Teologia do Deus imperfeito, de Ed René, Ricardo Gondim e Elienai Cabral Jr

101
374
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Leonardo Gonçalves

DEUS DE TÃO PERFEITO conheceu a plenitude do tédio. De tão cercado pelo idêntico a si mesmo, incapaz de dizer por que hoje não é apenas um reflexo de ontem, sem jamais ter sonhado com um outro dia, enfadado com a previsibilidade de um mundo impecável, inventou o amor. Ou seria, preferiu amar?[..] Deus, que do absoluto fugiu em desespero, que inventara o imperfeito, imperfeito se fez. Inventou-se entre os incertos. Aperfeiçoou a imperfeição. Humanizou-se entre humanos. De tão impreciso, despido das forças do absoluto, igualmente inapreensível, excepcionalmente frágil, tão vivo e tão morto, descortinou o absoluto como quem desnuda o que é mau. Imperfeito, salvou-nos da perfeição.

Assine o Blesss
(Elienai Cabral Jr.)

Existe neste país uma nova tendência teológica. Nada de novo, confesso, apenas mais do mesmo, importado e requentado no microondas da filosofia pós-modernista. Existencialistas de verve trágica, mais amigos de Sartre e Nietzsche do que Jesus de Nazaré, os novos teólogos brasileiros falam de teologia de modo muito apaixonado, mas parecem definitavemte ter saído dos trilhos. Afim de contextualizar com a geração emergente, estes pensadores repaginaram a fé, dando a ela um toque de relativismo e mística medieval, criando assim uma “outra espiritualidade”, bem nos moldes daquela que Paulo condenou em Gálatas 1.8.

Bastante sutis, os arautos deste novo cristianismo conseguem cativar as mentes daqueles que estão enfadados com a igreja, e entre eles fazem escola. Na vanguarda da denúncia, os profetas da burguesia vão destilando toda sorte de impropérios contra os pregadores de prosperidade, carros e mansoes, e assim ganhando a simpatia daqueles que noutro tempo padeceram debaixo das garras malignas dos marajás do evangelho. Enquanto isso, tais como serpentes traiçoeiras, vão minando a base do cristianismo histórico, e roubando a glória e majestade que a Deus pertencem. No lugar do Onipotente, apresentam um deus fraquinho, raquítico. Um Deus imperfeito, ao invés daquele cuja essência é a perfeiçao. Definitivamente, uma outra espiritualidade.

No texto de Elienai Cabral, vemos o retrato de um Deus impotente, medíocre e pequeno. Em tese, o autor apresenta uma divindade oca, desprovida de glória e poder, constantemente desafiado por suas descapacidades e imperfeiçoes.

Negando a soberania de Deus sobre os assuntos humanos, a presciência dos fatos e a onipotência divina, a teologia dos “novos evangélicos” Ricardo Gondim, Ed René Kvitz e Elienai Cabral, simplesmente tiram Deus do cenário e introduz um ‘deus’ trapalhão e afeminado em seu lugar.

Não nego que os ensaios espiritualistas como este de Elienai podem parecer poeticamente atrativos, mas as heresias que recheiam suas linhas são extremamente nocivas, e precisam ser combatidas. Como calar-me diante de tamanha afronta? Não é a mim que eles diminuem e desprezam com seus conceitos relacionais, mas ao Soberano Senhor cuja glória enche a Terra. É o Deus vivo que está sendo reduzido, relativizado e transformado em um fracote que carece de tomar Biotônico Fontoura. Pobre deus; mal pode consigo mesmo!

Acerca dessa falsa teologia, Tomas C. Oden, em uma edição da revista americana Chistianity Today, declara:

“Conceber tal fantasia (um Deus finito e mutável) é incorrer em uma espécie de engano teológico cuja sutileza é maior do que se pode imaginar no que tange às explicações e conseqüências que tal conceito impõe à fé cristã”

Ora, meu amigo, o Deus da bíblia em nada se compara a essa pseudo-divindade humanista, e com o perdão da palavra, um deuzinho chulé, feito sob medida para filósofo ateu. O Deus bíblico é despótico, soberano, onipotente, onisciente, cheio de glória. Ele também é criador, sustentador, provedor e governador deste universo, e nenhuma coisa escapa ao seu absoluto controle; nem mesmo aquelas que as vezes não entendemos. Ele não se abriu a nenhum futuro desconhecido: Ele sabe o fim desde o começo e executa a sua vontade!

Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade. – Isaías 46.9-10

Louvado seja Cristo, o kyrios despotes – Soberano Senhor – aquele cujos projetos não falham, que vela pela sua palavra para que se cumpra. Este sim, é digno de toda honra e louvor. Um Deus em quem a gente pode confiar.

***
Postou Leonardo Gonçalves, que não conhece outro Deus além daquele descrito nas páginas das Escrituras, no Púlpito Cristão
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

101 COMENTÁRIOS

  1. A diferença entre os gondim, knevits e "juniors" para os que defendem a Teologia Reformada, Cristã e a Soberania de Deus, é que eles alimentam o gado no mesmo estilo dos macedos, malafaias e "novas terras". O que muda é o público.

    Os últimos lançam as migalhas da "fartura", "prosperidade" e "ganância"… os primeiros, os restos da "hipocrisia", "falsa piedade" e "vã filosofia".

    Como escreveu o Pr. Augustus Nicodemus em seu último artigo: "são teologias irmãs".

    Quando li o primeiro livro do pr. Gondim, "É Proibido", fiquei bastante entusiasmado com sua teologia, naquele tempo eu vivia o faz-de-conta da "viver no sobrenatural".

    Olhando os demais textos de Gondim, Knevitz e o "sensacional" blog do Elienai, percebo isto que escreveste. Um deuzinho impotente e afeminado (não tinha pensado no afeminado anteriormente, apenas fresco). Um deuzinho com medo dos humanos… carente de humanos, necessitado de humanos.. quer algo mais antropocêntrico que isto… dar glória a criatura e não ao Criador?

    No site de Gondim se pode ler: "Deus é o que vem acampar conosco, um Deus nômade e beduíno que vem, versus ontologização de Deus" (…) "Shekinah se refere ainda ao lado feminino de Deus (não tanto o rosto materno de Deus, cf Leonardo Boff) mas Deus da ternura, a esponsalidade de Deus". Citando Hugo Assman.

    Sério… será que Deus tem um lado "humano"? Um lado "feminino" ou "masculino"? Deus pode ter um lado "com coração enganoso e desesperadamente corrupto"?

    Esses homens servem para poetas. Mas certamente, não como Davi, que consideraa Deus Soberano, Rei do Universo, Inigualável, Coberto de Força e Majestade etc.

  2. Léo, a Paz do Senhor!

    Meu irmão, confesso que ao ler o texto no inicio fiquei confuso. Me perguntei, ao mesmo tempo em que prosseguia com a leitura: O que é isso que o Léo deu DM?

    Graças a Deus [o Deus Todo Poderoso] continuei a ler. Graças a Deus!

    Meu irmão, aquilo que está descrito no destaque não é o nosso Deus. Pode até ser, reconhecido pelo autor como um deus, mas não é o Deus da Bíblia nem aqui nem na china, [mesmo com toda falsificação chinesa], nem lá aceitariam aquilo.

    É como você fala: na sutileza, em estilo poético. Bem devagar, esperando a resposta de um povo que engole tudo o que esses homens inventam.

    Fica claro e evidente que apesar de toda sabedoria que eles esbanjam ter não conhecem o Deus que criou todas as coisas, visiveis e invisiveis, e que as mantém e sustem pelo Seu poder, e "que trabalha até hoje".

    Vou parar por aqui, estava preparando um texto para uma série "Carisma e Caráter" que vou publicar no PC@maral e perdi até a concentração. rsrsrsrs, pela falta da temor desses homens.

    Deus te abençoe!

  3. Deus afeminado,kra?!
    Tá maculinizando Deus?!
    O Elienai nesse texto não faz um texto teológico, mas poético. Não pretensão de dizer uma verdade.
    o maior poder de Deus é o seu amor!

    abração!

  4. Não acho que a visão de um Deus despótico e onipotente corresponda à imagem de Jesus na cruz, onde penso que Deus revelou de forma clara a sua verdadeira natureza, repetida depois nas escrituras de que "ele é amor".

    Como o amor tudo espera, tudo crê, tudo suporta, sei que Deus é onipotente, mas seu poder não reside em força, mas justamente no amor.

    Isso não é demérito, nem fragilidade e tampouco "feminino", mas é a única força capaz de realmente implantar o Reino de Deus.

    Não custa lembrar que Deus experimentou sim as limitações, o verbo se fez carne, deixou de ser Deus para ser também homem.

    portanto creio em um Deus que ama tanto, que prefere abrir mão de parte do seu poder, desde que isso permita estar próximo de sua criação.

    POr fim, devo deixar registrado que não entendi à crítica de que esses pastores estariam criando um Deus "afeminado". Será que Deus, para ser Deus, tem que ser mais "macho"? rs

  5. Graça e paz Léo,
    ao tentar mostrar a graça de Deus, esses teólogos tiram é a graça de Deus, pois a graça de Deus nada tem a ver com esse humanismo que eles tentam mostrar que Deus tem. Esses homens tentam a todo custo humanizar o nosso Senhor e fazê-lo ter os mesmos sentimentos piegas deles. Esse Deus, sinceramente eu não conheço, mas conheço um Deus de misericórdia e graça que se volta para o pecador através do seu amor revelado na cruz sem se tornar um "deus fraco e medíocre". Nesse eu ponho toda a minha confiança.
    Parabéns pelo texto.
    Que Deus continue lhe abençoando.
    Fique na Paz!
    Pr. Silas

  6. Livia,

    Você falou muito sobre o Jesus encarnado, e esqueceu daquele que, após sua kenósis (esvaziamento da encarnaçao) foi exaltado e recebeu nome que é sobre todo nome, e diante do qual todo joelho se dobrará.

    A visao do Cristo encarnado realmente revela amor, mas também revela a justiça de Deus, porquanto o castigo dos nossos pecados caiu sobre ele.

    A visao da cruz, além de revelar o amor de Deus, revela também a dimensao da sua justiça e santidade. Aquele que moeu o proprio filho na cruz, e se agradou em moê-lo (sim, isso está em Isaías), também moerá os ímpios e os pisará no dia do juízo.

    Por isso, nunca é demais enfatizar que precisamos de equilibrio. Eu preciso da empatia do Cristo encarnado e do poder do Cristo ressucitado. Nao posso dicotomizá-los, porque ambos sao um só! Além disso, nao existe isso de que "seu poder reside no amor", como se o poder fosse um atributo menor e que depende do outro. Nele, justiça e amor, bondade e severidade se unem de modo justo e perfeito.

    Seu amor nao é maior que sua justiça, nem que seu poder. Lembre disso…

    Graça e Paz. Sempre!

    Leonardo.

  7. Existencialistas de verve trágica, mais amigos de Sartre e Nietzsche do que Jesus de Nazaré, os novos teólogos brasileiros falam de teologia de modo muito apaixonado, mas parecem definitavemte ter saído dos trilhos.(2)

  8. Leonardo,

    Eu respeito sua posição.

    Eu creio em cristo ressuscitado, mas vendo como agiu durante a sua encarnação não consigo enxergar nenhuma severidade.

    Não vejo os evangelhos relatarem Jesus pisando ou moendo nenhum pecador. Sua humildade e fragilidade (aos olhos humanos) inclusive levaram os judeus a não reconhecerem nele a figura do messias libertador.

    Acho que a encarnação tornou visível aquilo que não víamos nem antes e nem após a passagem de Jesus pela Terra, que é justamente que o conceito de justiça e poder de Deus residem no amor e na graça.

    Porque o amor não impõe, o amor conquista e nisso acho que está o poder de Deus.

    Mas é claro, é a minha opinião.

    Graça e Paz para vc tb.

  9. Livia,

    Parafraseando Voltaire: "Nao concordo com o que dizes, mas defendo o teu direito de dizer". Lembre que o messias "frágil" derrubou as mesas dos cambistas, enfrentou a turba com pedras que queria apedrejar a adúltera e enfrentou com coragem e dignidade a agonia da cruz.

    Nele, poder e amor se unem com perfeiçao. "Considerai, pois, a bondade e a severidade de Deus" – Rm 11.22

    Um grande abraço,

    Leonardo.

  10. A quem discordou do texto do irmão Leonardo, recomendo a leitura ímpar do livro de John Stott: A Cruz de Cristo. Eis um pequeno trecho:
    " É verdade que achamos difícil conter em nossa mente, simultaneamente, as imagens de Deus como Juiz que deve punir os malfeitores e como Amante que deve encontrar um modo de perdoá-los. Contudo,ele é ambos, ao mesmo tempo. Nas palavras de G.C. Berkouwer: 'na cruz de Cristo a justiça e o amor de Deus são revelados simultaneamente", enquanto Calvino, fazendo eco a Agostinho, foi um pouco mais audaz. ele escreveu que 'Deus de um modo divino e maravilhoso nos amou mesmo quando nos odiava'.
    P.T. Forsyth diz: O cristianismo se interessa pela santidade de Deus antes de tudo, a qual emerge para o homem como amor…Este ponto de partida da suprema santidade do amor de Deus, em vez de sua piedade, simpatia ou afeição, é a linha divisória entre o evangelho e …o liberalismo teológico…Meu ponto de partida é que o primeiro cuidado de Cristo e sua revelação não foram simplesmente o amor perdoador de Deus, mas a santidade desse amor.'
    Essa visão do santo amor de Deus nos livrará de suas caricaturas. Não devemos retratá-lo nem como um Deus indulgente que compromete sua santidade a fim de nos poupar, nem como um Deus duro e vingativo que suprime o seu amor a fim de nos destruir."
    Excelente leitura! Recomendo a todos os irmãos!

  11. Que loucura é essa? Ah, é a mesma de 1:28, "…querendo ser sábios, tornaram-se loucos…"
    O apóstolo Paulo disse, que tudo que ele desejava conhecer era Cristo, e o poder de Sua ressurreição, e todas as outras coisas considerava como refugo! Os caras ficam inventando moda,rsr…acho que eles estão cheios de si, quanto às suas vãs filosofias….!argh! tenho mais o que fazer, Meu Jesus é muito simples, pra que tanta doideira?
    abços

  12. Eu concordo que Deus é amor e também justiça, e é soberano como você disse. No meu entender a Elienai Cabral falou sobre o Jesus-homem aquele que veio como nós,imperfeitos. Agora , Jesus andou 380 km , perseguido , com fome, passou frio e resistiu, carregou a sua cruz até a morte(se isso é ser fraco…), para nos mostrar exatamente o Deus que você citou RM 11.22 . E é exatamente pelo sacrificio da cruz que devemos buscar a perfeição.Você como missionário sabe que , seguindo o exemplo de Jesus, às vezes nós devemos ser severos também. O que acontece é que hoje a gente não pode falar nada, qualquer coisa é preconceito contra grupo tal ou y.
    Edilson Trekking

  13. Acredito que o dom mais precioso é o amor, isso não torna ninguém mais fraco ou "afeminado", entra na parte do "fiz-me fraco para com os fracos e forte para com os fortes".
    Concordo que Deus também é justiça e sua justiça será manifestada no dia do julgamento final.

    Nosso trabalho se resume à, por amor, levar o evangelho à toda criatura para que, assim, todos sejam salvos e não sofram com a eternidade no inferno.

    Não cabe a nós fazermos justiça, somente, enquanto vivermos, pregarmos o amor de Deus que leva, através do arrependimento e da aceitação de Jesus Cristo como Senhor e Savador, à salvação, fazermos assim valer a morte do próprio filho de Deus na cruz.

    Deus abençõe a todos!

  14. Olha, o ser humano por mais que tente, não irá conseguir descrever a grandeza deste nosso Deus, pela sua limitação. É isto que vemos nas palavras sitadas em destaque, uma descrição pobre de um deus visto numa ótica contrária as escrituras. Na tentativa de poetizar, acabaram menosprezando a real natureza de nosso Deus, que nunca foi, não é e nunca será imperfeito, mas é o mesmo ontem, hoje e será eternamente!
    Isso é o que dá, quando a sabedoria humana quer descrever o Deus Todo Poderoso de forma carnal, usando somente seu raciocínio, e não de forma humilde, buscando a sabedoria do alto!
    Pois a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia.

    Blog Emunah: http://falandoemunah.blogspot.com/

  15. Ahhhhh, os apologetas! Famosos por seus argumentos "coerentes", "retos" e "perfeitos". Se não me engano, foi o próprio Cristo quem se referiu a gente dessa estirpe há alguns anos: vocês nem entram, nem deixam outros entrar.

    Curiosamente se julgam sabedores da eternidade e hora advogam para um deus helenizado, hora tutelam por instituições que em nada se assemelham com a comunidade da igreja primitiva. O que leva qualquer ser racional a concluir vossa prepotência (o que não deixa de ser ignorância).

    Vossas armas são sanguinárias, demonizam o outro, a fim de serem tidos como defensores da "reta doutrina". Ledo engano, coam mosquitos e engolem grandes camelos. Servem a um deus que em nada, com sorte bem pouco, tem do Deus revelado em Jesus Cristo.

    Sim, o Deus dos teólogos-poetas citados é diferente do vosso. E a conta é simples: enquanto o Deus deles é o revelado em Jesus, o vosso é o sistematizado pela teologia alicerçada em toscas filosofias.

    Quanto medo em serem envolvidos numa mesma matéria, hein. Curiosamente isso não acontece na outra parte. Mas o Deus deles jamais lhes fechará as portas de seu amor imutável.

    O que lamento é ver que vossos absolutos mataram muita gente e continuarão matando. Salve-se quem puder!

  16. Tanto o homem quanto a mulher foram criados à imagem e semelhança de Deus.

    Como grupos, os homens talvez reflitam mais algumas qualidades divinas e as mulheres reflitam mais outras qualidades.

    Mas cada um de nós é um indivíduo singular que reflete essa imagem e semelhança de forma única.

    A característica "afeminado" é diferente de "feminino". Um afeminado é um indivíduo que perdeu as qualidades masculinas e apenas plagia as qualidades femininas sem tê-las de fato.

    Em vez de dizer que Deus possui qualidades femininas, o mais adequado é dizer que as mulheres possuem qualidades divinas.

    * * *

  17. O Catecismo Universal de Westminster definiu:

    Deus é Espírito, Eterno, Infinito e Imutável em Seu Ser,
    Sabedoria,
    Poder,
    Santidade,
    Justiça,
    Bondade e
    Verdade.

    Com o infeliz texto aludido, os Teólogos incorreram na Tragédia Líterária de adjetivá-lo pelo menos como:

    Incapaz,
    Efadado,
    Desesperado,
    Impreciso,
    Imperfeito.

    Nada mais sombrio. Nenhum Poema, por melhor que sejam as intenções, justifica tal Babárie. Todavia, como a Misericórdia triunfa no Juízo, Oremos na esperança que o autor reconsidere e corrija este embaraço Poético-teológico.

  18. Perfeito Leonardo, seu texto não precisa de acréscimos pra descrever o que eu sinto ao ler as escrituras e comparar com esse outro 'deus' apresentado nessas tão novas velhas teologias.

    Hoje, meditando em Isaías 45 (que é de fonte de onde Paulo tira, expande e demonstra a graça soberano de Romanos 9) fiquei profundamente aterrorizado com aquilo que tais teólogos querem fazer com o Deus único e Verdadeiro.

    A batalha é dupla mas não podemos nos cansar, é a glória Dele que buscamos.

    Fica na Paz, abração.

  19. Idéias e conceitos devem ser debatidos à luz da palavra de Deus e dos princípios de hermenêutica e da lógica racional. Em todos os aspectos a pregação do Pr. Gondim esteriotipada como "teologia relacional", apresenta-se mais sensata e bíblica do que à dos que defendem cegamente a teologia da predestinação, que apresenta um Deus Soberano, poderoso, mas autoritário e extremamente injusto.
    Os nossos teólogos deveriam discutir mais alguns temas de relevância e reflexão para contribuir com o debate e o crescimento do conhecimento de Cristo, ao invés de decretar opiniões abalizadas em uma teologia que também é questionável.
    Deus é Senhor e Salvador, busquemos a unidade no Corpo de Cristo contra a teologia da prosperidade e demais aberrações morais. Que venhamos a ser mais "Jerônimo" do que "Calvino".

    Johnn R. Moreira (www.johnn.com.br).

  20. Eu até achei que estava surgindo lideres que realmente estava indo pelo caminho verdadeiro onde se tem palavra pura do Senhor Jesus e seu evangelho, mas estou vendo que vem ai mas engano. Como disse os servos,o Jesus e o evangelho que conheço nao tem nada haver com esses bla,bla, blas. Temos mesmo é que está com a palavra e a revelação que vem diretamente do Espirito Santo,com fé e santificação e obediencia e renovando a nossa mente em Jesus Cristo chegando até Ele, assim conheceremos verdadeiramente aquele que serve e o que nao serve e faremos a diferença entre eles.
    Olhemos para o nosso Senhor que é o autor e consumador da nossa fé. E deixemos todos esses inventadores de historias, pois a porta é estreita e poucos passarão por ela.

  21. Lívia

    Às vezes… acho que só às vezes, confundimos o Amor de Deus (que é o próprio Deus, assim como a Justiça, a Verdade etc) com o "amor" humano.

    O homem para amar, necessariamente precisaria ceder (o que nem sempre acontece no amor humano). Deus, também demonstrou isso, quando esmagou Jesus na Cruz. O cálice que Jesus bebeu (e nenhum de nós seria capaz de provar), mostrou o Seu Grande Amor… revelado na Cruz, vergonhosa cruz onde hoje nos gloriamos.

    Mas Deus não cede. Deus não muda os seus designios pelo homem. Deus não mudou Sua natureza pelo homem. Ele é e sempre será. Ainda como homem ele era Deus… por isso mesmo não pecou. Ele podia o que nenhum homem pode.

    Adjetivar Deus de despota, não é nenhum equívoco, embora o termo esteja ultrapassado na sociedade ocidental. Assim como ser escravo… é odiendo chamar alguém de escravo, mas é assim que Paulo se descreve.. e para a escravidão à Verdade que ele convida as igrejas em suas cartas.

    Existe uma aversão natural no homem de não aceitar que Deus se Ira, por exemplo. Então deveríamos suprimir os primeiros capítulos de Romanos… o livro de Apocalipse?

    Por este mesmo motivo, atrás desse Deus que se "arrepende", que os pastores da teologia liberal extinguiram o inferno. E o céu… bem, ele pode ser aqu na terra… bem semelhante a teolgoia da prosperidade… bem semelhante.

    Deus não é homem para sentir como homem. Mas Ele é conhecedor de nossa estrutura. O problema dessa teologia não é dizer que "Deus é Amor" (de fato ele é) é dizer que Deus ama como nós humanos amamos… cheio de dúvidas e incertezas.

  22. Eu escuto com frequencia os cultos da IBAB, e nao vejo o pastor Ed colocando um Deus frágil e inerte, muito pelo contrário, vejo ele colocando um Deus todo poderoso que nao se rende a caprichos humanos, a barganhas e coisas do genero.
    Mas… casa um cada um, concordo com o Leonardo que Jesus nao era um mocinho bonzinho de palavra doce, mas sim o que falava toda a verdade, entrava em templos, chama va hipocrita na cara, cada vez que leio os evangelhos mais força vejo Nesse que tomou para si todos os pecados, para q todos aqueles que nele crer tenham vida e vida em abundância…

    Amar é isso…. paz

  23. O Catecismo Universal de Westminster definiu:

    Deus é Espírito, Eterno, Infinito e Imutável em Seu Ser,
    Sabedoria,
    Poder,
    Santidade,
    Justiça,
    Bondade e
    Verdade.

    Com o infeliz texto aludido, os Teólogos incorreram na Tragédia Líterária de adjetivá-lo pelo menos como:

    Incapaz,
    Efadado,
    Desesperado,
    Impreciso,
    Imperfeito.

    Nada mais sombrio. Nenhum Poema, por melhor que sejam as intenções, justifica tal Babárie. Todavia, como a Misericórdia triunfa no Juízo, Oremos na esperança que o autor reconsidere e corrija este embaraço Poético-teológico. [2]

  24. Post Interessante Leo!

    Alguns pontos interessantes que eu gostaria de destacar, opiniões minhas:

    – Quanto a questão de justiça e amor estarem em níveis diferentes, discordo, pois como é dito em João 3:16, o amor é o motivo pelo qual Deus enviou a Jesus. Amor ao pecador, ao pobre pelo espírito, etc.

    – A idéia de soberania de Deus é algo bem, mas bem complexo de se analisar (chega a ser meio óbvia essa colocação!). Por que? Por que se por um lado achamos que Deus predeterminou os salvos antes inclusive do próprio nascimento dos mesmos, temos então a concepção de "deus" bem sádico, que não dá chance alguma para aqueles que estão condenados de antemão, de verem a Deus e a Cristo, e pior ainda, nesse cenário teríamos um "Céu" (coloquei entre aspas pq não consigo chamar isso de Céu) onde pessoas por amor aqueles que estão condenados por exemplo, membros familiares, viveriam um sofrimento sem tamanho, pq nunca poderiam ser salvas. Esse "Céu" seria uma baita de um Inferno e numa outra hipótese, poderiamos ter até um "Céu" de futuros egoístas. Num cenário desses, nada justificaria a vinda do Senhor Jesus Cristo: Se os que morreram antes de Jesus já estavam predestinados, que diferença fez Ele ter vindo???

    -Sim! Deus está no comando, disso não tenhamos dúvida! mas tbm não podemos afirmar de forma até mesmo lógica, que não passamos de marionetes, ventríloquos.

    – Jesus chicoteou os vendilhões do templo justamente pela justiça, idem para o caso da prostituta, é preciso muito, mais muito discernimento (analisando principalmente o contexto da ) e acima de tudo, muito amor!!

    Bem é isso, depois escrevo mais!

    Concordo plenamente com vc parafrasenado Voltaire: "Nao concordo com o que dizes, mas defendo o teu direito de dizer".

    A Paz do Senhor!

  25. Mano Daniel,

    Vamos fazer o seguinte? Que tal discutimos aqui a seguinte questao:

    – Deus é perfeito ou imperfeito?

    – A teologia relacional diminui Deus de seus atributos?

    – É possivel dizer que os teólogos abertos servem ao mesmo Deus da bíblia, ou estes caras estao indo na contra-mao do cristianismo?

    Com respeito à Soberania, nao creio que seja difícil entendê-la; penso – isso sim – que é dificil para o homem aceitá-la, o que é muito diferente.

    A soberania de Deus só é incoerente quando lemos a bíblia com lentes antropocêntricas.

    Até mais!

    Leonardo.

  26. Olá,

    Já ouvi diversas (e não poucas) pregações do Pr. Ed Rene Kvitz, e por isso não consigo encaixá-lo nesse texto. Como todo teólogo, ele também não unanimidade, porém é uma das mentes mais lúcidas no meio cristão.

    Muito estranho isso para mim.

    Abraços,

  27. Esse deuzinho parece com aquele que esses lideres meia-boca servem idolatrando e pedindo aos fíeis trazerem fotos de entes queridos ou pessoas para orarem. Ou seja, elezinho não conhece aqueles necessitados pelo nome, precisa de uma foto para saber quem são.

  28. Daniel,

    Como eu disse ao Leonardo eu compreendo perfeitamente a posição dos que discordaram de mim, mas sigo acreditando que despotismo e o sacrifício de cruz não combinam dentro da mesma personalidade.

    Não consigo imaginar o Deus do velho testamento, pausa para o Jesus envergonhado na cruz (envergonhado sim, porque recebia a vergonha que era nossa) e a volta para o Deus do velho testamento que prefere ser justo a amar.

    não quero anular os conceitos de pecado ou de inferno, mas também não consigo conceber um Deus com "sede de justiça", não consigo imaginar Deus se alegrando com a justiça ao ver uma pessoa indo para o inferno, só porque isso faz parte do seu poder ou da sua santidade.

    O que eu quero dizer é que,acredito que para Deus entre defender a sua justiça e defender o seu amor, Ele vai defender o seu amor. Isso influencia não somente no resultado final céu/inferno, mas no processo em que Deus se relaciona com o homem.

    Se Deus preferisse a justiça ao amor, nunca teria tomado a iniciativa no meu relacionamento com Ele, porque Ele me amou enquanto eu ainda não merecia e eu sei que jamais seria capaz de nada para atrair sua presença para minha vida. Minha justiça perante a Dele não são senão trapos da imundícia, se eu fosse contar com isso para me relacionar com Ele, nunca conseguiria.

    Penso que poderia orar, jejuar, doar todos os meus bens, evitar o pecado, mas jamais chegaria perto da justiça de Deus. Por isso não conto com sua justiça e com seu poder, conto com seu amor.

    mas, como faço questão de frisar, é a minha opinião.

    agradeço a todos que discordaram de mim de forma tão gentil, coisa tão rara de se ver nos fóruns de discussão entre evangélicos, infelizmente.

  29. Lendo um post do blog do Ed René sobre as vontade de Deus, sinceramente não vi nada de mais, mas o que mais gostei mesmo foi de um comentário de um cara (por sinal meu chará)que diz:

    Daniel said…
    Tenho desenvolvido ultimamente um preconceito com a teologia, pois percebo que não dá pra dissecar Deus nem mesmo a Sua Vontade.
    Penso que poderíamos ficar com o simples fato de que Deus é Soberano e que Ele decide como quer…
    Abraço Ed,
    Daniel
    http://danielbedhung.blogspot.com/
    6:36 PM

    o texto que li esta aqui: http://outraespiritualidade.blogspot.com/2007/03/as-vontades-de-deus.html

    Fiquem na PAZ do Senhor

  30. Caro Leonardo, Graça e Paz

    Respeito sua opinião citando o mesmo Voltaire: "Nao concordo com o que dizes, mas defendo o teu direito de dizer".

    Acredito que é meio precipitado rotular homens que estão há anos pensando sua espiritualidade em meia duzia de frases. Eu acompanho muito de perto há algum tempo o trabalho dos pastores Gondim e Kivitz, e discordo em muitos aspectos dos estereótipos do seu texto.

    Não estou dizendo que sou um cego seguindo a teologia deles, mas acho relevante grande parte do que eles falam. Não podemos sair atirando, buscando respostas absolutas dobre Deus, pois sempre tentamos "compara-lo" a nossa condição humana.

    Creio num Deus onipotente, onisciente e onipresente, soberano, mas que me cativou pelo seu amor. Acredito que enquanto humanos pensamos em onipotencia como força do braço, mas acho que a força da onipotencia de Deus está no amor, e eu particularmente não consigo enxergar amor com coação, principelmente vindo da parte de Deus. Como

    Acredito que trilhamos um caminho, e nunca teremos respostas definitivas, pois como disse Paul Tilich "Deus está para além de Deus" e é muito dificil, nós que conhecemos só a periferia da sua soberania, sistematiza-lo a nossas teologias, a unica coisa que temos certeza foi o que vimos corporalmente em Jesus, e esta faceta é de amor, perdão, esvaziamento para estar próximo aos homens, a ponto de morrer pela salvação deles.

    parabéns pelo seu blog… é minha leitura diária obrigatória

    Flavio Alcantara
    http://www.stayfreak.com

  31. John… refere-se a sua justiça quando diz que vemos um Deus injusto certo?

    Pois bem meu caro… sua justiça (e a minha também) não é nada mais que um trapo imundo.

    Estou certo ou errado?

    A Bíblia está certa ou errada?

  32. Flávio,

    Sabe o que é engraçado? É que eu duvido que algum de vocês, comentaristas inteligentes qie sao, parariam para ouvir o Edir Macedo, acrescentando ao final, para justificar-se: "Não estou dizendo que sou um cego seguindo a teologia deles, mas acho relevante grande parte do que eles falam"

    A impressao que tenho é que a Teologia da Prosperidade é pior que o Teísmo Aberto. O pior é que nao é. Como disse o rev. Augustus Nicodemus, sao teologias irmas… No fim das contas, ambas reduzem a Deus e terminam por fabricar um deus à sua imagem e semelhança. Um deus pequeno e humano…

  33. Eu sempre ficava fascinado com este "Deus de glória", ate que entendi que isso, Deus não precisa ficar mostrando, tentando se impor assim. Prefiro destacar o que me privaram durante muito tempo: O emanuel, o Deus conosco, que abriu mão de sua gloria para estar entre nós.
    E por falar em glória, muitos cristãos, principalmente os pentecostais não sabem o que significa gloria de Deus, e acho que voces sabem bem do que estou falando.

  34. Livia,

    Déspota (palavra do nosso idioma) foi uma ironia fina que usei. A palavra realmente nao aparece em nossas traduçoes portuguesas, mas sua equivalente grega aparece em alguns textos do NT, comumente traduzida por soberano, como por exemplo:

    Em Judas 1.4, Jesus é chamado de Soberano e Senhor (gr. despotes kai kyrios)

    Em Apocalipse 6.10, ele é chamado de Santo Dominador (gr. despotes ho hagios). Um "déspota" santo? Diz se nao é uma ironia fina?… rs

    Legal, né? =)

    Abraçao para ti. E obrigado por discordar de mim com respeito e consideraçao. É assim mesmo que deve ser.

    Fique na paz do Soberano Senhor;

    Leonardo.

  35. Livia,

    Você tem um ponto de vista bastante interessante:

    "o Deus do velho testamento que prefere ser justo a amar."

    Livia, nem eu, também não vi o Leonardo defender isso em seu texto e creio, não defende isso na sua vida.

    Deus ter preferência a uma coisa em detrimento de outra.

    O Deus do Velho Testamento é o Deus de Davi. Um Deus que ama o seu povo… não um Deus vingativo e injusto, esse é o argumento dos ateus contra a Bíblia e contra o Evangelho, acusando de ser um livro sanguinário e de uma religião opressora.

    O homem sim, e por isso escrevi que temos a tendência em ver Deus como nós nos vemos… o homem sim põe prefere uma coisa a outra.

    Deus não prefere amar a ser justo. Deus não prefere seu justo a amar. Deus não prefere ser verdade a se irar. Ele não prefere uma coisa em detrimento de outra.

    Ele é amor. Ele é Justiça. Ele é Verdade. Ele É.

    Uma coisa não diminui a outra ou vice-versa. Deus não é menos justiça por amar mais. O amor de Deus e sua Justiça não podem ser mensurados.

    Quando Deus Salva alguem Ele está praticando Sua Justiça e Seu Amor. Quando Deus condena alguém ao inferno, pasme. Ele está praticando Sua Justiça e Seu Amor.

    Deus não pode mentir. Deus não pode ir contra sua natureza. Está na Palavra não é uma hipótese levantada por mim.

    Eu não consigo crer que Deus ao praticar Justiça não esteja praticando em mesma intensidade (infinita intensidade) Seu Amor… pois isso não é um "atributo" dele… é Ele.

    A Palavra não afirma que Deus "tem" amor, mas que Ele é o próprio Amor. O mesmo quanto a Justiça. Ele é Justiça.

    Deus não se comporta como os homens. Não há sombra de dúvida em Deus. Seus eleitos foram escolhidos antes mesmo que pecassem, aqueles que são condenados, recebem o justo juízo de Deus. Quer maior prova de amor e justiça que essa?

    Veja, como um outro "Daniel" escreveu nestes comentários, e o Leonardo respondeu: É difícil ao homem aceitar a Soberania de Deus. Dessa forma, para nos igualarmos (sim essa é nossa intenção, Eva pensou e desejou a mesma coisa) queremos ser igual a Deus, ou não foi isso que a serpente ofereceu a Eva quando mostrou-lhe o fruto? Como não podemos se iguais, pelo menos que Ele fique mais parecido conosco. Limitado, confuso, carente de atenção etc.

    Queria discordar apenas disso. Eu não disse que Deus prefere amar a ser justo ou vice-versa. Tenho gravado no meu coração uma única verdade. Ele é tão Justiça quanto Amor.

  36. Chega a ser cômico esse texto do Elienai. Nós NÃO sabemos o que é a perfeição, como ousaríamos dizer que ela é entediante! Isso é fantasia popular, que diz que o inferno é mais animado que o céu.

    E para quem vê diferença entre o Deus do VT e o do NT, que leia Romanos e entenda o plano de Deus! A Bíblia diz que Deus colocou todos sob a desobediência para que com todos pudesse usar de misericórdia. Israel não era fim em si mesmo, mais meio para que toda a humanidade pudesse receber a revelação do Salvador e ser julgada por ela.

  37. Daniel,

    Só para encerrar a minha participação neste post, quero esclarecer que eu acredito sim que Deus é justiça, é santidade e é amor.

    Quando digo sobre justiça x amor, não digo quanto ao que Deus é, mas que que Deus aplica ao se relacionar com o homem.

    Eu sei que Deus é justo e sei que apesar dos meus esforços jamais chegaria a um nada próximo da justiça de Deus.

    Então penso que Deus continua sendo justo em sua pessoa, mas não é a sua justiça que Ele aplica ao homem, pois se fosse esse o critério acho que ninguém passaria no teste.

    não se trata de quem Deus é, mas como Deus se relaciona e acredito ser essa a linha de pensamento dos pastores apontados.

    Deus é justo, é forte e poderoso como sempre foi e como sempre continuará sendo, mas para poder se relacionar com o homem o fator preponderante é o seu amor, que nos permite o relacionamento com um Deus justo, perante o qual nossa justiça nada vale.

    Não sei se me fiz entender, mas só para esclarecer que não acredito em um Deus instável que pode ser uma coisa só, em detrimento de outras.

    abraço a todos

  38. A arrogância sempre fez parte daqueles que se fazem "teólogos" de "escola",enaltecendo a erudição e abandonando o verdadeiro encontro com Deus. Não quero aqui de maneira nenhuma menosprezar o conhecimento;acho essencial o estudo sobre as questões filosóficas, desde que não venha sobrepujar as verdades bíblicas. Uma das verdades bíblicas é que Deus é age em através do amor, mas tembém é fogo consumidor. Talvez a história fatídica do TITANIC deixou bem claro, quando "brinca-se" com Deus.
    Meramente teólogos de uma nova espiritualidade,ventos de doutrinas,teosóficos de plantão…seja qual for o nome, já foram preditos e são eufemismos de HERESIAS E APOSTASIAS.

  39. Como em todas as épocas ao longo da história humana, esta nova maneira de abordagem da relação com o sagrado é própria de nossa contemporaneidade, por isso considero-a legítima, assim como todas as outras também o foram para o seu tempo. E discordo, do Leonardo sobre o dizer que isso é "mais do mesmo". Pelo contrário, acredito que isso é, necessariamente, algo revolucionário para o futuro da Teologia. pois, esta sim, parece (até agora) repetir esse “mais do mesmo” , que desde o século XVI vem precisando, não apenas de uma simples reformazinha, mas sim de uma completa transmutação.

    E só para concluir: “ Desconfio que o nosso olhar teimoso ao passado ainda nos converterá em estátuas”. E em alguns casos, tenho quase certeza, que isso já aconteceu.

    um abraço a todos!
    http://www.hemorragiadesentidos.com.br

  40. Não concordo com o texto. É intolerante no sentido de considerar tudo e todo o contexto de outros como errados e hereges tomando como base apenas uma parte de seus valores. As vezes o pessoal do púlpito cristão exagera em sua defesa da fé, mas nem por isso podemos acusá-los de serem TODO errado.
    Eu só acho que tem coisas que são apenas costumes e valores que variam de igreja para igreja, mas não significa que não são nossos irmãos, que são do maligno ou que não são salvos. É um tipo juízo que não nos cabe.
    É como se condenássemos os cristão da Deus é amor, pelos seus costumes estranhos, ou por acharem que se Jesus voltar enquanto estão tomando banho nús, ficarão.

    Lembre-se de filipenses 1:15:

    "Alguns, efetivamente, proclamam a Cristo por inveja e porfia; outros, porém, o fazem de boa vontade;
    estes, por amor, sabendo que estou incumbido da defesa do evangelho;
    aqueles, contudo, pregam a Cristo, por discórdia, insinceramente, julgando suscitar tribulação às minhas cadeias.
    Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado, quer por pretexto, quer por verdade, também com isto me regozijo, sim, sempre me regozijarei."

    Alex Martins
    http://alexmartins1.blogspot.com/

  41. Graça e Paz!
    Já ouvi várias pregações do Pastor Ed Renê Kvitz, que podem ser baixadas do site da IBAB e apenas duas ou três de Ricardo Gondim, já Elienai Cabral Júnior, se quer conheço. Sobre a transcrição do Elienai Cabral Jr., no começo do post, não gostei, achei apenas poético mas sem conteúdo. Mas o que penso ou deixo de pensar é problema meu. Como você, enquanto blogueiro se classifica, já que sitou Ricardo Gondim, Ed Renê Kvitz e Elienai Cabral, como “os arautos deste novo cristianismo”, como “profetas da burguesia”, já que os blogueiros também destilam toda sorte de impropérios contra os pregadores da prosperidade, dos carrões e mansões e, também dessa forma ganham adeptos em seus blogs daqueles que como você mesmo diz, “noutro tempo padeceram debaixo das garras malignas dos marajás do evangelho”. Podemos realmente afirmar que eles são serpentes traiçoeiras, que minam a base do cristianismo histórico, e roubam a glória e majestade de Deus?Falando especificamente do Pr. Ed Renê, não posso concordar com o texto, sei que o mesmo não precisa que eu advogue por ele, mas ouvindo-o nunca percebi um deusinho, assim no diminutivo e com “d” minúsculo, ou a negação de sua soberania, ou ainda, um “deus trapalhão e afeminado”, nas suas pregações. Não sou nenhum expert em teologia, nem em doutrina, hermenêutica, essas coisas mas, sinceramente, não percebo essa destituição do poder soberano de Deus. Como uma leitora comentou, eu também percebo no discurso do pastor Ed Renê que Deus é maior, muito maior que a nossa compreensão e, tentar quantifica-lo, mensura-lo é ridículo. Deus não é propriedade privada dos crentes. Não podemos agir como se nós tivéssemos o direito, e Ele o dever de atender nossos desejos, de atentar para nossas crises de identidade. Sou evangélico e frequento uma igreja tradicional, mas ouço Ed Renê Kvitz, leio e ouço Caio Fábio, Neil Barreto e outros mais, não os vejo como subversivos, também, não deixei de frequentar cultos, de entender o dízimo, de ter comunhão com todos quanto possível. Só fiquei, acredito, mais seletivo, mais crítico, mais perceptivo em relação a igreja. Para mim, me fez e faz bem ouvi-los. Entendo, que a Igreja como foi instituída, a Igreja Primitiva, é uma utopia. Quantos de nós venderiam tudo que tem, e levariam ao altar para que todos tivessem igualmente tudo? Nenhum! Na igreja, assim mesmo com “i”, existe sim é muita hipocrisia, muita picuinha, muita vaidade. Felizmente, não são todos. Na verdade, somos uma miséria, mas pensamos ser muito importantes. Mas pela Graça, somos perdoados e sarados. Então, demos graças, a Graça de Deus e de seu Filho, Jesus por nós. Amém.

  42. Sempre ouvi mestres expressivos em teologia dizerem o seguinte: Quando não há mais nada para se falar em termos de uma verdadeira teologia. parte-se imediatamente para a heresia!
    È o caso!

  43. Que Deus é esse que, no desespero, foge do absoluto e torna-se imperfeito?

    Apenas para ficar na mesma tese, teria ele agora capacidade de voltar à perfeição? Se tem, não deixou de ser absoluto. E se é capaz de tornar-se imperfeito (falo somente em tese) é porque ele é também absoluto.

    Veja o paradoxo que esses "novos evangélicos" pretendem impor como verdade entre nós. É absoluto, mas não é, mas acaba sendo absoluto. Entendeu?

    Abraços!

  44. Caro Leonardo,

    Admiro bastante o legado de João Calvino. Foi muito pertinente em sua época ao falar da Graça divina no contexto de seus compatriotas. Mas, na verdade, a maioria dos fundamentalistas são calvinistas (um que conheço que não é, chama-se Ricardo Quadros Gouvêa). Os fundamentalistas acham que somente eles estão certos. A sua comparação de que Ricardo Gondim, Ed René Kvitiz e Elienai Cabral Jr. Com Edir Macedo, Waldemiro Santiago e Estêvam Hernandes, é no mínimo, ridícula. Ou você não sabe interpretar nada (o que não acho de você) ou você, utilizando de declaração pueris de Augustus Nicodemos, quer legitimar seu argumento à força.

    Na verdade, sempre haverá os fundamentalistas enfatizando a Justiça divina, externando indiferença para com os “não eleitos” e os não fundamentalistas (como eu), enfatizando o Amor divino, ênfase que mais se aproxima de Jesus de Nazaré, descrita nos Evangelhos.

    Re-enfatizo a comparação ridícula entre Gondim, Kivitz e Cabral Jr. Com Macedo, Santiago e Hernandes. Que comparação paradoxal!

    Salvação e caráter em Cristo Jesus.

  45. A Paz do Senhor Mano Leonardo!

    Perfeito o Seu texto, e com 100% de base bíblica, estava esperando um texto sobre esse assunto a alguns dias.
    Hoje voltando do trabalho estava ouvindo uma pregação de um dos criticados no post, o mais engraçado é a mistura que Eles fazem, o maneira que expressam as meias verdades, é bem poética com palavras finas e sutis, fico feliz de conseguir enxergar a verdade em meio essa nuvem densa de Vãs teologias.

    Fica na Paz!

  46. Léo,
    li o texto e todos os comentários até aqui.
    Há algum tempo tenho discutido o tema com o meu discipulador, desde que você fez um comentário no meu blog, que me despertou para algumas questões.

    Há muito tempo acompanho Ed René e Gondim e os respeito como pensadores. Nesse ponto não consigo compará-los com Edir Macedo, até porque não vejo dolo em suas considerações como vemos nos defensores da teologia da prosperidade e da confissão positiva e do vendilhões que mercadejam o Evangelho.

    Já como doutrinadores há ressalvas.

    Entre muitos pontos, incomoda demais essa dicotomia que o teismo aberto tenta fazer em Deus. De onde partem questões como a seguinte: "Se Ele é onipotente e não livra crianças de uma tsunami não é bom; Se é bom e não as livra então não é onipotente".
    Isso é reducionismo puro (trazer Deus aos limites humanos) onde utiliza-se do Jesus encarnado para justificar esse pensamento. É demais…
    Mesmo encarnado, Jesus não precisou de fé para fazer o que fez, como todos os outros mortais precisaram e precisam. Isso porque, Ele é, foi e sempre será divino, sem lacunas. (Jo 12:45)

    Ora, no campo filosófico pensar é livre e as conclusões são ímpíricas, (por isso os respeito como pensadores) no campo doutrinário não! A Bíblia conclui-se por si só e é absoluta afirmando que Ele é soberano e, por assim ser, não está sujeito a nada.

    Então, filosofo é filosofo e pastor é pastor! Entendo que em um determinado ponto essas atividade são excludentes.

    Para piorar tem o posicionamento entre auta-critica e baixa-critica, questionando se os textos bíblicos dizem exatamente o que está escrito neles e por isso precisariam de uma outra interpretação para filtrar o pensamento grego neles introduzidos. Aí pronto. Chega-se ao limbo, onde a Palavra não é bem a Palavra, Deus não é bem Deus e tudo pode ser relativo. Isso é filosofar, definitivamente não é pastorear.

    Obviamente, os pastores precisam fazer as pessoas pensarem, porém dentro daquilo que é o ensino bíblico e nele doutriná-las, más isso só será possível se a Palavra for tida por absoluta, tanto por quem ensina como por quem aprende.

    No Amado
    Ielton Isorro
    http://clamandonodeserto.blogspot.com/

  47. Antes de criticarmos alguem ou alguma coisa devemos no minimo conhecer o que estamos criticando. Ouça o programa reflexoes na radio 105,7 em São Paulo o programa da igreja Betesda e conhecerá os pensamentos sobre DEUS que o pastor Ricardo Gondim tem. depois sim critique-o.
    Comparar os pregadores da teologia da prosperidade com esses pastores é um crime, para não falara outra coisa.

  48. Marlon,

    "Ou você não sabe interpretar nada (o que não acho de você) ou você, utilizando de declaração pueris de Augustus Nicodemos, quer legitimar seu argumento à força" (sic)

    Ih, mano. Errou duas vezes! =)

    O texto é recauchutado, foi postado neste blog muito antes da matéria da Veja. Mas, se eu tiver que escolher entre a teologia reformada (Agostinho, Calvino, Supurgeon e o maior dos soteriologistas reformados: Jesus, hehe) e a teologia do desespero de Gondim e cia Ltda, fico com a primeira opçao. =)

    Agora, nao é de hoje que os seguidores das idéias profanas destes modernos "pensadores" vem tentando tumultuar o debate, fazendo parecer que é um debate do calvinismo contra os caras citados no texto. Na verdade, nao se trata simplesmente de "calvinismo" versus qualquer outra coisa, e sim de "evangelho versus heresia".

    Somente para voltar ao debate, deixa eu repetir as perguntas norteadoras que fiz lá em cima:

    – Deus é perfeito ou imperfeito? (se disser que é imperfeito, estará contra a Bíblia; se disser que é perfeito, estará contra o autor do texto)

    – A teologia relacional diminui Deus de seus atributos? (se disser que sim, vai se posicionar contra os "novos evangélicos" mencionados no texto; se disser que nao, vai ter muita dificuldade para se explicar)

    – É possivel dizer que os teólogos abertos servem ao mesmo Deus da bíblia, ou estes caras estao indo na contra-mao do cristianismo? (esta terceita é definitiva e vai definir de que lado você está)

    Espero que vocè nao se sinta ofendido, mas eu nao podia deixar de dizer estas coisas. Evangelho é coisa séria, e quando os caras começam a tumultuar o meio de campo, dimuir Deus para fazê-lo mais aceitável ao homem, aí véio; eu viro bicho!

    Grande abraço,

    Leonardo.

  49. Mano Léo

    Já deu pra ver que que o tema tá extremamente quente aqui (sei lá, mas alguma coisa me diz que isso é bom para ambos os lados!), sinto ventos positivos a respeito disso!

    Brother, vo responder suas perguntas e fazer algumas afirmações e, por que não, deixar algumas perguntas:

    – Deus é perfeito ou imperfeito?

    R: É meio obvio que a primeira opção é a correta (desculpa o sarcasmo!);

    – A teologia relacional diminui Deus de seus atributos?

    R: Se vc se refere ao Teísmo Aberto, que nega a onipresença, a onipotência e a onisciência de Deus, isso é um absurdo, a resposta é obviamente sim! Quanto a isso não há o que dialogar!

    – É possivel dizer que os teólogos abertos servem ao mesmo Deus da bíblia, ou estes caras estao indo na contra-mao do cristianismo?

    R: Precisa Responder? Nessas circunstâncias, podemos chamar isso de teologia (de "teo" isso ai não tem nada!)?

  50. Mano Daniel,

    Entao, estamos de pleno acordo. Quanto ao outro comentário (que falava de calvinismo, neoplatonismo, Agostinho e outras coisas), vamos deixar para falar disso nos tópicos que falam sobre calvinismo, ok?

    Abraçao,

    Leonardo.

  51. Acho interessante o fato de homens e mulheres terem a tendência de dizer que algo é "bobagem" por não se adequar aos conceitos em que inicialmente aprenderam. O que será que Ed René quer dizer com nova espiritualidade? Talvez seja interessante ler o livro por completo antes de argumentar de maneira tão rasa. Vou fazer isso, pois confesso, esse livro eu ainda não li. Aos "reformadores" de plantão vale lembrar que Lutero tinha dúvidas quanto a veracidade de alguns livros da bíblia, que vocês hoje defendem com unhas e dentes (e confesso, eu também). Que dizer de seu antissemitismo em seus últimos dias? Será que alguém aqui é antissemnita? Se não são vocês estão contrariando um reformador. Se o aprovam nessas coisas poderíamos dizer que estão longe do amor de Deus, MAS se não o aprovam então podemos afirmar que vocês também estão dizendo que o reformador se equivocou, aí surge mais uma pergunta: será que ele se equivocou em algo mais? E o que dizer da perseguição Calvinista aos padres franceses? Será que alguém aqui pensa que porquê não são reformadores então devem ser banidos da existência (a impressão de alguns comentários é essa, e lembrem-se de que o próprio Cristo disse que um assassinato não se limita ao ato). A impressão que eu tenho é que vocês se emocionam com videos de missionários sendo espancados em países opressores mas ao mesmo tempo TALVEZ sejam indiferentes ao mesmo trato com, por exemplo, os homossexuais nestas regiões.

    Abraço a todos,
    André_Hesed

  52. PAZ AOS AMADOS QUE DEFENDEM ASÃ DOUTRIA DE CRISATO TEMOS QUE LUTAR PELOS VALORES CONQUISTADOS PELONOSSOS NOBRES IRMÃOS DERAM SUA S VIDAS PELO EVANGELHO TAIS PREGAÇÕES É UMA AFRONTA IGREJA PRIMITIVA QUE DESPETAVA AIGREJA A ESPERAR AÕ SENHOR E BUSCAR COM DILIGENCIA ASALVAÇÃO BUSQUEMOS COM LAGRIMAS NOSSO CRISTO QUE CHORA ; QUE FIZERAM DO EVANGELHO. EVANGELISTA IRMÃO ADINAEL

  53. Caro Leonardo,

    Parafraseando você e a Voltare, sobre não concordar com o que você diz, mas em defender o direito de você dizer, sempre vou ver o seu jeito de falar do Evangelho meio equivocado, e você sempre vai achar o meu jeito de falar do Evangelho todo equivocado. No mais, se você me considerar um irmão ou não, fica de acordo com a seu critério ou teologia. Mas reitero que não me entra (e nunca me entrará) é de você e Nicodemos dizerem que Gondim e cia. são tão danosos quanto Macedo e cia. Isso, pra mim, é totalmente ridículo.

    Se você entender que sou cristão, fica na Paz!

    Abraços!

  54. é simplemente impressionante o que está acontecendo no Brasil: de um lado, os pregadores da prosperidade que estão em quase todos os lugares e com uma influência assustadora, do outro,pastores que até um tempo atrás julgava serem eles uma voz de defesa do evangelho. Onde vamos parar?? o que fazer diante desse quadro que não é nada animador??

  55. Prezados Pr. Daniel e Pr. Leonardo,
    Conheci o site agora, e gostei muito.
    Os comentários aqui mereciam um novo post.
    E que falar do comentário do Pr. Geremias? Como sempre foi sensacional!!!!
    Copiei algumas frases dos comentários:

    Jesus é chamado de Soberano e Senhor (gr. despotes kai kyrios)

    A visao da cruz, além de revelar o amor de Deus, revela também a dimensao da sua justiça e santidade.

    A visao do Cristo encarnado realmente revela amor, mas também revela a justiça de Deus, porquanto o castigo dos nossos pecados caiu sobre ele.

    O cálice que Jesus bebeu (e nenhum de nós seria capaz de provar), mostrou o Seu Grande Amor… revelado na Cruz, vergonhosa cruz onde hoje nos gloriamos.

    Existe uma aversão natural no homem de não aceitar que Deus se Ira, por exemplo. Então deveríamos suprimir os primeiros capítulos de Romanos… o livro de Apocalipse?

    Ele é amor. Ele é Justiça. Ele é Verdade. Ele É.

    Eu não consigo crer que Deus ao praticar Justiça não esteja praticando em mesma intensidade (infinita intensidade) Seu Amor… pois isso não é um "atributo" dele… é Ele.

    O homem para amar, necessariamente precisaria ceder (o que nem sempre acontece no amor humano).(…) Mas Deus não cede. Deus não muda os seus designios pelo homem. Deus não mudou Sua natureza pelo homem. Ele é e sempre será.

    Deus não prefere amar a ser justo. Deus não prefere seu justo a amar. Deus não prefere ser verdade a se irar. Ele não prefere uma coisa em detrimento de outra. (…) Ele é amor. Ele é Justiça. Ele é Verdade. Ele É.

    Uma coisa não diminui a outra ou vice-versa. Deus não é menos justiça por amar mais. O amor de Deus e sua Justiça não podem ser mensurados.

  56. Acredito que, de todas as características de Deus, a verdade é a mais relevante. Deus não mente. Se ele disse que nos ama. Ele nos ama. Se ele disse que é onipresente, onisciente e onipresente, ele é.
    Quem somos nós, seres humanos, vindos do pó, para duvidar do que Ele disse?
    Se não acreditamos no que ele disse, então ele mentiu. Desta forma, Ele não é santo. Se ele não é santo, então não é Deus. É deus.
    E se o problema é a Bíblia, por não termos certeza absoluta de quem escreveu e se as palavras escritas são realmente verdadeiras, então não temos fé.
    Mas, se termos fé, tudo é possível. Até mesmo que possamos crer em um Deus incompreensível, mas que nos ama com um amor compreensível. Quem sabe o amor seja a única linguagem pela qual Ele consegue se comunicar, de forma convincente, conosco (afinal, nem mesmo descer aqui e morrer numa cruz convenceu a todos).
    E se não entendemos perfeitamente o que ele disse, é óbvio que o que ele disse esta além de nossa compreensão.
    Neste caso, desliguemos nossos computadores e vamos às ruas, nos bairros mais pobres, onde a fome e o frio são reais e diários, e façamos o que Ele nos mandou fazer.
    Por enquanto é isso. Abraços.

  57. O erro está em querer explicar Deus em sua essência. É querer dizer o que se passa na mente de Deus, e o que o faz se relacionar conosco.

    Deus é onipotente, e mesmo que eu não defenda a predestinação da mesma forma que os calvinistas defendem, me recuso terminantemente a crer num deus que necessite de algo, que se veja perdido em questionamentos. Isso é heresia, quem quer que tenha falado tal coisa está falando uma grande heresia.

    Esse negócio de querer tornar a teologia uma "irmã" da filosofia é rídiculo. Não dá. Se abre mão de valores inegociáveis para se criar uma pseudo-ciência que acaba se tornando algo ridículo: nem teologia, nem ciência. Sobra um deus impotente que é digno de pena.

    Que o Eterno tenha misericórdia.

  58. Daniel Clós:

    O critério da Justiça de Deus não depende dos conceitos de uma corrente teológica, pois assim, os conceitos estariam atrelados ao pensamento dominante de tal posicionamento.

    A Justiça que falo não é pessoal, mas sim a justiça bíblica (Mateus 5:6).

  59. Não consigo entender missões em um contexto cristão altamente reformado e calvinista, mas isso é ponto pra outra discussão…
    Deus é totalmente soberano, concordo plenamente, conseguimos entender plenamente essa soberania, não de forma alguma, talvez o grande problema aqui, é que esses caras (Elienai Jr, Gondim e etc) assumem serem incapazes de entender plenamente a soberania de DEUS, pelo simples fato de que não é possível fazê-lo, somos humanos limitados a três dimensões não entenderemos a soberania de um DEUS eterno e infinito nesse corpo carnal e falível…
    O que podemos fazer é assumir o calvinismo, o arminianismo, ou qualquer outro ismo teológico com respeito a sua soberania e é na minha opinião um modelo que atende as nossas demandas e inquietações, sem de fato ser a resposta definitiva, são como modelos matemáticos que explicam um fenômeno sem de fato descrevê-lo na sua essencial realidade…(e que no fundo talvez, só talvez DEUS esteja mais preocupado com o q temos feito por tudo que ELE fez por nós do que por nossos ensaios teológicos)
    Fiquem na Paz!!

  60. Obscuro, generalizador e mal fundamentado
    "Mais amigos de Sartre do que Jesus de Nazaré". Que absurdo! Você não tem vergonha de sentenciar isso?

    Quem conhece ao menos um pouquinho desses pastores, sabe que eles nunca pretenderam apresentar um novo "deus" ou criar uma nova teologia, mas, basicamente, focar um relacionamento com Deus baseado no amor e na liberdade e lidar com a teologia como uma linguagem sobre Deus, portanto imperfeita.

    Deixo um trecho de um texto do Elienai Cabral Jr que demonstra que a proposta não é de redefinir Deus, mas sim procurar nos redefinir como cristãos.

    "Por que muitos reagem agressivamente à proposta de que Deus não espera nossa perfeição, mas tão somente nossa integridade? Porque se tirarmos a voz culpabilizadora de sua fé, ficam com uma fé muda. Sua reação escrupulosa revela a compreensão do que pregamos como uma ameaça à sua fé. Intimidam os olhos assustados e hostis. Cansa ver-se nos olhos de alguns religiosos como um inimigo de Deus. Iconoclasta.
    Mas não terá sido a mesma tensão vivenciada por Jesus?"

    http://elienaijr.wordpress.com/2009/10/01/o-reino-da-delicadeza/

    Obs: pertenço a uma igreja pentecostal que não tem relação alguma com esses pastores.

    Rodolfo.

  61. Rodolfo,

    Ninguém aqui está apregoando a perfeiçao do homem. O que defendemos é o contrário disso: "Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso".

    No entanto, ou o amigo ignora ou nao sabe interpretar textos, pois no artigo supracitado Elienai Cabral Jr. acaba de chamar DEUS de IMPERFEITO.

    Este é o mal dos anônimos: Nao leem, consequentemente nao entendem, e logo falam do que nao sabem.

    Graça, Paz e paciencia para todos nós! =)

    Leonardo.

  62. Ter uma "teologia correta" não significa que você conhece a Deus.

    É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha que um rico ir para o céu. É ainda mais fácil um elefante passar por essa agulha que uma pessoa com a teologia correta não ficar arrogante. Quantas pessoas você conhece que leram um livro de João Calvino e jogaram o livro como quem faz uma cesta no basquete, para depois fazer uma dancinha, como se tivessem algum mérito naquilo?
    Fonte: blog do Donald Miller
    http://bloaguiar.blogspot.com/2010/05/ter-uma-teologia-correta-nao-significa.html

    Leonardo,
    Você pode até conseguir alguns admiradores com seus comentários, mas com certeza perderá outros. Você tem se mostrado mais arrogante que esclarecedor.
    Um Abraço.
    Marcio

  63. O teismo aberto impregnado no texto da autora me remete ao velho e arcaico "panteon" onde lá, poderíamos encontrar o "deus da ora", ou seja, o "deus" que desejassemos para cada ocasião ou momento da vida.
    Tinhamos o deus da vingança (Aries); do sexo (Eros e Afridite); o deus da prosperidade (Hermes); da bondade e sedução (Zeus); a deusa do bom parto (Juno) e por ai vai.
    Deuses totalmente imperfeitos, com personalidades humanizadas em defeitos e qualidades.
    o teismo aberto tem um "deus" para cada momento, e cada qual imperfeito, falível, inseguro e confuso, tanto quanto os deuses da mitologia grego-romana.
    No fundo a mitologia cultuava os mesmos deuses do teismo aberto, deuses que se perfaziam e se perfazem em apenas uma entidade, que simboliza o culto a própria natureza humana.
    Esta é minha singela opinião.

  64. Márcio.. você parece ser adepto da idéia de que devemos pregar, comentar e falar somente o que agrada para não perder "admiradores".

    Não quero fazer uma defesa do Leonardo, ele não precisa disso. Quero apenas comentar seu comentário:

    Em que parte da Bíblia você leu a anedota do elefante e do teólogo?

    Quanto a João Calvino, eu qte faço a pergunta:

    Você já leu alguma coisa do João Calvino?

  65. Daniel, não acho que só devemos falar o que agrada, porém não sou adepto a pregradores que só sabem fazer acusações.

    Quanto ao que leio ou deixo de ler, desculpe mas não diz respeito a vc, não preciso firmar meus comentários mostrando quem leio.

    Só acho que não precisa ficar fazendo acusações para que a pessoa se converta.
    Eu por exemplo me converti aos 27 anos graças a pregações de pregadores como Ricardo Gondim, pois pregações como as suas sempre me afastaram do evangelho, nunca me achei merecedor de nada.

    Por isso glorifico a Jesus pelo seu sacrifício na cruz para nos salvar e não a Calvino por me dizer ser eleito ou não.

    Sei que sou neófito, como vcs dizem, mas a graça me alcançou e hoje posso dizer que o meu coração pertence Aquele que é Digno do todo Louvor e Adoração, Aquele cujo o Nome está acima de todo nome, e não há outro igual a Ele, meu Senhor e Salvador Jesus Cristo, quem me diz, onde estão os seus acusadores? Ninguém te condenou? Nem Eu te condeno, podes ir e não peques mais.

    Um Abraço;
    Marcio.

  66. Tão caótico o texto de Leonardo Gonçalves (?), são alguns comentários expressos por uma medíocre e rasa intelectualidade-espiritualidade, visivelmente fadados ao ateísmo religioso, em meias dúzias de palavras "chuchu com arroz", nos quais os mesmos que defendem a suposta "grandiosidade de Deus" tropeçam nas próprias pernas cauterizando-O por suas mentes minimalistas e de espírito inculto. Todavia quero “parabenizá-los” pela coragem de mostrarem suas caras, eternizando-as assim entre os que reduzem a Deus no que ouviram mitologicamente falar, de fato nunca O viram. Já dizia Jô…

    Abraços livres, pelo ardor de ter Deus como o grande libertador de mentes.

  67. É no http://www.dicionáriodoaurélio.com, é que o anonimo e o Ricardo devem copiar as palavras polidas para enfeitarem os comentários numa pseuda ostentação de intelectualidade, ainda que não entendam o que estão escrevendo.
    O anônimo,
    Na regra gramatical, quando se coloca a aspas (isto aqui ó ") e para evidenciar uma cacofonia intencional, como eu coloque "num sei meu"
    Tem que se desvencilhar do foco do post, porque não dá pra debater com essa gente que mal cruzou a linha do analfabetismo funcional.

  68. Como é?

    " se ao menos nenhum sequer tivesse entendido.(???????)"

    Rapaz, com esses erros absurdos de português, essa escrita gramatical capenga, aliada a uma concordância discordante, e por fim, suas idéias logosóficas altamente confusas, realmente, nem você se entende.
    Você não conseque coordenar suas "idéias" através da escrita, meu jovem.
    AH, você deve tá falando em "lingua estranha"!
    É isso, tá explicado.(kkkkkkk)
    Arrivederci, confuso e atormentado Ricardo!

  69. O primeiro comentário do Ricardo Leone, em que chama o texto do Leo de caótico, tem a arrogância característica dos ignorantes.
    Esse cara deve ser um menino, tanto na fé, quanto na idade.
    Bon voyage mesmo, (já vai tarde)
    Quando crescer volte.

  70. Esse texto realmente me incomoda.
    Fazendo uma releitura, à luz dos evangelhos, poderíamos reaproveitá-lo assim:

    DEUS DE TÃO PERFEITO conheceu a plenitude da imperfeição humana. De tão cercado dos adornos da perfeição e da indefectibilidade, atributos idênticos de si mesmo, capaz de dizer por que hoje não é apenas um reflexo de ontem, pois tendo planejado outro dia, enfadado com a previsibilidade de um mundo pecaminoso, inventou perdão para correição das imperfeições humanas. Ou seria, preferiu amar? Deus, que da absoluta perfeição, corrigiu o imperfeito, quando do imperfeito se fez PERFEITO, através de Cristo. Inventou-se certo entre os incertos. Aperfeiçoou a imperfeição humana. Humanizou-se entre humanos, não deixando a essência divina. De tão preciso, despido da fraqueza do relativismo, igualmente inapreensível, excepcionalmente forte, tão vivo e tão ressuscitado, descortinou o absoluto imperfeito como quem desnuda o que é mau. Perfeito, salvou-nos da nossa imperfeição."

    Ai, agora sim, tá OK!

  71. Cadê o Ricardo Leone?
    Tomou doril, sumiu?
    Não aguentou a galera do púlpito, né?
    Tá fazendo falta.
    Aquele adorável bufão…
    Queremos nos divertir, volta Ricardo, volta, volta, volta…
    Não liga pra esses anônimos não!
    Fala aí se gostou da minha releitura do texto do Elienai, revista e corrigida, à luz das escrituras sagradas.
    Não ficou muito melhor mano?

  72. Senhor moderador,

    Gostaria que se possível, retirasse meus comentários no quais me refiro a este texto. Não entendo porque tantos comentários a meu respeito sendo liberados pelo site, sendo que suponho eu, este não seja o grande alvo.

    Agradeço a compreensão e bom senso.

    PS: Favor não postar este no qual me dirijo.

  73. Meandro,

    Nao provoca o cara.

    Ricardo,

    Para de chorar.

    A todos,

    tentem combater mais o argumento e menos as pessoas. Vamos tentar manter a calma e o nível, até mesmo para assegurar o nível do tópico, que diga-se de passagem, tem se mostrado um dos mais relevantes.

    sem mais,

    Leonardo

  74. Ricardo, valeu, tô te adicionando.
    Apresento a você, publicamente, meu pedido de perdão. Tenho o traço da ironia muito aguçado, e um sangue quenta italiano que ferve numa boa discussão, embora seu primeiro comentário, você há de convir, tenha contribuído e acentuado a situação. (rsrsrsr)
    Fiz uma releitura do texto do Elienai, segundo a ótica cristológica tradicional.
    Se quiser, comente, a favor ou contra, desde que venha falar que meu comentário é caótica, que sou oriundo de uma intelectualidade rasa etc… senão, já viu né, começa tudo de novo…(KKKKK)
    Não me acho dono da razão, nem que todos tenham que concordar comigo, o que não precisa, Ricardo, é ser de uma critica acentuada em adjetivos pejorativos como seu primeiro comentário.
    Mesmo discordando, eu respeito suas opinições.

  75. Ainda aguardo você no msn…

    Bom quanto a sua releitura do texto, interessante, mas previsível. (É o que penso)

    Entretanto gosto, entendo e o decifro em sua forma original. Gosto precisamente como o Elienai cita a humanidade de Jesus. Humano como Ele só!

    Fico no aguardo para discutirmos este e outros assuntos.

    Forte abraço.

  76. Irmão Ricardo,
    Lhe assiste razão.
    A previsibilidade na releitura que fiz do texto foi intencional, porque as coisas de Deus devem ser simples e singelas, pois como já disse Leonardo Da Vinci -" A Simplicidade é a sofisticação máxima do complexo.":
    Me aguarde no MSN porque estou refazendo meu e-mail.
    Forte Abraço!

  77. Ola galera, bom achei o texto interresando e com bons argumentos, mas gostaria de dizer que o fato de homens como o gondim escrever que Deus se relaciona como uma mãe com o seu filho,nao fere em nd a palavra de Deus, pois Jesus se comparaou a uma mãe quando disse que queria ajuntar Israel como uma galinha ajunta seus pintinhos, a ortodoxia é importante, mas nao pode tirar o direito de nao concordarmos com o que os homens da reforma escreveram, afinal pq a teologia de lutero é a correta e nao a de calvino e vise-versa,basta ler outros escritos do gondim para ver que ele apenas se coloca como alguem que nao sabe tudo, mas como aqui todos tem suas plenas certezas como posso descordar de tao mentes brilhantes.

  78. Leonardo, o que dizes com este texto, torna as tuas atitudes como a do irm'ao mais velho, na parabola do filho prodigo… leo, Deus, emanuel, nao eh reabaixar a exelencia de Deus, mas mostrar o quanto ele nos ama, sendo imperfeitos, a verdade eh que Deus nos amou sendo lagartas, e nunca nos tornamos borboletas, ele sempre nos vera como lagartas, pois eh assim que ele nos amou,seus imperfeios filhos, assim criados por ele imperfeitos, inclinados a maldade.

  79. Todos tem a liberdade de opinar, mas não se esqueçam que esse liberdade traz consigo a responsabilidade pelo que se diz. Acompanho de perto o trabalho de Ed Rene Kivitz e sou leitor de Ricardo Gondim e não encontro neles o que foi dito aqui: uma fragilização de Deus. Conheçam antes de fazer críticas tão afiadas. Não se aproveitem do fato de que a internet nos deixa anônimos e "protegidos" para serem desrespeitosos. Não vamos, em nome de Deus, queimar nossos irmãos como "bruxas" na fogueira da intolerância e ignorância.

  80. Por algum motivo, não tolero que pessoas sejam mobilizadas a partir de paranóias. Vejo alguns religiosos descrevendo um cenário de horror enquanto procuram fazer dos homossexuais os vilões do futuro. Os homossexuais se tornaram os inimigos que devem ser abatidos. Tais religiosos não só confundem promiscuidade com relações homo-afetivas, como fazem de vidas humanas o belo motivo para alavancar projetos. Eles cavam trincheiras e demonizam pessoas reais, com dramas reais, só para fazer valer seus discursos.

    Enquanto isso, vejo inquidades vergonhosas nos bastidores do mundo religioso. Mas como algumas não resvalam na sexualidade, permanecem escondidinhas, intocadas. Não suporto testemunhar que Jesus de Nazaré é usado para promover empavonados, narcisistas, caça-hereges, ditadorzinhos de meia-taça, pseudo-teólogos, bispos sem báculo e os autopromovidos apóstolos.

    Não sou santo e nem poso de palmatória do mundo. De tanto errar, de tanto cegar os olhos para as minhas próprias conveniências dogmáticas e de tanto falar obviedades eu também acabei entorpecido por emocionalismos religiosos. Eu também fiz parte de rinhas políticas. Eu reproduzi uma piedade melosa. Entre pecadores, sempre fui o principal.

    Contudo, guardo esperança. Talvez eu melhore. Vou procurar o convívio de gente despretensiosa, que ama poesia, que ouve sabiás e bem-te-vis, que gosta de silêncio, que não vê diabo em cada esquina e que não vive a praticar alpinismo social em nome da democracia ou do sagrado.

    Por enquanto, estou de ressaca existencial, meio arredio. Preciso de um tempo…

    (ricardo gondim)

  81. Eu confesso que nunca li o Godim, nem o Kivitz, nem o Elienai. Mas não gosto quando o argumento generaliza demais, colocando todos num mesmo saco.

    Eu entendi o Godim. Segundo o comentário citado acima. O que está acontecendo no meio evangélico hoje é uma verdadeira palhaçada. Não preciso comentar.

    Diante de tais pastores legalistas e autoritarios. Que pela sua hipocrizia ficam na porta e não deixam os demais entrar. Que tem feito do evangelho da graça uma fonte de lucro. Que tem dado tanta preocupação as obras exteriores e aparentes ao invés de mudar o proprio coração. Que maqueiam um Deus comerciante que faz trocas com seus fiéis. Que se vende por seus serviços prestados.

    Pelo amor as pessoas desse mundo perdido é necessario e urgente voltarmos a falar da graça de Deus. Um Deus que se entrega por amor. Um Deus que não impoe, um deus que não está com a vara do juizo em sua mão. Mas um Deus ama e perdoa. Um Deus que não é distante, mas pessoal, que se tornou homem.

    Sim, e um Deus que tem sentimentos. Um Deus que chora, um Deus que sente o coração apertado pelos seus filhos. Um Deus santo, sem duvida, e perfeito. Mas também um Deus que esta chora pelo perdido. Que castiga o pecado, mas que deseja ardentemente que o pecados se arrependa para que possa sara-lo.

    Eu também ja cometi esse erro. Contra a severidade legalista de um deus punitivo e vingativo, corremos o risco de apresentar um deus que de tão proximo a nós humanos torna-se igual a nós: imperfeito e carente. O problema óbvio é que dessa forma ele deixa de ser Deus.

  82. Este texto do Leonardo é muito bom, apenas como crítica, porém não possui nenhuma pujança maior do que a teologia do lado de lá.

    Isto porque critica por critica, os dois lados empatam, pois a T. Aberta passou a existir exatamente como crítica à T. Ortodoxa ou Fundamentalista.

    Calvinismo? Hiii, nem entraremos no mérito, pois também como teologia tem lá suas críticas até hoje mal resolvidas, quanto mais resolver a dos outros. Arminianismo, melhor nem falar também… deixa que o Calvinismo dá conta. Teologias e mais teologias, todos com suas nauances, verdades e pré-verdades (se é que existe).

    Criticar algum posicionamento como errado dando adjetivo de filosofia – alguém pode me dizer alguma teologia nesta Terra que não tenha enxerto de filosofia? Se alguém me provar isto, deixo Jesus e me converto a esta teologia (mentira). Todas possuem filosofia, então não criticam teologias porque são filosóficas, muito menos critiquem filósofos porque fazem teologia, ou melhor, não criem antagonismo e binômios onde não existem, como se tivéssemos que pensar sempre dualisticamente.

    Sim, a crítica do Leonardo é uma boa crítica, mas apenas como crítica, não se revela melhor ou mais consistente só porque adota uma teologia ortodoxa como fundo de pano. Pois a mesma também merece críticas, seja qual for.

    Não… ser agressivo não é sinônimo de "virar bicho", esta expressão muitas vezes é mal utilizada. Alguém que acha que escolher "ser" agressivo é o mesmo que espontaneamente "ficar" agressivo está em uma trilha perigosa. Não provamos a verdade ou não validamos um crítica porque criticamos ferozmente alguém, muito menos porque diminuímos o caráter de quem quer que seja, muito menos porque fazemos alusão a mal caráter confesso com homens que, supostamente, erram em suas teologias querendo fazer o melhor para o próximo.
    Talvez alguma desavisado venha com o velho adágio dizendo: de boas intenções o inferno está cheio. Será mesmo que devemos aplicar isto a ferro e fogo? O que dirá então Pedro, de boa intenção defendeu a Cristo e foi acusado de falar como o "diabo", negou a Cristo, e depois de tantas boas intenções erradas se tornou grande líder cristãos.
    Não, não é a ferro e fogo que devemos usar tais adágios, pois os mesmos que defendem o fundamentalismo cristão, não se apoiem agora em adágios populares, muito menos confundam teologia com Verdade. É cair na mesma crítica antopocêntrica da qual se faz às tais teologias supostamente filosóficas pós-modernas.

    Façamos críticas sim, mas não achemos que as críticas por si mesmas se prestam à Verdade.
    Busquemos a Verdade sim, mas não pense que ela passa por cima do respeito e do bom senso.
    Defendamos os ensinos de Jesus sim, mas não esqueça de alguns deles como: tire a trave do seu próprio olho…

    No mais… críticas são sempre bem vindas, desde que visando o crescimento e não a destruição, olhando para o rebanho e não para a popularidade, como diz, também um adágio: não basta parecer, é preciso ser. Não queira parecer, seja de verdade um defensor da Verdade.

    Também não pense que da parte de cá há alguém ofendido, ao contrário, há alguém calejado de ver em face o surgimento de neos teologias, o surgimento simultâneo de neos-atalaias. Em tempo, quando um desaparece o outro vai junto.

    Abçs – ótimo blog, parabéns!

  83. Como dizia certo pensador:

    "Aqueles que acreditam apenas em algumas partes do Evangelho, não acreditam no Evangelho, mas em si mesmos".

    O que vejo, diante dos textos expostos são parcelas das Escrituras sendo apropriadas e outras sendo desprezadas, quando na verdade, deveriamos fazer de forma antagônica, apropriar-nos das Escrituras como um todo.

    Uma parte das Escrituras definem Deus como um ser soberano e irrefragável, outra parte expõe Deus, de forma amável e bondosa.

    Como diz Phillip Yancey: "Tem hora que Deus é um menino na manjedoura, com olhar doce e amigável, mas tem hora que ele é um Pai que dá ás costas pro Filho, quando o Filho está agonizando e pedindo ajuda".

    Essas duas faces de Deus são apresentadas na Bíblia, mas escolhemos apenas uma para nos apropriar, quando deveríamos lutar contra essa dimensão humana e recebermos as duas facetas de Deus.

    De outro modo, incorreremos no erro de Lúcifer, que foi capaz de crer no amor de Deus, quando este lhe fornecia tudo, mas não foi capaz de crer na ira e juízo de Deus, que lhe foi anunciada.

    Minha oração é que Deus nos tire do lamaçal do humanismo, onde se vêem todas as coisas e entes, apenas á partir da visão do homem caído e nos eleve ao cume do monte da sua revelação. Para que a gente passe a ver pessoas e entes, não como homens caídos, mas como filhos de Deus, que tendo saídos do Pai, podem dizer que conhecem o Pai.

    Gostei muito do Blog, parabéns!

    Por Favor visitem minha himilde casa na Web, serão bem vindos e deixem o comentário de vcs, ai vai o endereço:

    http://www.batepapopastoral.blogspot.com

    Pastor Henrique Regis

  84. Acho que vocês estão colocando todo mundo no mesmo barco e a generalização sempre é ruim!
    Outra coisa, não acho muito legal ficar provocando o Ed René Kvitz, com essa história de toda hora ficar citando "outra espiritualidade" ao longo do texto, só porque esse é o nome do site em que ele posta suas reflexões! Sei que você quis ser irônico, mas acho que não soou bem.

    O Éd Rene e o Ricardo Gondim tem pregações incríveis e são pastores que tem lutado contra toda essa papagaiada que tem aparecido por aí, disposta a manipular o povo de qualquer forma.
    Entretanto, sabemos que pelo fato de serem intelectuais, sua erudição acaba por influir em suas pregações, trazendo ideias e conceitos que, por vezes, acabam por alterar o significado original da mensagem.
    Mas convenhamos, por enquanto é algo que passa muito longe das pregações dos falsos profetas que temos visto por ai…

    E para finalizar, gostaria de dizer que essa foi uma boa crítica, porém concordo com a opinião do Fabiano Mina, qual teologia ou pregação que não esbarra em críticas e questionamentos?!
    Até você Leonardo Gonçalves, de tudo que você disse ou pregou para as pessoas durante todos esses anos, não há nada sobre Deus que você percebeu ser um conceito errado, e que mesmo assim você chegou a difundi-lo?!

    Por isso, estejamos de olho, sim, porém sempre enxergando a trave que está no nosso próprio olho!

    Que Deus continue te inspirando!
    Robson Mioto

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui