Pastores que trocam o ministério por cargos políticos

6
68
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Renato Vargens

Assine o Blesss
Bastam as eleições se aproximarem, que se torna absolutamente comum aparecer nos arraiais evangélicos, pastores afirmando que receberam um chamado especial da parte de Deus para se candidatar a algum cargo publico. Entretanto, a história recente do Brasil nos mostra que a chegada de políticos evangélicos a cargos públicos não tem feito diferença na ética política do país, isto porque, o universo político evangélico não constitui, uma referência ética à sociedade brasileira. Basta ver que, nos últimos anos, o envolvimento da maioria dos evangélicos com a política produziu mais males do que benefícios.

Lembro que certa feita enquanto oficializava uma cerimônia fúnebre, um destes “pseudos-politicos-cristãos”, solicitou-me uma pequena oportunidade para que publicamente pudesse demonstrar sua solidariedade à família enlutada, além obviamente de falar de sua candidatura à Câmara Municipal da Cidade. Fato que obviamente não permiti.

Em época de eleição é comum receber a solicitação de inúmeros pastores, os quais em nome de “Deus”, advogam a crença de que o Todo-Poderoso os convocou a uma missão hercúlea, a qual somente eles conseguirão viabilizar. Tais cidadãos fazem uso de chavões e de frases prontas do tipo: “Somos cabeça e não cauda”, “ A política brasileira precisa de homens de Deus”, e etc.

Ora, não acredito em messianismos utópicos, nem tampouco em pastores especiais, que trocaram o santo privilégio de ser pregador do evangelho eterno por um cargo público qualquer. Não estou com isso afirmando de que o crente em Jesus não pode jamais concorrer a um cargo público. Tenho convicção de que existem pessoas vocacionadas ao serviço público, as quais devem se dedicar com todo esmero a esta missão. No entanto, acredito que o fator preponderante a candidatura a um cargo qualquer, deve ser motivada pelo desejo de servir o povo e a nação, jamais fazendo do nome de Deus catapulta para sua projeção pessoal. Agora, se mesmo assim o pastor desejar candidatar-se, que deixe o pastorado, que não misture o santo ministério com o serviço público, que não barganhe a fé, nem tampouco confunda as ovelhas de Cristo com o gado marcado para o abate. Que não comercialize aqueles que o Senhor os confiou, nem tampouco se locuplete do nome de Deus a fim de atingir seus planos e objetivos.

Encerro este artigo lembrando do pastor Billy Graham que ao receber o convite para concorrer à presidência da República dos Estados Unidos da América, recusou dizendo: “Por acaso eu trocaria o Santo Ministério da Palavra de Deus por um cargo tão insignificante?”

Pois é, cara pálida. Ouso afirmar que infelizmente alguns dos nossos pastores ao contrário do Dr. Billy Grahan aceitariam o convite na hora.

***
Renato Vargens é escritor, pastor e articulista de vários sites, entre eles o Púlpito Cristao

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

6 COMENTÁRIOS

  1. Pastor Renato,

    Paz,

    Acho que o irmao esta se fazendo de bobo, ou sendo hipocrita. O Billy Graham, infelizmente, nao deve ser citado como exemplo de nada. Nao de hoje que ele envolvido com o ecumenismo. Ultimamente tem dado declaracoes desastrosas aqui nos Eua.

    Sinceramente eu nao entendo. Acho que essa parceria com o Ciro Zibordi ja comeca a faze-lo delirar.

    Reginaldo Felix

    Ministerio Voz que Clama no Deserto

  2. Paz!

    Muito bom o artigo!
    Infelizmente a grande maioria está tentando trocar a verdadeira autoridade (aquela que só adquirimos no relacionamento com Deus) por uma busca desenfreada por poder.

    Me parece muito com o pecado de Judá na época de Jeremias…
    Às vezes acho que o povo de Deus não aprende nunca.

    Pessoal, a Cruz basta, somente a Cruz, nada mais…

    Maranata!!!

    Abs,
    Vinicius Morais
    —-
    Visite: Refletindo a Graça
    http://refletindoagraca.blogspot.com/

  3. Acredito que existam irmãos capazes de lutar pelos menos favorecidos, por suas comunidades, por justiça, pela família, pela moral, por ética no Brasil. Na última eleição, votei em meu Pastor pra vereador. Pouco antes de oficializar sua candidatura, comunicou a igreja, em uma reunião só com os caseiros, como se diz, de sua decisão de concorrer. Jamais voltou a tocar no assunto política do púlpito e em momento algum forçou, ou constrangeu, algum irmão a votar nele. É uma pessoa integra, temente a Deus e que tem desejo de lutar por sua comunidade. Mas infelizmente pessoas desse naipe, não são o perfil que os eleitores brasileiros buscam para os representar. Não doou sacolões (nem doaria), não transportou eleitores (nem o faria), não fez falsas promessas, não deu dinheiro, não deu terno de camisas de futebol, não fez jantares, nem churrascadas. Ele só trabalhou para sua comunidade como líder e presidente de associações, como representante de bairro, de CPM de escola, reivindicou melhorias para sua região, não se conformou com migalhas. E o que recebeu? Se elegeu? Ele não se elegeu! Tenho certesa que mesmo que se elegesse, sua ética, seu amor, sua responsabilidade para com a Igreja, as ovelhas e o Evangelho em momento algum seriam abaladas. Mas pessoas assim, convenhamos, são raras. Talvez existam, mas está cada vez mais difícil de encontrá-las. Acredito também, que os honestos pelo menos na maioria, são vencidos pelo cansaço e, acabam deixando a vida partidária. Mas devem haver, precisamos que haja, bravos e heroicos que não se deixem vencer pela maré, pela correnteza, pelo cansaço. Infelizmente o que tem se sobressaído são os maus exemplos. Estou falando aqui, dos evangélicos em cargos eletivos. E não dos políticos em geral, dos quais não se espera quase nada, com raríssimas excessões. Mas temos que ter esperança e buscar, mesmo errando, transformar a realidade da política em nosso país. Por mais que pareça utópico.

  4. É do conhecimento de todos que existem conhecidos bispos e pastores que induzem suas ovelhas a votarem em politicos inescrupulosos sob pena de geladeira". Ovelha, a bíblia diz que vc tem árbitrio próprio. Pense que se aquele que te induz um homem realmente chamado, ele irá aconselhar sem te induzir e sem se corromper. Uma vez corrompido não é digno de crédito. Bispo, (vc sabe de quem falo), pregue apenas. Só pregue. Não fique enganando o povo de Deus que Ele não se agrada.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui