Aprofundando a “nova reforma protestante”

20
436
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Ricardo Alexandre

Assine o Blesss
Semana passada (*) eu colaborei com a revista Época, edição nacional, com a reportagem de capa “A nova reforma protestante”. Foram nove meses para apurar, escrever, pautar fotos e editar sob condições de trabalho que raramente temos nessa profissão. Em termos de repercussão e alcance, talvez seja o trabalho mais importantes nos meus 17 anos de carreira. E também o que envolveu a maior quantidade de sentimentos e convicções pessoais e profissionais.

Evidentemente, apesar do espaço ocupado (nove páginas), a reportagem era só uma introdução a um tema sem fim, a saber: há uma movimentação entre igrejas e movimentos evangélicos que dialoga com o público mais esclarecido leitor da Época e que não só não se parece com o tipo de “gospel” que ele vê nas páginas policiais como o rechaça tanto quanto o nosso leitor. Que esse movimento, no fundo, é mais uma tentativa de recuperar a “igreja” a qual Jesus Cristo se referia em Mateus 16:18, daí o título – “nova reforma protestante”, sem pretensões de cunhar nenhum termo realmente. Para quem ainda não leu a reportagem, o link oficial é este aqui, mas um monte de gente reproduziu o texto na íntegra, como o Pavablog.

Fiquei muito feliz e grato a Deus pela forma com que o espírito da reportagem foi bem compreendido. A própria página de comentários do site da Época se transformou em palco de discussões muito lúcidas e inteligentes. Confira aqui.

E achei muito bacana que o texto tenha dado origem a discussões importantes em outros fóruns. Abaixo, peço licença para fazer uma pequena lista dos que mais me chamaram a atenção:

Augustus Nicodemus Lopes, a quem respeito e admiro enormemente, usou da reportagem para aprofundar a discussão sobre o liberalismo teológico em seu blog O Tempora! O Mores!

Paulo Siqueira, do site As Pedras Clamam, fez uma excelente prospecção do texto à luz do pentecostalismo. Ele toca em um ponto para o qual eu nunca havia atentado: a falta de uma teologia pentecostal. Seu texto está aqui.

Quem se interessa por design e jornalismo, eu recomendaria este post do blog Faz Caber explicando como a capa da revista foi concebida.

Uma das críticas mais comuns feitos pelos irmãos pentecostais é que eu teria pegado pesado demais em definir a visão neopentecostal do dízimo. No texto, eu disse que o discurso de igrejas adeptas da teologia da prosperidade é que a fidelidade do crente é usada pelo fiel na esperança de constranger Deus a resolver seus problemas pessoais. “Ninguém pode constranger a Deus!”, várias pessoas me escreveram dizendo. Bem, não fui eu quem disse isso, foi o Edir Macedo. Veja com seus próprios olhos: “Se nós fizermos nossa parte num pacto com Deus, passamos a ter o direito de cobrar dEle Suas Promessas. E Ele, por sua vez, fica obrigado a cumprir a parte dEle.”

O bispo anglicano dom Robinson Cavalcanti escreveu uma carta muito interessante dizendo-se “deslocado” do contexto da reportagem. Ele tem razão: a versão original do texto, muito maior, tinha outras aspas do bispo em contextos mais adequados, como o papel da igreja protestante na política brasileira. Na edição final, ele acabou entrando em um contexto que pode sugerir que ele, que não tem nada a ver com todo aquele papo de “desinstitucionalização” estivesse contrariando seus princípios. Ele escreveu um comunicado no site da sua Diocese e nós o publicamos na última seção de Cartas da revista.

Evidentemente, como bem notou o Caio Fábio, o texto não defende em nenhum momento o fim das denominações tradicionais ou a destruição das igrejas instituídas. Minha intenção era mostrar que alguns movimentos mais alternativos estão, pela primeira vez, sendo analisados com seriedade pelas igrejas históricas e muitas de suas lições estão sendo debatidas e, eventualmente, assimiladas. O pastor Miguel Uchoa, também da Diocese do Recife da Igreja Anglicana publicou um post muito interessante e equilibrado sobre isso. [Em grande parte, o texto de Uchôa é a reproduçao de um artigo deste blog – Nota do editor]

Bem, e falando em Caio Fábio, no vídeo abaixo, o pastor diz que a reportagem não tem nada de novo e mostra “todo o seu carinho” aos pastores entrevistados por mim. Você pode tirar suas próprias conclusões, mas não pode deixar comentários na página do Youtube:

No dia seguinte, ele postou novo vídeo, talvez para se fazer entender melhor. Chamou todo mundo de “bundão” outra vez:

Por último, gostaria de fazer um esclarecimento e uma correção. O esclarecimento é que, ao contrário do que o Caio sugere, eu não congrego em nenhuma das comunidades citadas na reportagem e nunca havia sequer conversado com nenhum dos pastores antes de começar a reportagem. Muito menos recebi a pauta por encomenda. Foi uma idéia minha que eu apresentei à Época no final do ano passado e que assumi com a condição de não ter data para entregar – e a própria pauta mudou algumas vezes durante a apuração, como deve ser durante um trabalho de apuração honesto. Desculpe se isso soa arrogante, mas eu jamais faria um trabalho nas condições de isenção e ética discutíveis como as que o reverendo sugere.

A correção que eu gostaria de fazer já foi publicada na edição 639 que está nas bancas, mas vale aprofundar aqui: há um erro de informação histórica naquele quadro “Redenção e rupturas” que tenta explicar graficamente a história e os principais grupos cristãos. Fui frustrado na tentativa de sintetizar a frase original, que falava da conversão de Constantino e da oficialização do cristianismo como religião oficial do Império Romano, feita por Teodósio em 380 dC. O que Constantino fez, convertido ao cristianismo do jeito dele, foi garantir a liberdade religiosa e revogar o culto imperial como religião oficial. Evidentemente, ele lançou as bases de prática cristã que seriam oficializadas algumas décadas depois, mas a informação editada estava mesmo errada. Fui cortando e cortando até caber no lay-out e o texto ficou com o nome de um e a data do outro. Milhões de perdões e obrigado pelas dezenas de pessoas que escreveram notando o vacilo.

***
Fonte: Causa Própria. Divulgação: Púlpito Cristão

Comentário de Leonardo Gonçalves:

Conforme já expressei no comentário que fiz à matéria por ocasião da sua publicação, eu mesmo não endosso, sob nenhuma hipótese, a teologia liberal de alguns dos caras citados na matéria, nem estou tentando destruir nenhuma instituição. Definitivamente não quero nem por um segundo modificar o cristianismo; apenas desejo viver e ensinar a essência perdida do evangelho de Cristo.

A matéria de Ricardo Alexandre na revista Época foi singular ao fazer distinção entre a liderança corrupta, mensaleira e vergonhosa, e crentes sinceros – ainda que imperfeitos, demonstrando que nem todo mundo é farinha do mesmo saco-gospel. Por isso, mesmo havendo citado liberais, neo-ortodoxos e conservadores como se fossem jogadores de um mesmo time (não intencionalmente, talvez, mas foi o que acabou parecendo), esta foi uma das poucas matérias que tratou não retratou os evangélicos de modo estereotipado. Mais uma vez, parabéns ao Alexandre e à revista.

Quanto ao reverendo Caio Fábio e seus pronunciamentos videografados, penso que ele definitivamente estava “com a bunda na boca”, e isso de um modo assustadoramente literal (risos). Concordo plenamente com Caio quando ele diz que a igreja evangélica precisa de regeneração, mas não entendo esta obsessão por “desinstitucionalizar” o cristianismo, como se as instituiçoes fossem o demônio. Concordo menos ainda quando o caminho da desinstitucionalização passa pela criação de uma nova instituição (como o Caminho da Graça), o que denota pouco bom senso.

Precisamos continuar repensando o cristianismo, não em suas doutrinas centrais, mas buscando melhores formas de transmití-las com fidelidade, e confrontando todo despotismo, simonismos neopentecostais e a avareza da liderança evangélica, mas devemos ter muito cuidado enquanto fazemos isso, pois se esta “nova reforma” perder o rumo agora, será muito difícil reencontrar os trilhos lá na frente.

Nota:

(*) A reportagem saiu na Época, dia 9 de agosto de 2010

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

20 COMENTÁRIOS

  1. Bom Dia a Todos

    Mesmo que uma Reforma separe os "bons" dos "ruins" Tenho medo que acabe tudo misturado, da maneira que a Época misturou, e dessa Reforma acabe saindo um movimento extremamente liberal.
    Mesmo assim não acredito em Reforma, vejo que a cada dia que passa o coisa irá piorar, para cumprir a palavra de Deus, pois nos fim dos tempos irá vir dias trabalhosos, mesmo acreditando que o fim demora um pouco…rs

    Eu quase morri de rir com a frase "com a bunda na boca" no sentido literal..rsrsrs

    Mas não foi verdade? rsrs

    Abraço Irmãos….

  2. O Cristianismo é na verdade um estelionato ao Evangelho de Jesus, basta ver sua história, o problema é que a maioria dos evangélicos ama o saleiro de 4 paredes, a instituição, o grupo e não entendeu até hoje o que Jesus ensinou com todas as suas denúncias. A Igreja que Deus conhece e a única que ele se relaciona é a IGREJA FIEL e não com o cristianismo que de Cristo não tem nada, pois é uma criação humana.

    Quanto a NOVA REFORMA, eu admiro os irmãos que anonimamente estão na trincheira e se expõem e fiquei impressionado com um vídeo no youtube onde mostra o quanto foram criticados na MARCHA PRA JESUS pelos prórpios evangélicos quando impuseram em silêncio aquela faixa, mas essa nova reforma já foi feita por EDIR MACEDO E MUITOS AINDA NÃO SE DERAM CONTA, tanto que para muitos não-evangélicos, os conteúdos da IURD são interpretados como se fossem práticas de todos os evangélicos, como o autor cita no 9° parágrafo do texto… e os irmãos da faixa citados na reportagem estão querendo desreformar o que já foi feito, voltando ao Evangelho puro e simples, antes até de Constantino que seria o ideal.

    Após essa REFORMA MACEDIANA muitas igrejas locais histórias viraram neopentecostais no método, ainda temos outro exemplo da antiga Comunidade Evangélica aqui de Goiania, da qual eu amava ouvir os louvores na década de 80, que após MACEDO e seu nefasto exemplo seguido, rachou e se trasformou em duas igrejas neopentecostais, a saber: Igreja Fonte da Vida e Igreja Sara Nossa Terra.

    Quanto ao Pr Caio, antes de chamá-lo de arrogante olhem no seu espelho e vejam se vcs já não tomaram posturas arrogantes na vida, ou será que os irmãos acham que o Senhor Jesus tomou um postura arrogante quando disse a prórpia mãe: QUE TENHO EU CONTIGO MULHER.. dEle não acha né? Tudo depende da ótica de quem vê, por isso que olhos são a lâmpada do corpo… antes o vejam como uma pessoa que procura pregar o evangelho puro e simples, que comete alguns exageros comuns a quem se expõe demais em diversas mídias, diferentemente dos escritores e leitores deste blog, pois está mídia aqui é somente escrita e só se sabe quando uma pessoa ri quando se escreve (risos). Lembrando que ele deve conhecer os bundões e os separou dos que também foram citados na reportagem e trabalham em prol do Evangelho, mas não adianta se a pessoa tem uma antipatia gratuíta, aí não tem jeito.

    Eu fico com um a frase que aprendi a vida e que pecebi, lendo os Evangelhos, que o Senhor Jesus a praticava:

    NUNCA SE JUSTIFIQUE – PARA OS AMIGOS NÃO PRECISA, PARA OS INIMIGOS NÃO ADIANTA.

    UM abraço!

  3. Da-lhe Fabão!!!! Tô contigo.O problema é que os crentes aprenderam uma coisa podre com o mundo (sobretudo o mundo norte-americano) que é, mudar tudo pra que tudo permaneça como está!Parecer é melhor que ser.É tudo pose…O importante é parcer legal e distinto em relação ao mundo!

  4. A compreensão do verdadeiro evangelho está em Jesus Cristo nas Sagradas Escrituras e só é compreendida com a revelação de Deus através do Espírito Santo.

    As vezes preocupamos tanto com algumas coisas no meio cristão que esquecemos de outras.

    Devemos orar e pedir a Deus para abrir nossos olhos espirituais.

    "Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça, e desprezais o juízo e o amor de Deus. Importava fazer estas coisas, e não deixar as outras." (Lucas 11:42)

  5. LEONARDO. GRAÇA E PAZ LHE SEJAM MULTIPLICADOS.
    EU CONCORDO COM ALGUN PONTOS COLOCADOS PELO CAIO FÁBIO, SOU CONTRA POR EXEMPLO AQUILO QUE AUGUSTUS NICODEMOS ESCREVE SOBRE OS "DESIGREJADOS" APESAR DE RESPEITAR MUITO O AUGUSTÃO (RISOS), EU ACREDITO PIAMENTE NO RETORNO AS ORIGENS DO EVANGELHO, JÁ QUE PARA MIM O DENOMINACIONALISMO JÁ DEU O QUE TINHA QUE DAR. TENHO NO ENTANTO O BOM SENSO DE RECONHECER QUE UMA COMUNIDADE SADIA PODE TER O NOME QUE QUIZER, INCLUSIVE SER UMA DENOMINAÇÃO, E NÃO PRECISA SE DEISTITUCIONALIZAR PARA SER VERDADEIRAMENTE CRISTÃ. MEU PAI É DIRIGENTE DE UMA CONGREGAÇÃO PEQUENA DA ASSEMBLÉIA DE DEUS, E VEM FAZENDO UM BOM TRABALHO EM SEU BAIRRO, EU PORÉM EMBORA SENDO AINDA UM PRESBÍTERO DA JÁ REFERIDA IGREJA, ESTOU ABRINDO UMA VERDADEIRA GUERRA CONTRA ELA, DESTA FORMA ACREDITO QUE APESAR DE EU LUTAR CONTRA A DENOMINAÇÃO, SERIA MAIS SOFRÍVEL PARA O GRUPO DE IRMÃOS QUE CONGREGAM COM MEU PAI SE ELE TENTASSE O MESMO EM SUA "PARÓQUIA". ASSIM SENDO NÃO VEJO COMO NECESSÁRIA UMA BATALHA PARA ACABAR COM TODA A INSTITUIÇÃO DA IGREJA, MAS AINDA CONCORDO QUE O ROMPIMENTO É NECESSÁRIO PELO MENOS NA MAIORIA DOS CASOS. SEI QUE ALGUÉM PODE DIZER: QUE NÃO HÁ CONTROLE DO QUE É PREGADO EM UMA REUNIÃO NOS LARES, EU RETROCO DIZENDO QUE CONTROLE HÁ NO QUE É ENSINADO NAS DENOMINAÇÕES?
    MAS EU QUERO MUITO MESMO É CONVERSAR SOBRE A NOVA REFORMA COM VOCÊ, QUERO MESMO. ACHO ESSA DISCUÇÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTE. POR FAVOR NÃO ME IGNORE. PRECISO CONVERSAR. ABRAÇO DIOGO

  6. Na própria reforma o objetivo não era difundir, mas concertar os erros. A "nova reforma" (como estão intitulando) irá vir se cada um de nós se disponibilizar a viver o evangelho verdadeiro e fazer discípulos. Especulações, pensamentos, idéias de nada terão sentido se, nós que estamos tão indignados da forma que a igreja se encontra hoje, não procurarmos estudar os ensinamento de Jesus, e vive-los na íntegra, mesmo que todos sigam em um caminho contrário!

    Emunah: http://falandoemunah.blogspot.com/

  7. Sem querer fazer juízo de valores, acredito que Caio Fabio traz um ego muito inflado. Indiferente desta questão, já pude ouvir e ver outros pronunciamentos do mesmo, onde sempre dar-se a impressão de que o mundo gira em torno de seu umbigo.

  8. kkkkkkk o Caio Fábio sempre polêmico.
    Mas eu concordo com ele!
    Eu nasci nessas igrejas tradicionais passei minha vida toda lá..E depois fui para uma 'renovada' que muitos te vocês só sabem criticar…E concordo! São tudo uns bundões!!rrsrs
    e com todo o respeito, pq ainda assim somos irmãos!

  9. GRAÇAS A DEUS, PORQUE A SALVAÇÃO NÃO É PARA PROTESTANTES, REFORMADOS, TRADICIONAIS, PENTECOSTAIS, NEO-PENTECOSTAIS, IGREJADOS DESIGREJADOS…
    A SALVAÇÃO É PARA AQUELES QUE CONFESSAM A JESUS, O FILHO DE DEUS, O PRIMOGÊNITO DENTRE OS MORTOS, COMO SENHOR E SALVADOR; É PARA AQUELES QUE SE ARREPENDEM DE SEUS PECADOS, QUE NÃO TÊM PRAZER EM PRATICAR A INIQUIDADE, QUE AMAM E GUARDAM A PALAVRA DE DEUS E SEUS MANDAMENTOS; É PARA AQUELES QUE NÃO QUEREM SER AMIGOS DO MUNDO, MAS DE DEUS, PARA AQUELES QUE VIVEM EM SANTIDADE E NÃO NEGAM O SEU SANTO NOME.
    ANALISEM OS HOMENS E SUAS TEORIAS E CONCLUAM SE VÊEM NELES TAIS PRINCÍPIOS. É O QUE BASTA.
    OS HOMENS E SUAS MELHORES IDÉIAS(QUE JÁ FORAM ANTES PENSADAS)PASSARÃO, MAS A PALAVRA DE DEUS PERMANECE PARA SEMPRE.
    ALELUIA!

  10. Abraão rodrigues

    sou um leitor do pulpito cristão a um bom tempo, concordo com as criticas, com a "nova reforma". discordo em muitas coisas da teologia ciofabiana, mas depois de ter visto os videos dele tenho que confeçar. O CARIO FABIO TEM TODA RASÃO.

    as pessoas vivem de blogs, e criticas na internet e de vez enquando faz um protestinho aki outro ali (falo de mim mesmo que tenho feito muito pouco)

    chega de internt que hora vamos partir para as ruas e deixar o pau cair a folha? passeatas? pregaçoes em praça publica do verdadeiro evangelho? oraçoes….

    se comparar o que esta avendo agora coma primeira reforma somos uma piada e como disse o MALAFAIA (mediocres) é uma pena mas o Caião ta com a razão.

  11. Pr. Esequias Sousa/profeta de plantão
    Prezados irmãos a teologia da prosperidade não é o ponto pacifico entre os neopentecostais.
    mais insisto… já vivo a 2 reforma otbahia@bol.com.br

    Paz e Graça!
    Pra homens e mulheres do Brasil que desejam encontrar, viver e morrer na verdade! Jesus Cristo é a verdade.
    Espera-se que cada pessoa que tomar contato com as teses, que faça uma reflexão a luz das Sagradas Escrituras e no que lhe couber, faça bom uso para que o mesmo seja aperfeiçoado no Senhor.
    A 2º Reforma da Igreja do Senhor
    Gloria ao Senhor Jesus!
    As quarentas e oito Teses
    1. A Trindade atua pelo Espírito Santo até os dias de hoje;
    2. Os dons do Espírito Santo ainda hoje são manifestos;
    3. As liturgias das igrejas devem ser desprovidas de excessivo aculturarismo;
    4. A Bíblia Sagrada é a exclusiva e única regra de fé e prática;
    5. A Bíblia Sagrada é iluminada, inspirada e revelada por Deus;
    6. Deve-se por todos os meios promover, divulgar e estudar a Bíblia Sagrada;
    7. Na essência não existe incompatibilidade necessária entre a Bíblia Sagrada e a ciência, quando houver aparente conflito entre a Bíblia Sagrada e a ciência, ficaremos sempre com a Bíblia Sagrada;
    8. A Bíblia Sagrada não é necessariamente contrário ao direito internacional, aos direitos humanos e aos direitos das nações em particular, entretanto, quando qualquer direito, seja nacional ou internacional, se chocar com a Bíblia, ficaremos sempre com a Bíblia;
    9. Todos devem respeitar as autoridades constituídas, só no que não contrariar a Bíblia Sagrada; aqui, não existe autoridade fora da Bíblia.
    10. As autoridades eclesiásticas também só devem ser levadas em conta enquanto seu discurso e pratica estiverem em consonância com a Bíblia Sagrada;

  12. Algumas considerações/sugestões e reflexões sobre a questão:
    1. O modelo denominacional tem seus problemas, esta é uma verdade que não pode ser escondida. No entanto, é inegável que Deus utiliza deste modelo para que o Evangelho alcance milhares de pessoas. Não se pode negar o bom exemplo de Igrejas tradicionais já consolidadas no Brasil e no mundo que contribuíram e contribuem na formação cristã de milhares pessoas. O que se espera dos líderes destas Igrejas (comprometidos com a Palavra de Deus) e de seus membros (também comprometidos), é que despertem do comodismo e apatia, e entendam a necessidade de investirem na evangelização e ensino, utilizando-se o espaço existente na mídia (A Rede Boas Novas seria uma das opções), sob pena de continuarmos assistindo a expansão das heresias e práticas completamente contrárias ao que Cristo ensinou (chega de corporativismo e omissão);

    2. Tais Igrejas citadas necessitam compreender que não é mais possível limitar-se a quatro paredes, satisfeitos com duzentos ou trezentos membros nos cultos do domingo à noite. Precisamos avançar na evangelização e ensino da Palavra de Deus, utilizando de uma linguagem contextualizada e acessível às pessoas, vivenciando as necessidades espirituais e materiais dos que ainda não foram alcançadas pela Graça de Deus;

    3. As Igrejas Pentecostais precisam repensar seu modelo de governo, não é possível manter nos dias atuais uma concepção e prática centralizadora e autoritária, em que seus líderes exercem de forma vitalícia a presidência das Igrejas. Ainda que este modelo tenha tido sua utilidade no passado distante, não tem mais funcionalidade (posso dizer isto com tranquilidade, pois fui membro de uma Igreja Pentecostal já tradicional no Brasil);

    4. Em relação aos que desejam jogar na lata de lixo as contribuições advindas com Reforma Protestante, digo: O avanço do Evangelho é um processo lento e gradual, fruto de sacrifícios, mártires, lutas, superações, amor, graça, etc. Pergunte a um católico praticante se ele deseja abandonar sua fé e praticar uma vida cristã isolada de sua comunidade?

    5. Quanto aos vídeos relacionados à manifestação de Caio Fábio, fico surpreso na falta de conteúdo de suas declarações, nada disse que se aproveita;

    6. Quanto a este site, considero importante a veiculação de temas e fatos atuais vivenciados pela Igreja Evangélica. Contudo, penso que vocês poderiam lançar propostas que contribuam para mudanças na realidade do contexto atual da Igreja, evitando-se uma visão generalizada de que a Igreja Evangélica está em “coma”, quando a bem da verdade, existem neste grande Brasil Igrejas que realizam uma grande obra, não obstante a mídia não divulgue.

    Que a Graça e Paz de Jesus Cristo seja com todos os que partilham a mesma fé.

  13. Leonardo Gonçalves

    amém… tem até uma musica que diz "a começar em mim…"

    a "nova reforma" so vai funcionar quando o povo tirar da mente a "igreja universal" (nao falo da seita) e voltar para a igreja LOCAL. parar com esta coisa de igrejas mãe, e convençoes que ditam as normas. igreja é assim:

    Seu cabeça e fundador: – Cristo. Ele é o legislador; a Igreja só executa essas leis. (Mat. 16:18, Col. 1:18).

    Sua única regra de fé e prática: – a Bíblia – (II Tim. 3:15-17).
    Seu nome: – "Igreja" ou "Igrejas". (Mat. 16:18; Apoc. 22:16).

    Seu governo: – Democrático – todos os membros iguais (Mat. 2:24-28, Mat. 23:5-12).

    Seus membros: – Somente pessoas salvas – (Efés. 2:21, 1 Ped. 2:5).

    Suas ordenanças: – Batismo dos crentes e depois disto a Ceia do Senhor. (Mat. 28:19-20).

    Seus oficiais: – Pastores e diáconos. – (I Tim. 3:1-16).

    Seu trabalho: – Pregar a salvação às pessoas, batizando-as (com um batismo que concorde com todas as exigências da Palavra de Deus), "ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado" . (Mat. 28:16-20).

    Seu plano financeiro: – Assim (dízimos e ofertas) ordenou também o Senhor aos que anunciam o Evangelho, que vivam do Evangelho" (I Cor. 9:14). |

    Suas armas de combate: – Espirituais e não carnais. (1I Cor. 10-4, Efés. 6:10-20) .

    Sua independência – Separação entre a Igreja e o Estado. (Mat. 22:21).

    IGREJA É LOCAL. ai sim vamos começar ter uma luz de "nova reforma"

  14. Sobra a edição 638 da Época, fico com a frase do francês Gilbert Cesbron:

    "A verdadeira revolução acontece quando mudam os papéis e não apenas os autores."

    E também com o v. 36 de Lc: Ninguém tira um pedaço de uma roupa nova para costurá-la em roupa velha, todavia romperá a nova, pois o remendo não condiz com a velha.

    Não acredito em revoluções inexistentes, isso que publicaram é ilusório.

    Quanto ao Caio:

    Não tiraria uma das palavras que foram ditas pelo mesmo, afinal ele só é escrachado e não menos verdadeiro por isso. Muito pelo contrário, quem precisa de censura, são os vampiros "evangélicos" que subvertem palavras que saíram de corações tão sinceros, como o de Jesus. A verdade é que hoje, o ácido João Batista teria sua cabeça cortada pelos fariseus inflamados do "nosso meio".

    Fiquem na Luz.

    Ricardo Leone

  15. EU acho muito importante saber quea biblia diz que Deus vai separar o joio do trigo, isso significa que estão misturados quem vai julgar quem é joio e que é trigo é o Senhor nosso Deus!
    Paz do Senhor

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui