Onde o Diabo e Deus dão-se as mãos

9
443
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Avelar Jr.

Assine o Blesss
Uma noite, percorríamos o centro de minha cidade, quando passamos em frente a uma igreja neopentecostal da moda. Eu nunca havia entrado num templo neopentecostal, e, mais do que tudo nesta vida, continuo não tendo vontade de entrar em nenhum até o presente dia.

Ficamos então na porta do recinto eu e um amigo. Ele queria entrar, eu não. Devido ao impasse, ficamos fora, e uma obreira da igreja veio até nós e nos fez companhia. Ela foi bastante simpática e respondia às nossas perguntas, feitas com a falsa ignorância de duas mentes cínicas.

Depois de vermos muitos cacarecos vendáveis para satisfazer o coração fiel mais ingênuo, como cruzes de palito de picolé que protegem a casa contra as artimanhas do Diabo, vimos o pastor cantar um música que contrastava com o local, pois chamavam aquilo de “igreja”. Da música eu não me lembro muito, exceto que o pastor a tocava num teclado enquanto pulava de um pé para o outro (acho que aquilo para ele devia ser dança), e que a letra falava várias vezes que o “encosto” iria sair mas não citava a palavra cadeira. Não sei onde ele aprendeu a bizarra doxologia que entoava, se num terreiro, ou se era de sua péssima autoria mesmo, só sei que achei muito estranho alguém falar em demônios numa música enquanto dança alegremente num lugar chamado “igreja”.

Como se aquilo não fosse o bastante para uma noite só, houve exorcismo de “encostos”: claro, não podia deixar de haver… E eu perguntei à “obreira” aparentando realmente ter dúvidas: Por que os demônios se manifestam nas igrejas se sabem que vão ser expulsos? Não seria melhor ficar agindo calados para serem mais eficientes? E por que o pastor conversa com eles durante o culto?

A obreira virou-se para mim com simplicidade e ternura e disse: “Os demônios falam na igreja para exaltar o poder de Deus e engrandecer o evangelho, eles estão cooperando com a obra para que as pessoas conheçam a Deus”. E, impressinado com a resposta incoerente, eu repliquei: “Mas no caso, sendo um demônio, não deveria falar mentiras e ser contra o evangelho para que as pessoas não cressem em Jesus? Por que o Diabo e suas hostes cooperariam com o Reino de Deus todos os domingos durante os cultos?”

Sem perceber a contradição risível do que havia acabado de dizer, a cooperadora olhou-me, atenciosamente, e replicou: “Os demônios são assim”.

Parece que algumas fichas não caem. Ou parece que convém para certas pessoas que a ficha não caia.

Retirei-me com pena daquela mulher, aparentemente enredada nas mentiras e inconsistências dos ensinos de nossos dias. Pelo seu relato, o Diabo não deveria ser tão mal assim, quiçá um cara mal-entendido que de vez em quando pisa na bola, mas que, certamente, deve trabalhar na igreja dela, fielmente, com a propagação do seu “evangelho”, lado a lado com “Deus”, porque, naquela noite, eu vi e ouvi um monte de coisas, exceto o que deveria ter sido dito daquele nobre carpinteiro de Nazaré, ao mesmo tempo um frágil vaso de barro e o incomparável Senhor de todas as coisas.

Disso extraí uma triste constatação: em certas cabeças, o Diabo e Deus deram-se as mãos e vivem sua vida de encenação do evangelho todos os dias no palco da vida, a fim de encher auditórios e trazer lucros a pretensos sacerdotes.

***
Postado por Avelar Jr., no Não, Obrigado!, e também no Púlpito Cristão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

9 COMENTÁRIOS

  1. como pode ser verdade uma coisa dessas ?!?!?

    é quase que inacreditável né?
    chamam de culto um momento que mais falam no Diabo do que de Jesus…

    e o pior de tudo…a resposta da tiazinha:
    "os demônios são assim"

  2. Infelizmente, isso tem ocorrido com frequência. Sou evangélico a 22 anos, e tenho visto o aumento dessas coisas, bem como o enriqucimento de pastores fraudulentos, os quais se ufruem da fé dos fiéis, mais uma coisa é certa, Deus os trará a juízo.

  3. Sabe o que é pior nisso tudo? Quando li a parte da cruz feita com palito de sorvete caí na gargalhada, imaginando a cena!
    Não é lamentável vermos essas cenas como coisas rotineiras nas perigrinações do povo que segue como em romaria, fazendo o papel dos ídolos, que tem cabeça e não pensam e quando usam a boca é apenas para reproduzirem o que o mestre mandou?

  4. Eu não contei no texto porque desviaria o assunto, mas quando estavam anunciando a cruz de palito de picolé, de que eles não disseram o preço no microfone, a obreira trouxe uma para nós vermos. Aí meu amigo disse cinicamente com voz de emoção: "Oh (o mesmo "oh" que a gente diz quando vê um bebê bonito ;]), é feita de palito de picolé… Ó, Junior, como é bonitinha a cruzinha de palito de picolé!"

    Juro que me segurei para não explodir na gargalhada diante do escárnio, afinal eu estava perto da obreira.

  5. Sabe o que é pior nisso tudo? a cruz feita com palito de picole ou qualquer outro material não tem nenhum poder em si mesma. Isso é um grande engodo catolico importado por essas arapucas.

  6. Por favor… precisamos orar por estas pessoas, não julgo correto atitudes de zombaria ou escárnio! que Deus tenha misericórdia deles e de vcs também. deus abençoe a todos!

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui