado
    E agora não tem volta

    Eu pego o bonde andando
    Você pegou o bonde errado

    Sua curiosidade é má
    E a ignorância é vizinha da maldade
    E só porque eu tenho não pense que é de mim
    Que você vai ter e conseguir o que não tem
    Só estou aberto a quem sempre foi do bem
    E agora estou fechado pra você
    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você
    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você
    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você
    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você

    Não me procura não
    Você não vai me achar
    Você não consegue entender

    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você
    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você
    Não, não, não venha pra cá, que eu não quero mais saber de você

    Não me procura não
    Você não vai me achar
    Você não consegue entender

  3. Ótimo Texto, ótimo mesmo, me fez lembrar de tantas vezes em que pensei sobre isso.
    Engraçado, embora eu seja jovem, ao ouvir as músicas do Ranato, eu sempre sentia um nó na garganta, por pensar uaaal eu encontrei a vida com abundancia, e dava uma vontade de voltar o tempo e falar "dessa vida" p ele, kk arrogância minha eu sei, mas enfim era isso que sentia, e isso aos poucos foi abrindo meus olhos para as pessoas a minha volta, suas necessidades, e minha obrigação de não perder um segundo. Uma sensação de urgência de falar do evangelho.
    Um abraço ótimo texto.

  4. Me emocionei com o post, pois fui muito fã do Renato Russo, e como adolescente confusa, vivia depressiva. Mas aos 16 anos alguém me apresentou Jesus. Neste ano, o Renato faleceu. E o album Tempestade me entristece até hoje, pois adquirir no mesmo ano. Não sei se ele conheceu Jesus, mas sei que preciso fazer com que outros conheça esse Deus maravilhoso, como um dia eu o conheci.

    Maravilhoso post!
    Deus o abençoe!

  5. Sou um daqueles que conheceram Legiao Urbana e Renato Russo depois de 1996, quando a morte do líder e vocalista fez chover nas rádios e TV aquelas costumeiras homenagens póstumas. Realmente, a sensibilidade do cara era notável. Brilhante o texto e a conclamacao dos conhecedores do Lugar e do Caminho para Ele a divulga-Lo.

  6. Talento artista,
    deixou um legado extraordinário na poesia e na musicalidade.
    Retratava o cotidiano e a sensibilidade humana como poucos.
    Obrigado pela postagem.
    Menandro

  7. Bom texto, do meu conterrâneo.

    Agora é só esperar a costumeira artilharia dos patrulheiros de plantão, como já ocorreu nas outras vezes em que Renato Russo e outros artistas, que não têm a nossa fé, tiveram a beleza de suas peças aqui mencionadas.

    Para boa parte da igreja, principalmente de linha pentecostal, a música é tratada como uma "vaca sagrada" que só pode ser apreciada no campo religioso e em forma de louvor a Deus e não respeitam quem pensa de forma diferente.

    nEle

    Ielton Isorro
    clamandonodeserto.blogspot.com

  8. Pois é Ielton, pelo jeito você também não respeita os que pensam diferente de você quanto a essa questão musical, já que antecipa comentários contrários como se fosse coisa de "gentinha-pentecostal-tapada-que-não-conhece-graça-comum".

    Conheço alguns heróis da fé que pensam diferente de você, principalmente quanto ao uso que você faz da graça comum, reformados sérios que viveram e participaram da construção desta doutrina, será que eles receberiam o mesmo tratamento que você dá em seu comentário? Seriam eles menos iluminados que você quanto ao conceito e aplicação/contextualização da graça comum?

    Continue louvando ao Senhor com Legião Urbana, Titãs, Coldplay, Oasis etc. Eu que não sou iluminado o suficiente para entender o conceito libertador da graça comum continuarei louvando ao Senhor ao som de Rodolfo Abrantes, Resgate, Palavra Antiga, Fernandinho, Petra, Delirious, Shawn McDonald, Hilsong United, Leeland etc.

    Grande abraço,
    Ronaldo

  9. A diferença do profeta para o poeta são somente duas letras a mais… Renato Russo foi uma espécie de profeta, que usou da poesia para expressar seu apurado feeling.

    Que a rasa percepção dos "evangélicos" possa ser vencida pela coerência e pela sinceridade!

  10. Vaca sagrada é forte hein! mas que uma boa parte se assanha toda quando se fala de musica secular isso é.
    Por a culpa nos pentecostais, é pior do que por a culpa do tsunami no diabo. temos que ter argumentos melhores.
    mas que o Legiâo era bom era, eita tempo, ops!

  11. Ielton,

    Louvado seja Deus pela libertadora Graça Comum, que nos permite apreciar o belo sem impor tabus.

    E louvado seja Deus (novamente!) que nos ajuda a discernir o bom e o ruim.

    Finalmente, louvado seja Deus que deu ao ser humano o senso da estética, permitindo-o discernir entre o belo e agradável, e o feio e profano.

    Abraço do amigo herege,

    Leonardo.

  12. Ielton,

    Não penso que a solução seja imitar Adão e ir à procura de culpados. Falar de música sempre foi difícil porque acaba lidando com questões afetivas, de identificação e cultura. Penso que é necessário desmistificar a ideia de que ela como adoração é "um fim", enquanto que deve ser apena "um meio". Música é arte, e a arte é puro reflexo da graça de Deus dadas a todos os homens.

    Abç irmão!

  13. Não sei se é verdade, mas dizem que a última enfermeira do Renato Russo era da igreja batista no RJ e o teria evangelizado. Verdade ou não, trata-se de uma triste história de vida. Espero que ele tenha se encontrado com o Salvador.

  14. Pois é Leonardo,

    Acho que vocês não vão gostar muito quando chegarem no céu, sabe como é, por lá só rola música (argh) gospel, é um tal de "Santo, Santo, Santo!" pra cá, "Digno é o Cordeiro" pra lá, parece coisa de (argh) Ana Paula Valadão e (argh) Hillsong, essas bandas (argh) gospel.

    Também não sei ao certo se gostariam de participar da santa ceia do nosso Senhor, já que lá eles só cantaram (argh) hinos.

    Ah sim, será que vocês ficariam do lado de Paulo quando o mesmo denunciava a bela obra de arte erigida à Diana dos Efésios? Ora, uma obra tão magnífica e bela dos homens merece ser apreciada, praticamente uma ode à graça comum de Deus.

    Claro que tem muita poesia e belas mensagens nos livros satanistas boa sorte apreciando e discernindo a graça comum nestes livros.

    Louvado seja Deus pela liberdade que Ele conquistou para que pudéssemos ser escravos de Cristo e não mais do mundo.

    Louvado seja Cristo que orou por nós e não pelo mundo.

    Louvado seja o Espírito Santo de Deus que nos fez nascer de novo para o reino e a glória de Deus, eis que tudo se fez novo, a antiga vida já passou.

    Abraço do irmão menos iluminado,

    Ronaldo

  15. Ronaldo Guedes,
    Que tal apenas apreciarmos uma bela poesia musicada, que descreve com sapiencia e beleza os sentimentos humanos, mesmo os mais doloridos?
    E que tal deixarmos o julgamento espiritual do Renato Russo pra Deus, hein?
    Melhor apreciarmos seu talento.
    Se voce não gosta do estilo, paciência.
    Mas não venha querer fazer do seu gosto pessoal doutrina.
    Aqui neste blog, eu já cansei de argumentar com pobres almas ignorantes, (que costumam dividir o mundo entre a igreja e o diabo), que para a graça comum de Cristo não há limite, e pode se manifestar num ateu ou num religioso, assim como na musica convencional ou na sacra.
    E creiam, é a maior perda de tempo essa discussão!
    Então não percamos nosso tempo.
    Ouçamos a Legião, assim como Baden Pawel, Jobim, Edu Lobo, Paralamas, Milton e outros, e procuremos extrair deles o que há de bom..

  16. Respeito sim, Ronaldo!

    Nunca vou criticar quem apenas ouve boa música cristã e não escuta músicas rotuladas como seculares (aliás a sua lista é muito boa com alguma ressalva ao HilSong) (rsrsrs).

    Vejo adoração e arte no Palavrantiga, por exemplo, no Stênio Marcius, João Alexandre e Gerson Borges.
    Já no Renato Russo, apenas arte oriunda de uma sensibilidade artística ímpar, de alguém que não nasceu de novo, o que não o incapacitou como artista e nem lhe privou de retratar a cosmovisão de uma geração de brasileiros através de sua arte, que tem peças admiradas por uns ou detestadas por outros, independentemente da confissão de fé.

    Mencionei falta de respeito porque a recíproca não é a mesma. Ou seja, boa parte dos cristãos que excluem a música secular da sua vida (como parece ser o seu caso e é um direito seu) não conseguem compreender, ou admitir, que outros cristãos (entre os quais me incluo e é um direito meu) possam escutar e admirar músicas de uma outra temática sem que isso se traduza em pecado. Sabendo nós, sobretudo, a importancia de separar momentos de ouvir, cantar ou tocar músicas de uma vida de adoração e louvor a Deus, já que esta não pode depender de um fundo musical para existir.

    O que mais me espanta, neste tema, e em todas as vezes que ele vem à tona, é que isso me parece ser uma cultura da igreja evangélica brasileira. Não tenho notícias se em outros países o comportamento é esse.
    Sem querer pautá-lo, talvez o Leo possa escrever um pouco sobre o panorama da América Latina em relação a esse assunto, pois estas restrições me parecem de fundo cultural e com maior especificidade das igrejas de tradição pentecostal, onde inclusive sou nascido, faço parte e infelizmente ora combatemos, ora padecemos de outros costumes do "pode isso" "não pode aquilo" ("tabus" como Leo escreveu ou "vacas sagradas" como escrevi) sem qualquer fundamento teológico que os justifique.

    nEle

    Ielton Isorro
    clamandonodeserto.blogspot.com

  17. Graça comum rsrsrsrs,essa gente não tem mais o que inventar quando gosta de buscar satisfação para a alma nas fontes erradas!

    Sei que serei massacrado(ou meu comentário excluído)pela minha opinião,mas essa conversa fiada de ´´graça comum“é um dos sintomas da decadência espiritual da Igreja Evangélica de hoje,abarrotada de intelectualóides que adoram relativizar tudo,glorificando figuras derrotadas como Renato Russo,que falavam de Luz e não deram sinais de que a encontraram,antes colhendo os frutos do seu pecado.

    Graça comum?tô fora!Prefiro a verdadeira graça libertadora:A de Cristo Jesus,que me é suficiente(ICOR 12:9).

  18. as músicas dele traduzia o que o coração do homem é no geral,ele sabia descrever muito bem,sabe as vezes procuro nas musicas evangélicas uma sinceridade assim,mas é muito raro encontrar,serio,as vezes ouço heloisa rosa,ou leonardo gonçalves, procuro letras que venha ao encontro dos meus sentimentos,mas a musica cristã ta tão comercial e repetitiva que me frustro!

  19. "…Termino dizendo que Renato era simplesmente um poeta distante de Deus que clamava por Ele sem saber chamá-Lo." Essa é a mensagem central sr.Adm. Ronaldo Guedes. "Os cristãos" querem esconder que o cara era um poeta é fogo, hein!? O texto quer dizer apenas isso; Renato Russo era um poeta, inteligentissimo e que não sabia onde e nem como encontrar Deus…ele não via sentido para vida.
    Não entendi a colocação do sr. Adm. Ronaldo Guedes em dizer "Continue louvando ao Senhor com Legião Urbana, Titãs,…" Quem está fazendo isso? O texto pedi para fazermos?
    Reconheçamos o texto foi excelente! Muita gente precisa conhecer Jesus, Renato era um deles.
    Grande abraço!

  20. UMA PERGUNTA AOS QUE NÃO ESCUTAM MÚSICA SECULAR.

    VOCÊS TAMBÉM NÃO VÊEM FILMES SECULARES CERTO?

    TIPO, NENHUM DE VOCÊS ASSISTIU TITANIC, O JARDINEIRO FIEL, STAR WARS, E O VENTO LEVOU ETC.

    NÃO VÊEM NÉ?

    OU QUANDO VÊEM COLOCAM SEM SOM PARA NÃO OUVIR AS MÚSICAS SECULAR QUE DÃO VIDA AO FILME SECULAR???

    RESPONDE AÍ…

  21. Caro Ielton,

    Não deixo de respeitar você, o Leonardo e todo o pessoal aqui porque temos opiniões diferentes sobre a doutrina da graça comum (daqui pra frente DGC), e acredito que você sabe bem que os próprios reformados (que delinearam esta doutrina) possuem opiniões diferentes sobre ela.

    O primeiro ponto é diferenciar criação de cultura, portanto os exemplos que o pessoal que faz defesa como a sua de uma DGC comodista ("eu não como comida gospel", "eu não bebo água gospel") não se aplicam, logo o campo da utilização da DGC é a cultura ou o que a Bíblia chama de mundo.

    Neste sentido, J. I. Packer e Wayne Grudem, por exemplo, falam dela sempre no sentido do cristão transformar a cultura, e não acomodar-se a ela.

    Às vezes penso que falamos quase a mesma coisa, mas alguns detalhes são diferentes na nossa interpretação da DGC, eu não entendo como você concilia sua interpretação da DGC com a óbvia separação que Deus e a Bíblia fazem de santo e profano.

    Vou usar o exemplo de Paulo, ele andou pelas estátuas dos deuses gregos para encontrar argumentos pra sua oratória no aerópago, ele falou sobre o deus desconhecido e aproveitou esse argumento para apresentar o evangelho, sua utilização da DGC se limita a isso, não vemos na Bíblia Paulo incentivando a apreciação da estátua do deus desconhecido, antes ele apresenta e reitera o culto ao verdadeiro Deus.

    Analisar a poesia do Renato Russo para apresentar o evangelho aos que não ouviram é uma utilização válida e bíblica da DGC, é fácil visualizar Paulo fazendo isso como o fez no aerópago, mas daí a continuar ouvindo suas músicas em casa, na igreja, em sua devoção pessoal, durante a Santa Ceia, não faz o menor sentido dentro de uma teologia bíblica sensata, da mesma forma não consigo visualizar Paulo fazendo isso, pelo menos não o apóstolo Paulo que considerava tudo como esterco comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus.

    Aliás, como conciliar essa aplicação da DGC com as palavras de Paulo aos Filipenses:

    "Mas o que para mim era lucro, passei a considerar perda, por causa de Cristo. Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por cuja causa perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar a Cristo" (Filipenses 3.7,8)

    E antes que digam que ele estava se referindo apenas aos rituais hebraicos (embora o próprio Paulo reforce que ele considera “tudo”), o que dizer da advertência de Paulo logo à frente:

    "Irmãos, sigam unidos o meu exemplo e observem os que vivem de acordo com o padrão que lhes apresentamos. Pois, como já lhes disse repetidas vezes, e agora repito com lágrimas, há muitos que vivem como inimigos da cruz de Cristo. Quanto a estes, o seu destino é a perdição, o seu deus é o estômago e têm orgulho do que é vergonhoso, eles só pensam nas coisas terrenas. A nossa cidadania, porém, está nos céus, de onde esperamos ansiosamente um Salvador, o Senhor Jesus Cristo." (Filipenses 3.17-20)

    "[…] eles só pensam nas coisas terrenas. A nossa cidadania, porém, está nos céus […]"

    Louvado seja Deus pelas belas palavras nas cartas paulinas.

    Tenho uma percepção diferente da sua, pra mim são os defensores desta aplicação comodista da DGC que não utilizam um texto bíblico sequer para sustentá-la e ainda se posicionam como detentores da doutrina mais sapiente, e os outros como tapados farisaicos que não sabem apreciar a graça comum de Deus rsrsrs.

    Outra dúvida que tenho é se os defensores desta aplicação da DGC ficarão entediados no céu ouvindo só “santo, santo, santo, santo, santo, santo” o tempo todo, sem uma música do legião ou do titãs sequer rsrsrs.

    Não sei se esse papo vai mudar muita coisa na sua ou na minha vida caro irmão, mas que a graça e a paz de nosso Senhor Jesus esteja em nossos corações, e possamos participar do corpo em amor ao nosso Deus e em amor aos nossos irmãos.

    Abraços sinceros em respeito e amor de seu irmão em Cristo Jesus,
    Ronaldo

  22. Quando não era crente ouvia legião, mas conheci Jesus e não vejo necessidade disso. Algumas pessoas disseram que não encontram nas músicas evangelicas algo tão bom e profundo como em algumas músicas seculares, acho o contrário. É so procurar que tem muita coisa boa e edificante, espiritual e agradavel. Adm. Ronaldo Guedes tó com voce, lá no céu só vai ter Santo Santo etc.

  23. Realmente concordo que o Renato era um poeta, isto é incontestável, mas e daí?
    O que isso vai me acrescentar para nossas vidas?
    O que adiantou escrever lindas poesias?
    O que isso importa?
    Mudou (para melhor) a vida de alguem?
    Glorificou a Deus?
    Ajudou a salvar alguma vida?
    Creio que suas musicas alcançou muitos admiradores pois falavam justamente o que as pessoas sentiam (as que não conhecem a Cristo).
    É muito bom ouvir uma musica que fale aquilo que voce está sentindo ou que represente algum sentimento.
    Seria melhor para nós como cristão usar como exemplos positivos para exemplificar a tal "graça comum" que graça é essa? que não salva que não redime, que não transforma…
    Na minha ignorância acho que não tem nada haver uma pessoa ser inteligente, poeta, pintor, cantor, compositor e etc com a graça de Deus.
    Enquanto escrevi este comentário morreram milhares de pessoas sem ao menos saberem que Jesus existe.
    O que Renato Russo não foi melhor que ninguém, é como neblina (Tiago 4:14).
    A única coisa que me faria ficar feliz pela vida de Renato é saber que ele tenha encontrado a verdadeira luz Jesus antes da sua morte, o resto não importa.
    Suas poesias tão bonitas não o fez ser melhor em nada…
    E sua vida vazia apenas serviu de inspiração para as "belas" musicas…
    Não vejo nenhuma "graça" para as inspirações poéticas de Renato Russo.
    Era apenas um homem que sabia (e muito bem) descrever seus sentimentos através da musica.

    Essa é a verdadeira graça que conheço:

    "Porque a GRAÇA de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo; O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras. Fala disto, e exorta e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze." Tito 2:5

    Paz

  24. Pois e' pessoal a "encrenca" esta lancada… e penso ate que aqueles que so' gostam da ideia de que musica e' o "santo,santo,santo" pra la' e "digno e' o cordeiro pra ca'" e que sempre insistem em chamar musica de "hino", la' no ceu tambem vai ter uma porcao de barraquinhas de feira vendendo os CD's goxpel, anapaulavaladinos ou cheios de cassianadas ou ainda Hillsonganadas e outros bichos, como cre o nosso irmao Ronaldo.
    E' uma pena, temos resquicios farisaicos e inquisitivos insuportaveis nesse meio "goxpel" que nao tem a menor semelhanca com nada do que Jesus ensinava.
    Nao sou defensor do renato russo ou outro "russo" qualquer mas nao ha porque defender vendilhoes da inspiracao recebida que enriquecem mais e mais a cada dia a custa dos ignorantes de plantao… que tem sido muitos… verdadeiras "legioes urbanas".
    Tempos de trevas.

  25. Essa foi a PÉROLA do dia: "Vocês não vão gostar muito quando chegarem no céu, sabe como é, por lá só rola música gospel."
    SEM COMENTÁRIO.
    Essa Vai figurar o anedotário.
    Na radio gospel celestial só vai rolar Diante do Trono e AP imitando leãozinho. (kkkkkkkkkk)
    Com esses argumentos rasos, não dá pra debater nada.

  26. Rsrsrs tá vendo como virei fariseu rapidinho 🙂

    Caro João Florentino, quando digo que no céu só vai ter "santo, santo, santo" é porque a Bíblia assim o diz (Isaías 6.3; Apocalipse 5.26), me diga, baseado em uma teologia bíblia responsável, o que os anjos cantam sem cessar na presença de Deus? Músicas do Renato Russo?

    Não defendo o consumismo/mercantilismo goxpel, apenas ressaltei que esses artistas cantam músicas (nem todas) baseadas em textos bíblicos e que buscam exaltar o Senhor dos Exércitos, o Santo de Israel, o Príncipe da Paz, o Bom Pastor, o Cordeiro de Deus, e não o sol, a lua, o mar, o deus desconhecido.

    Portanto, tô contigo 😉 "não há porque defender vendilhões da inspiração recebida que enriquecem mais e mais a cada dia a custa dos ignorantes de plantão".

    Mas meu comentário não foi sobre o mercantilismo gospel, mas sobre a aplicação da doutrina da graça comum.

    A graça e a paz do nosso Senhor Jesus esteja sempre entre nós em amor e devoção ao nosso Deus que não é desconhecido.

    Abraços sinceros,
    Ronaldo

  27. Prezado Ronaldo,

    não vejo como os textos que vc citou, ou os exemplos de Paulo, invalidam a DGC. Pelo contrário, eles só reforçam e demonstram que Deus quis ser bom com todos os homens, dando-lhes talento e liberdade, quando poderia ter dado estas condições apenas aos que nEle cressem, más quis Ele que a sua bondade fosse comum a todos os homens, daí vem a DGC (como vc abreviou). Acho tão fácil compreender isso, há não ser pela dificuldade que temos em considerar que Deus seja tão bom, dando tanto para quem quem é capaz de produzir pecado, dor e morte. Más Ele é bom! Como foi em conceder a graça salvífica aos que no Seu filho creram, lembrando que só por isso, com tanta "gente boa", um bandido arrependido inaugurou o paraíso, incoerente né? Más, se Ele quer ser bom como podemos contestar?

    Agora, não admirar e não reconhecer a qualidade de um trabalho bem feito é outra coisa. Pode ter haver com gosto ou afinidade, então só nos resta respeitar. Más não podemos deixar de reconhecer um talento apenas por causa de nossa fé.

    Nyemayer, por exemplo, se confessa ateu, más não há como não reconhecer a DGC sobre ele, Deus deu a ele o mesmo talento que deu para Gaudi, porém este era cristão, se não fosse a graça comum apenas o segundo estaria sendo comentado agora e nós não teríamos as obras maravilhosas do primeiro.
    Citei os arquitetos Nyemayer e Gaudi, más se quiser manter a conversa pensando em música poderia citar Beethoven e Bach, como contraponto.

    A lista de homens e mulheres incrédulos que receberam diversos talentos é enorme. Se isso não é uma manifestação do favor imerecido de Deus, na sua opinião, o que é? Quem concedeu este talento para estas pessoas?

    Eu me antecipo lhe respondendo que prefiro pensar que foi o Deus Eterno quem, na sua infinita bondade e sabedoria, os capacitou sem esperar qualquer reconhecimento ou retribuição por parte deles. Portanto, cabe à Igreja ajudá-los a ver quem os fez assim e direcioná-los para o Caminho, más para isso ela não pode, ensoberbecida, menosprezar estes talentos ou deixar de reconhecer que Deus os deu "Porque Ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos."

    Em tempo: Não acho que os anjos sejam musicalmente tão pobres e redundantes para ficarem repetindo só o refrão "santo, santo, santo" E se forem, tá explicado porque Deus se agrada tanto do nosso louvor (rsrsrss). Ou Então, Tomar esse texto ao pé da letra seria uma temeridade.

    nEle, de quem recebemos a Graça da salvação.

    Ielton Isorro
    clamandonodeserto.blogspot.com

  28. Querido Ronaldo,

    Seu comentário é interessante, gostei dele parcialmente. Fez uma boa exegese sobre a carta de Paulo aos Filipos, mas não entendi por que não aprova um cristão escutar Renato Russo? No Renato não tem nada que se enquadre em Filipenes 4:8? Aliás, se todos os irmãos (tanto os que aceitam a DGC quanto os que rejeitam), vivessem suas vidas seguindo os conselhos que Paulo expressou nesse versículo, e não fugindo do “profano” em busca do sagrado, talvez se surpreenderiam e conheceriam o lado criativo de Deus (não só o lado teológico)- Iriam notar que rosas podres às vezes nascem em belos jardins, e que em vales sujos, também surgem flores belíssimas.
    Vi que você conhece bem as cartas paulinas, mas como você conjectura a arte na Bíblia? Acha que ela não tem nada de secular? Saiba que o que torna um discurso ser cristão e artístico não é o fato dele tratar necessariamente de algo religioso. Só pra deixar claro que a arte secular não é invenção nossa, eu a vejo quando Salomão faz um trono para si(1 Reis 10.18-20), no poema secular que Davi compôs para Saul e Jônatas (2 Samuel 1.19-27), como também vejo no livro de Cantares de Salomão, e até na profissão de Jesus, ou acha que a carpintaria de Jesus só servia pra fabricar púlpito?
    Na verdade o que falta para muitos exegetas é conhecer um pouco mais de música (e arte em geral), a ponto de que muitos músicos conheçam também um pouco mais de teologia.
    Quando você aborda: "[…] eles só pensam nas coisas terrenas. A nossa cidadania, porém, está nos céus […]" o que você que justificar com isso? Te pergunto: você tem carro? Tem casa? Tem plano de Saúde? Assiste TV (canal secular)? Vai ao cinema? Gosta de esporte? Fez ou faz universidade? Lê livros de homens seculares? Você pensa nas coisas terrenas?

    Você disse que não temos texto pra sustentar a DGC? Então você acha que os talentos dos homens são obras que provém do mal?

    Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação. Tiago 1.17
    Louvado seja Deus por sua infinda Graça!

    Procure pensar nisso longe das lentes da religiosidade…

    abraço

    Paz e Graça

    Antognoni Misael

  29. O texto é excelente e apenas lamemnta que uma talento do nível do Renato Russo não tenha sido apreciado por "alguns" só porque o cara não nasceu de novo. Isso não impede de reconhecermos o seu talento galera!
    O que o texto nos provoca é uma reflexão sobre o nosso sentimento de "seres superiores" que não nos importamos quando aguém está á beira da morte sentindo angústia do futuro incerto, desesperado para ver a "luz" e nós não temos a capacidade de chegar perto e socorrer com a luz do evangelho, que é Jesus.
    Pobre Renato Russo! Tanto talento, e morre sem Jesus!
    PObres de nós, "os iluminados"!!!!!
    Não temos discernido o propósito do Evangelho!
    Nos achamos superiores…
    Qnanto mais nos achamos, menos somos…

    Deus tenha misericóradia de nós!
    Enquanto ainda é tempo…

    Parabéns, Antongni!

  30. Escamas nos olhos.
    O TEXTO PEDE PRA QUE FALEMOS DO EVANGELHO PRA "OUTROS RENATOS RUSSOS".
    Essa inércia evangélica é que mantém os vendilhões do templo.
    O cara, Renato Russo, nessa letra, estava pedindo pra que alguém mostrasse a Deus.
    Mas o que ele viu até ao fim da vida, era apenas "Glórias a Deus" e "Dízimos" e "Batiza" e "Sai! em nome de Jesus"… Mas o Evangelho.. esse ninguém mostrou..
    Estamos num mundo que pessoas buscam o Evangelho, sem saber que é o evangelho o que estão procurando. mas estão buscando.. e o Renato FOI um deles.. mas ainda há, centenas de milhares.
    E , sinceramente, se continuar com essa visão totalmente embaçada sobre o que é o evangelho e a SUA ( vc leitor) missão.. continuaremos a viver nessa superficialidade e nessa fantasia de filhos de Deus OBESOS. Apenas comer a palavra, mas sem exercício algum.
    Existem milhares de "Renatos Russos"..
    Acorda Irmãos.
    Vander de Paula

  31. Gostei demais do comentário do IRMÃO JASON ! falou por mim ! Sou pentecostal, louvado seja Deus por isto ! Resposta ao Daniel Clos: não perco meu tempo com isto, pq ainda não me converti a "tal da graça comum" que leva os "sábios deste mundo" para o "mundanismo". Essa tal de graça comum deixa o sujeito com a mente cauterizada, onde nada mais o acusa e lhes dar a falsa certeza que estar "salvo para sempre" ! os seguidores deste falso evangelho se alimentam do santo e do profano sem nenhum discernimento pq o radar deles pifou ! E o pior de tudo isto é que essa turma quer dar uma de apologistas ! É de doer ! Els são iguazinhos aos seguidores e fãs dos "artistas gospel" ! Pb Roberto Rocha

  32. Jason,

    Acho que você não entendeu bem o texto. Você leu por completo? É preciso separar os bois dos boys. Quando você indaga: “- O que isso vai acrescentar para nossas vidas?
    Mudou (para melhor) a vida de alguém? Ajudou a salvar alguma vida?”, você está tentando sistematizar uma área bastante complexa que é o campo subjetivo do agir de Deus. Quem somos nós pra determinar a Deus o que ou quem Ele deve usar para falar ao coração de alguém?
    Quando você sugere que usemos exemplos positivos para exemplificar a graça comum isso mostra que em relação ao Renato, você só enxergou os negativos. Então meu nobre a charada é essa, procurar vê em tudo e em todos o melhor, ou até mesmo aprender com os erros deles não esquecendo sempre de atentar para essência de cada um…
    Outra coisa, pelo que entendi, você misturou graça comum com graça salvadora. A GC mostra que tudo foi feito Por Deus e a capacidade de criatividade do homem que provém de Deus (Tg 1.17 foi manchada pelo pecado (é o que chamamos de herança adâmica), mas isso não nos outorga dizer que quem nasceu de novo não tem essa graça, todavia essa graça não salva, mas expõe, proclama e demonstra reflexos da perfeição de Deus.
    Se você não consegue enxergar por esse ângulo, é bom repensar sua teologia e procurar ler sobre arte cristã (se quiser te indico uns livros), vendo as coisas por outro ponto de vista.

    Abc, a paz.

    Antognoni Misael

  33. A manifestação de Deus está em todo ser humano, salvo ou não salvo.
    Essa é a regra basilar da graça comum.
    Já se perguntaram o que faz um não convertido arriscar a vida para salvar alguém ou qualquer outro ato que demonstre amor ao próximo?

  34. É isso ai, Antognoni!!
    Tem gente que não entende algo tão óbvio!
    Eita "crentaiada" da mente cauterizada pela religião!
    Quando é que esse povo vai enxergar a realidade?
    Será que esse quadro muda?
    "Ovelhas idiotadas pelo "sistema"…
    Matrix…

  35. Não sei porque o Hillsong incomoda muitos crentes, pois tenho sido edificado, com suas músicas, e olha que no mundo eu era roqueiro.

    Tem muita gente boa em nosso meio evangelico.

  36. Rsrsrs o brabo de conversas em comentários de blog é ser mal entendido, isso ocorre com freqüência, provavelmente por causa de nossas cosmovisões, essas lentes que influenciam nossas interpretações de textos, coisinha terrível quando o leitor dá um significado ao texto que o autor não deu 🙂

    Vamos lá, acredito que posso responder ao Ielton e ao Antognoni esclarecendo melhor meus comentários.

    Primeiro, em momento algum nego a DGC, em verdade, em verdade lhes digo, a DGC é real, a graça de Deus está em toda sua criação, impossível olhar para os céus e não ver a glória de Deus, impossível analisar a história da humanidade e não perceber a mão de Deus a conduzindo, impossível olhar para o homem e não perceber a imagem de Deus refletida em nossas características singulares (inteligência, racionalidade, amor, altruísmo, moralidade, etc.). Louvado seja Deus pois nos criou a sua imagem e semelhança!

    Pronto, mas se eu assumo e realidade inevitável da graça comum, o que estou discutindo então? Em verdade, em verdade lhes digo, estou discutindo tão somente a aplicação (comodista x transformadora) da DGC, neste sentido utilizei as palavras inspiradas de Paulo aos filipenses, e suas atitudes e ações reveladas nos Atos dos Apóstolos, Paulo reconhecia muito bem a graça comum de Deus, mas não a aplicava da forma que vocês aplicam, ele se limitava a usá-la para evangelizar, mas seu prazer estava exclusivamente no conhecimento de Cristo, e não na contemplação da graça comum nos outros ou nele próprio, já que se pode dizer que Paulo foi mais contemplado com a graça comum que os outros rsrsrs, o homem era o cara da sua época, cidadão romano, viajado, com direito a ótima formação filosófica e judaica, além de fariseu zeloso da lei, irrepreensível, mas e aí, ele dava muito valor a isso por causa da graça comum de Deus na criação, ou tratava tudo isso como esterco por causa da glória de conhecer Cristo Jesus?

    Que tal lermos Isaías que clama: "Toda a carne é erva e toda a sua beleza como a flor do campo. Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do SENHOR. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente." (Isaías 40.6-8)

    Isaías está preocupado com a beleza da carne ou com a palavra de nosso Deus?

    Essa passagem é tão importante que Deus repete ela através de Pedro que diz: "Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre."

    Pedro está preocupado em contemplar a glória do homem ou em viver a palavra do Senhor?

    […]

  37. […]

    Pra mim ainda tem coisa melhor, o Salmo 19 é maravilhoso nesse sentido, começa com o salmista reconhecendo a graça comum de Deus na criação ao dizer que os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anunciam a obra das suas mãos, mas lá na frente ele vai mostrar onde está o seu prazer, será que está em contemplar as obras dos homens? Vamos ler os versículos 7 a 10:

    "A lei do Senhor é perfeita, e revigora a alma. Os testemunhos do Senhor são dignos de confiança, e tornam sábios os inexperientes.

    Os preceitos do Senhor são justos, e dão alegria ao coração. Os mandamentos do Senhor são límpidos, e trazem luz aos olhos.

    O temor do Senhor é puro, e dura para sempre. As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas.

    São mais desejáveis do que o ouro, do que muito ouro puro; são mais doces do que o mel, do que as gotas do favo."

    O que é mais desejável que ouro, mais doce que mel? A arquitetura de Niemeyer, as músicas de Beethoven?

    Sobre a aplicação (comodista x transformadora) da DGC, fico com a Bíblia que me mostra que o conhecimento de Deus é incomparavelmente melhor que as obras dos homens, neste sentido não busco me conformar com a cultura deste ou de outro século, antes busco transformá-la para a glória do meu Senhor, ser sal e luz para um mundo/cultura carente de Cristo.

    Em tempo, não acho que repetir “Santo, Santo, Santo” na presença de Deus é mera redundância, mas resultado de uma estupefação ao contemplar a glória inefável de um Deus criador, eterno, e todo-poderoso, penso que quando esse dia chegar ninguém vai sequer lembrar de Niemeyer, Beethoven, Renato Russo rsrsrs.

    Grande abraço do irmão fariseu,
    Ronaldo

  38. Ronaldo, em nenhum momento aqui foi pregado a DGC sob uma perspectiva de acomodação…acho que não entendeu ainda o texto sobre o Renato. O texto não incentiva ninguém a venerar o Renato, mas reconhecer a criatividade de Deus; não enfatiza o estado de pecado que ele se encontrava, mas nos exorta a falar do amor de Jesus para aqueles que nos rodeiam. – Vc viu como usei um objeto secular (música do Renato), reconheci os traços de Deus na arte, em seguida busquei aplicação apontando para Deus como a luz e o caminho verdadeiro?
    No final das contas sabe o que eu estou concluindo?
    Enfim, nao devemos esquecer das coisas do alto, claro, mas não fechemos os olhos para as coisas da terra, afinal, estamos no mundo pra quê?
    Tem pessoas que se acham tão santas que não conseguem viver nesse mundo, espero que vc não seja um desses!
    Enfim,acho que eu devo ser o fariseu mais herege daqui.

    Que a graça de Deus a cada dia repouse em nossas vidas.

    Antognoni Misael.

  39. Ronaldo,

    Não negando a DGC, como vc fez, reconhece-se que Deus deu talento aos homens e nisso vemos a glória dEle.

    É isso que a DGC chama de "centelha de Deus" e que os críticos da DGC condenam.

    Apreciar qualquer obra de arte e criticá-la não é pecado. E com a mesma pré disposição que vou passear no shopping comprar um livro de administração, vou ao cinema (ver um filme que não é gospel), e ao teatro ver um drama, ou assistir um show de MPB no Tom Brasil. Com os filtros da nova criatura, retenho o que é bom, dispenso o que não me acrescenta e, por fim, nada me é subtraido.

    Qualquer uma destas coisas não mudam em nada a nova criatura, pois vivemos em um novo kairós que permite-nos apreciar peças como esta do Renato Russo, ou uma do Fernando Pessoa e enxergar a dor de um perdido, com expressão poética, sensibilidade artística e beleza vindas da GC.

    Em nenhum momento comparamos essas coisas com as obras feitas diretamente pelas mãos de Deus. Ou seja, não vamos comparar a beleza do teto da capela sistina pintada pelo Michelangelo com a beleza do céu cheio de estrelas feito por Deus (é covardia comparar os dois artistas, né?), más também não vamos negar que a pintura do italiano é de estatelar os olhos, até porque o talento dele veio de onde mesmo?! Transporte esse mesmo modelo para as outras artes e verá o que vemos. Más, se não quiser não precisa, pois não fazer isso não subtrairá nada da nova criatura que vc é.
    Essa é a Graça. E como escreveu Philip Yancey: "Não há nada que possamos fazer para Ele nos amar mais, nem há nada que possamos fazer para que Ele nos ame menos."

    Por fim, não o conheço pessoalmente más não o considero um fariseu (no sentido pejorativo), pela forma que argumentou até agora.

    Em tempo, ainda: Continuo achando uma temeridade interpretar o "Santo, Santo, Santo" ao pé da letra, como sendo uma catarse angelical. É provável que seja muito mais do que isso. Lá veremos, em verdade, toda a beleza que vemos aqui em traços, pois vem tudo da mesma fonte e tem a assinatura de um só artista!

    nEle,

    Ielton Isorro
    clamandonodeserto.blogspot.com

  40. Antognoni,

    Essa questão de graça comum é algum que não podemos discutir, sabe por que? todas as coisas foram criadas por Deus, os anjos, o universo, o homem, o bem o mal, TUDO vem de Deus, isto é claro, e podemos chamar de "graça comum", todos ganhamos, foi dado gratuitamente, sem merecimento.
    Quando fiz aqueles questionamentos não foi para dizer que Deus não pode usar um não crente, pois eu estaria dando descrédito a própria bíblia (EX: Ciro, rei da Pérsia). Queria apenas dizer que há algo mais importante a fazer, poderíamos contar historias de pessoas que talvez não fossem tão talentosos quanto Renato, mas que experimentaram andar com Jesus. Esse tipo de discurção não leva a lugar nenhum, não vai edificar ninguém, fico imaginando um descrente entrando no blog ao ler este post ver os comentários, tenho certeza que irá trazer mais confusão, além disso há os irmãos da fé que se escandalizam, as vezes queremos parecer ser entendidos e letrados, cheio de argumentos teológicos, e esquecemos de falar do simples.
    Glória a Deus, pois Ele deu ao homem dons e talentos, alguns usam para glorificar ao Deus Criador, outros usam apenas para se glorificarem.
    Não vamos nos preocupar com este mundo, nós estamos aqui, mas não somo daqui, breve estaremos com Cristo, vamos levar o evangelho simples aos corações…

    "Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento;" Eclesiastes 12:1

  41. A genialidade do Renato russo é incontestável, dentro do contexto musical em que ele estava inserido. O problema é que, ele, por não ter o conhecimento correto da Palavra de Deus, suas letras falavam mais da concupiscência humana, dos desejos da carne, coisas que também desejávamos. Por isso muitos se identificavam com essas letras; alguns totalmente.

    Quando nascemos de novo é difícil gostar de: “gosto de são Francisco e são Sebastião… e etc…” entendem? Tanto gosto o levou a morte prematura!

    Não penso que ele não conhecia o suficiente sobre Jesus para ter se decidido por Ele. O Renato cantava: “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo tende piedade de nós” não era assim?

  42. Tantos pontos foram levantados, dos quais ora concordo, outrora discordo e não ouso fazer “meras repetições”.
    O que me chamou a atenção é que ninguém afirmou que o amigo Antognoni estava equivocado em suas colocações.
    As divergências surgiram quando a questão foi: o cristão deve ouvir música "secular"? Sabemos que há um grande problema impregnado nas igrejas em relação a isso.
    Particularmente, acredito que podemos adorar a Deus sem fugir da análise do que somos. Ou seja, nossas emoções, que nem sempre são dignas de um ser tão singular, mas fazem parte do nosso contexto, até para aprendermos a sermos melhores.
    Não podemos fugir da crítica e apreciação de nós mesmos e nem da realidade, seja ela musical ou não. Creio que Renato Russo proporciona um estudo sobre o que sentimos e o que vivemos, conseguintemente não deve haver restrições para esse tipo de absorção positiva.
    Acredito que mesmo não vivendo uma vida, descrita por Deus como ideal para nós, ele nos deixou um legado de aprendizado. Deus usa quem ele quiser e como ele quiser. Deixe que ele julgue Renato Russo.
    Quem disser: “Aprendizado pra mim, só gospel ou bíblico”, sugiro que também não frequente uma universidade, pois até Teologia nos leva a essa qualidade de reflexão.

  43. PAZ NO SENHOR!!!!
    Tenho acompanhado esse blog amuito tempo… tenho gostado de muitas matérias…

    Mas desde a primeira vez que vi colocarem músicas MUNDANAS tendo como desculpa a GRAÇA COMUM, recusei a aceitar tal coisa.

    Sabe irmãos não quero que me vejam como desafeto ou como PATRULHEIRO DE PLANTÃO.

    Mas creio que de certa forma vocês puxam as coisa pro lado de vocês conforme a TUA TEOLOGIA.

    Por que digo isso?

    Simples.

    Vejo a tanto grupos evangélicos que são DENUNCIADOS aqui no Púlpito, e isso com razão, não discordo de vocês nesta questão, mas se esses são criticados por que aqueles que nem ao menos RECEBERAM A CRISTO são elogiados?????

    Isso me assombra!!!!!!!!!!!!!!!

    Criticas neste blog aos que se dizem cristãos não falta, e elogios a aqueles que vivem uma vida dissoluta, prostituída de toda sorte de pecado também não!

    Depois dessa matéria me veio a mente que isso é utilizado por vocês como um meio de mascarar o mundanismo em vossas almas!!!!

    Alguns dizem: O LEGIÃO!!!!

    Mostrando uma grande intimidade com o grupo.

    Novamente: ISSO ME ASSOMBRA!!!!!!!!!!!!!!!!!

  44. Caros irmãos Antognoni e Ielton,

    Concordamos em discordar em alguns pontos rsrsrs. A conversa foi boa, o texto muito bem escrito, da minha parte resumo minha reflexão no seguinte parágrafo que eu já havia escrito:

    "Analisar a poesia do Renato Russo para apresentar o evangelho aos que não ouviram é uma utilização válida e bíblica da DGC, é fácil visualizar Paulo fazendo isso como o fez no aerópago, mas daí a continuar ouvindo suas músicas em casa, na igreja, em sua devoção pessoal, durante a Santa Ceia, não faz o menor sentido dentro de uma teologia bíblica sensata, da mesma forma não consigo visualizar Paulo fazendo isso, pelo menos não o apóstolo Paulo que considerava tudo como esterco comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus."

    Eu me considero um exímio leitor, adoro ler, tenho minha biblioteca pessoal que vai aumentando a cada dia (graças as Deus? rsrsrs), e antes de me converter possuía uma biblioteca musical bem vasta e eclética, deletei tudo por assumir o pecado da pirataria em minha vida, dali pra frente passei a comprar meus cds, curiosamente não tive mais interesse nas velhas músicas, e as músicas que louvavam a Deus e o relacionamento dEle com seu povo caído se tornaram inesperadamente prazerosas para meu coração (logo eu que odiava qualquer música gospi que aparecesse no rádio rsrsrs).

    Contudo, embora eu leia muito, e goste muito de música, artes e afins, considero tudo como esterco por amor ao meu Senhor e Deus que me libertou da escravidão do mundo, para que pudesse ser escravo dEle, escravo com todo prazer pois como disse J. I. Packer: "A diferença entre sentir orgulho ou vergonha da condição de servo depende daquele a quem se serve". Ou como disse Bob Dylan: "You´re gonna have to serve somebody" rsrsrs. Felizmente Deus me escolheu para servi-Lo, toda glória, honra e poder a Deus e sua imensa e livre misericórdia.

    Ficamos assim então, aproveitem as músicas, e artes seculares, mesmo quando não for com propósitos evangelísticos, eu fico no meu "legalismo" ouvindo músicas que louvam o Deus conhecido Yahweh, minha Bandeira, minha Rocha, meu Escudo, minha Esperança, minha Alegria, meu Contentamento, meu Pastor, meu Salvador, meu Senhor! Ele é mais que suficiente (muito embora eu ainda não entenda completamente isso), que um dia eu possa juntar-me ao coro dos anjos louvando "Santo, Santo, Santo”, “Aleluia"!

    Maranata, vem Senhor Jesus!

    Que a graça e a paz de nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré esteja conosco hoje e sempre.

    Grande abraço,
    Ronaldo

  45. Toda discussão é válida para reflexão e talvez, para uma mudança de pensamento. Esse tipo de debate edifica sim, em minha opinião e quero deixar claro o meu respeito por todos que podem pensar o contrário. Ainda mais, porque esse assunto me interessa e me intriga muito.
    Estamos falando de música. Música de verdade.
    “É a verdade o que assombra, o descaso o que condena, a estupidez o que destrói…” O que me ASSOMBRA de fato, é saber que Deus nos avisou tanto para não julgar o próximo, e que também muitos clamam nas igrejas: “Senhor, me dá os teus olhos, quero olhar para o outro com os teus olhos”. Não sabem mesmo o que dizem.
    O objetivo declarado no post do amigo Antognoni é justamente olhar sensivelmente e não julgar. NÃO JULGAR.
    "Eu não falo porque quero salvar alguém. Eu falo porque gosto. Quem sou eu para salvar alguém? Eu é que tenho que me salvar!".
    Quer dizer que ninguém aqui tem pecados? Vocês queriam ser lembrados por isso, por seus erros? Pelas pornografias que viram na internet, por suas mentiras, arrogância, intolerância ou qualquer outra coisa do tipo?
    MEU DEUS! Porque não conseguimos guardar o que as pessoas nos deixaram de bom? Vocês não conseguem mesmo ver o que o Renato tinha de bom? Ahh, ele era só um aidético, homossexual. Apedrejem-no!
    Eu prefiro lembrar isso: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar para pensar, na verdade não há.”
    “… Quero ter alguém com quem conversar. Alguém que depois não use o que eu disse contra mim…”
    Estaria perdida mesmo se eu não dependesse da graça de Deus. Sou a mais pecadora do blog. Fazer o que? Me arrepender de novo e de novo e de novo e de novo.
    “Por isso lhe peço, por favor, pense em mim, ore por mim e me diga: – Este lugar distante está dentro de você”.
    Não quero me limitar ao julgamento dos homens. Os olhos a nossa volta são tão cruéis e sufocam nossa alma. “Disciplina é liberdade; Compaixão é fortaleza; Ter bondade é ter coragem.”
    Tirem as escamas dos olhos antes que seja tarde. Tarde pra vocês. Tarde para os corações aflitos. “Temos todo tempo do mundo”. “Quando se aprende a amar, o mundo passa a ser seu”.

  46. Mano Ronaldo,

    Como viu nos comentários, algumas pessoas concordam com vc, outras comigo e com o Misael. A maneira como defendeu o seu ponto de vista ajudaram a fortalecer a visão das primeiras e a do Misael, juntamente comigo, ajudaram o segundo grupo.
    Um pensamento não exclui o outro e nenhum dos dois grupos é superior ao outro, porque ambos pertencem a Ele.

    Logo, nos encontraremos naquele grande coral, entoando canções exaltando a beleza, majestade e poder do nosso Rei, que deram forma e conteúdo a todas as coisas que conhecemos e que não conhecemos, entre elas as que não gostamos e até as que reprovamos.

    Particularmente para mim, foi muito edificante essa "conversa". Parabéns pela cortesia, elegância e bom humor sem arrogância com que se conduziu, defendendo seu ponto de vista. Coisa rara nesses foruns.

    Que Deus o fortaleça nessa caminhada,

    nEle

    Ielton Isorro
    clamandonodeserto.blogspot.com

  47. Com certeza caríssimo irmão Antognoni, o amor de Cristo é muito maior que nossas divergências sobre alguns pontos de interpretação bíblica, nesse sentido reforço o lema:

    "In necessariis unitas, in non-necessariis libertas, in utrisque caritas." (Em essenciais, unidade. Em não-essenciais, liberdade. Em todas as coisas, amor.)

    Grande abraço,
    Ronaldo

  48. Irmão Ielton,

    Obrigado pelos elogios, que Deus seja glorificado sempre com nossa cortesia e amor, refletindo a luz dEle a todo momento.

    A conversa foi boa, mas tomara que possamos concordar mais que discordar rsrsrs.

    Que Deus nos fortaleça em nossas caminhadas!

    Grande abraço,
    Ronaldo

  49. Se fosse os pentecoitais tava td mundo metendo pau… mas música seculat todo mundo bate palma. Não sei que especie de cristãos vcs são…

  50. Um dos maiores problemas de nós evangélicos é ver capeta em tudo.
    Se Cristo tivesse visto capeta em Zaqueu, Maria Madalena, será que seriam estes salvos?
    Imagine então se Ele tivesse visto apenas os erros de Saulo, será que este teria se tornado Paulo e um dos maiores homens no N.T??
    Queridos, a maioria das músicas do Renato Russo são expressões de seus sentimentos, sim confusos em muitas coisas, mas era desta forma que ele buscava uma libertação para os seus problemas, libertação esta que nunca encontrou porque o "povo de Deus" (Será???) nunca teve peito/coragem de chegar até nele e anunciar a Palavra.
    Porque?
    Bem o Renato era rockeiro, drogado, homossexual, portador do HIV, enfim, era um pedido mesmo! Pra que falar da graça e amor de Deus?? Um cara desse não merece!
    Infelismente é isso que acontece, muitos crentes se acham santos demais para anunciar a Palavra para as pessoas "perdidas", e se esquecem que Cristo veio exatamente para esses.
    Enfim, que antes de acusarmos o que é certo ou errado, possamos tem como principal objetivo o anuncio da Palavra e Salvação que existe em Cristo!

    Antes que julguem: Sim, ouço Renato Russo! E acredite em suas músicas existe algo que é dificil ver nos "louvores" hoje em dia: A verdade!

  51. Caro Pr. Rogério,

    O que evangelizar tem a ver com ouvir musica do Renato Russo, desde quando é necessário gostar de música do Legião Urbana para evangelizar e discipular todos os povos? Você começa o texto com um tom de defensor da verdade, como se os outros fossem todos fariseus por pensar diferente e ter outro gosto musical, e você, por outro lado, fosse o discípulo verdadeiro (quase o próprio Cristo), depois começa uma contextualização estranha das sagradas escrituras e da missão nos dada pelo nosso Senhor Jesus que confesso ter ficado meio perdido na lógica do seu comentário (qual a premissa, qual a conclusão?). Aliás, ainda não entendi o que tem de tão errado em gostar de ouvir “santo, santo, santo”, “digno é o cordeiro”, “Jesus mudou meu viver”, “nada além do sangue de Jesus”, sabe, esse tipo de música que Renato Russo, Titãs, Paralamas e tantos outros não tem o menor interesse em cantar, e que aparentemente os anjos cantam a todo o momento.

    Em tempo (aprendi com o irmão Ielton rsrsrs), eu pensava que a verdade estava em nosso Senhor Jesus (João 14.16?), será que devo começar a buscá-la nas músicas do Renato Russo?!? Melhor ainda, que tal nas músicas do Raul Seixas, ou nos livros do Paulo Coelho, quem sabe nas poesias de Baudelaire…

    Em segundo tempo, nosso Senhor Jesus e os apóstolos também viam capetas e buscavam expulsá-los, não tomar um drinque com eles e chamá-los para um bate-papo animado sobre a graça comum nas magníficas obras erigidas à Diana dos Efésios.

    Em terceiro tempo, por que em Atos 19.19 "grande número dos que tinham praticado ocultismo reuniram seus livros e os queimaram publicamente". Esse povo evangélico vê capeta em tudo não acha Pr. Rogério? Pra que tanto legalismo! Esse pessoal ficar queimando livros! E ainda mais publicamente, o que a sociedade vai achar disso?!? Coisa de evangélico que só sabe ver capeta em tudo! Afinal, você estaria junto com eles?

    Cordialmente,
    Ronaldo

  52. Meu nóbre Ronaldo,

    Novamente percebo uma inquietação sua ao perceber que muitos cristãos curtem a música "secular". Só pq vc não gosta, não quer dizer q Deus tmb não goste, entende?
    Sua argumentação é enfadonha e mais chata do que aula de física quântica. Se vc pensa q elogiar a música secular e ouví-la significa trocá-la por alguns plágios da época da reforma ou por as mesmices do gospel está enganado. Para meu alimento espiritual não troco as canções do Logos, Elo, João ALexandre, Jorge camargo, etc., te aconselho a ouví-los, são referencias.
    Quando se avalia uma canção (se é que vc sabe avaliar), é preciso ver alguns pontos:
    1) excelência técnica (instrumental)
    2) Validade
    3) Cosmovisão
    4) integração entre conteúdo e veículo

    Dentre tantas coisas pra se avaliar, pelo que noto nada serve pra vc, só a cosmovisão né? Tipo: letra cristã em música ruim. Não importa! Contanto que cante "Santo, Santo, Santo"!
    Acho q vc olha a música com olhos de teologia…precisa considerar outros aspectos se quer ser um admirador da arte da música, ou se não continuar lendo as institutas de calvino, acho que é um bom exercício musical.
    O texto sobre Renato considera muita coisa na arte dele, e embora sua cosmovisão sobre o mundo e sobre Deus seja arranhada pelo pecado, não podemos descartar suas outras qualidades, muitas vezes escassa na nossa música cristã.
    Se vc ainda n entendeu a proposta de fazer uma leitura interior do Renato (sugerida no texto) através de seus sentimentos, e em sua vida prática apreender a interpretar os milhares de seres humanos em sua essência, entao é bom vc pedir para ser assunto aos céus.
    Novamente repito…com esse seu discurso dá p notar q vc odeia futebol, não fez faculdade, não leu livro que n fosse a Bíblia ou sobre ela, não assistiu filme secular, não leu revista em quadrinhos, não considera a pintura, não assiste TV…. afinal o que evangelizar tem a ver com essas coisas?!
    Jhon Stott disse que o Cristão precisa ser criador de pontes…se vc não sabe admirar o belo na arte do descrente e usar esse objeto como uma ponte para a propagação do evangelho então vc negligencia em detrimento de sua opinião.
    Vc disse: "O que evangelizar tem a ver com ouvir musica do Renato Russo?"
    Te respondo: o que linguagem, sensibilidade e interpretação tem a ver com Jesus"?

  53. Querido Ronaldo Guedes, espero que se encontre na paz que vem do alto!

    Quero esclarecer algumas coisas.
    1º – Não afirmei que para evangelizar tem que gostar ou ouvir Renato Russo/Legião Urbana. Afirmei que muitos crentes não buscam evangelizar "rockeiros" justamente por acharem que estes são perdidos sem chance de salvação.
    2º – Quando disse que existe verdade nas músicas do Rentato Russo/Legião Urbana não é referente a Verdade que Liberta (a saber, Cristo!), mas, em caráter da verdade que existe na pessoa – A expressão dos sentimentos, pensamentos, desejos – o que muitos cantores "gospel" hoje em dia não tem. Cantam apenas para agradar alguns e não buscam expressar o verdadeiro motivo que deveria levar todo crente a louvar – a salvação e adoração para Deus.
    3º Quando eu disse "ver capeta em tudo", não coloquei no sentido espiritual, me referi ao preconceito que muitos crentes tem ao ver um rocheiro, rapper, etc. Digo isto porque eu sofri preconceito justamente por ter sido punk, e muitos achavam que eu não tinha salvação.
    Não disse em momento algum que há erro em cantar "Santo, Santo, Santo", "Digno é o Cordeiro" – até mesmo porque eu canto e louvo a Deus com esses louvores.
    Também não disse em momento algum que devemos trocar esses louvores por músicas que não engradecem a Deus.
    A intenção do que disse expliquei acima, e acredito (assim espero) que tenha compreendido.
    No mais amado digo como Paulo, sou o menor de todos, estou aqui para aprender!

    Deus te abençoe!

  54. Caro Pr. Rogerio,

    Também espero me encontrar na paz que vem do alto rsrsrs. Diga-se de passagem, a maravilhosa paz de nosso Senhor Jesus, que transcende todo entendimento.

    Não notei essas conclusões no primeiro comentário que você postou, agora que você explicou (e eu entendi rsrsrs) posso dizer que concordo contigo meu irmão.

    O autor do evangelho não vê cor, etnia ou gosto musical, Ele vê e transforma corações para o louvor da sua majestosa glória, nesse sentido estamos todos aqui para levar com muito prazer essa bela mensagem de salvação ao mundo inteiro.

    Estamos juntos no amor de Cristo e no aprendizado de sua vontade para nossas vidas.

    A graça e a paz de nosso Deus e Senhor Jesus Cristo.

    Grande abraço,
    Ronaldo

  55. Caro Antognoni,

    Não sei nem por onde começar a respondê-lo rsrsrs, de qualquer forma já elogiei seu texto e a forma como você conduziu a análise da graça comum nas músicas do Renato Russo, concluindo com a aplicação de nosso dever de Evangelizar a todos os povos (independente de gosto musical, orientação sexual, posição social, data de nascimento, RG, CPF, CNH, etc.), para isso digo um retumbante Amém, como diriam também os apóstolos e discípulos de Jesus.

    Quanto ao resto do comentário, paciência :p

    A graça e a paz de nosso Senhor Jesus seja contigo e comigo meu querido, precisamos muito de Deus, somos tão pequenos, tão jovens, tão jovens…

    Grande abraço,
    Ronaldo

  56. Comentários carregados de preconceito. Sou testemunha do que a música Monte Castelo fez com a vida de um rapaz. Que por outros meios não a ouviria, ou melhor, não saberia que a poesia inserida ali é um pedido à Igreja de Corinto feito pelo ap. Paulo e eram escritos bíblicos.
    Ele pediu-me uma bíblia e buscou o conhecimento a partir do dia que soube que foi ali que R.Russo se reportou para atender aos reclamos de seu coração.
    No mais queridos, é preciso amar as pessoas, com o coração de cristão, como ao de Cristo. Tente ao menos imita-LO!

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui