O Samba do apóstolo doido!

16
611
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Danilo Fernandes

Assine o Blesss

Não é brincadeira de mau gosto não! É sério. Não é texto de humor! Um conhecido meu foi e me mandou o cartaz. Minha “heresia favorita” (risos) foi o tal do AXÉ com GRAÇA… Mas será que o cabra não sabe que Axé num combina com Graça nem na marretada…

Cadê o pastor desta gente? O que acontece na igreja presbiteriana de Vila Isabel? Hum… Terra do samba… A igreja tem de se relativizar, marketear para agradar… Entendi!

Não tenho nada contra MPB, samba e música em geral. Ouço tudo o que é bom! Adoro jazz, bossa nova e rock progressivo. E cada qual goste do que achar bom para si. Mas em se tratando de Louvor a Deus… Vamos sintonizar este rádio direito? A Deus o que é de Deus…

Querido Axé com Graça, não dá pra servir a dois senhores… Ou você mata um frango e derruba uma pinga pra o caramulhão e grita Axé! Exu! Ou joga tua cara no pó e pede perdão a Deus… Qualquer coisa no meio já te escala para o time da divisão inferior. Beemmmm inferior, manjou ou quer que eu te explique?

Explico não. Passa outro dia. Mas para não te deixar sem nada, vai ai um texto bárbaro sobre o assunto do Luis Longuini Neto :

[…] Enquanto estávamos na sala de espera, a televisão mostrava no programa de Ana Maria Braga uma entrevista com a dupla sertaneja César Menotti e Fabiano. Sala pequena, várias pessoas, a concentração para a leitura estava difícil, mas insisti. O som alto me fazia prestar atenção na entrevista. A dupla é fruto dessa coisa que resolvemos chamar de pós-moderno. Isso que está por tudo, em todos os lugares, em todas as instituições. Essa coisa que se diz nova, mas que na realidade é um oceano de mediocridade que se instalou na televisão, no teatro, na música, nas escolas, faculdades e curso de pós-graduação. Assim como existem duplas sertanejas novas, existem também igrejas novas. Entre elas não há diferença alguma — são produtos de um lixo cultural que colocou o ser humano não como produto final de uma racionalidade consciente, mas como apenas um produto que consome cultura e religião da mesma maneira que consome pizza.

A entrevista arrastava-se com os cantores afirmando serem caipiras e a apresentadora também dizendo ser caipira. Como se isso pudesse ser algo produzido ou comprado. Como afirma Almir Sater, “caipira é um estado de espírito”. E eu, caipira legítimo, ouvindo aquelas besteiras todas. A dupla afirmando cantar “musicão” novo, mas com raízes em Torres e Florêncio, Tonico e Tinoco. Heresia da mais brava. Assim também procedem essas novas igrejas ao afirmarem que estão vinculadas às raízes bíblicas. Que também são caipiras. Mentira. Essas novas igrejas promovem uma traição à Bíblia e negam completamente as origens do cristianismo, que tinha na barca pobre de Pedro e na cruz do Ressurreto seus maiores exemplos. Entre essas duplas novas que se fazem de caipiras e esse padres, pastores, bispos e cantores gospel, não há diferença alguma. Tudo é lixo cultural, e, se for evangélico, de pior qualidade. […]

Termina a entrevista. A dupla estava lançando um DVD e a música principal, agora entoada por eles era: “Segura na mão de Deus e vai”. É, realmente estamos na pós-modernidade. Só nos resta segurar na mão de Deus e ir. Vamos não sei para onde. Talvez para o alto-mar. Mas vamos.

Deus tenha piedade de nós!

***
Postado por Danilo Fernandes, também no Genizah.
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

16 COMENTÁRIOS

  1. Cara, será que se eu mandar minha versão de "Pai Francisco entrou na roda…" que fiz para o mercado fonográfico evangélico eles tocam lá…

    Minha voz não é tão boa como a desse pessoal aí, mas tô disponibilizando a composição para quem quiser gravar… Nem tô pedindo direitos autoriais… Pode ser Axé, Forró (nesse caso universitário, para não me rebaixar tanto), Pagode, o que vier tá bom…

    Com vossa licença, quero deixar aqui a letra:

    ABRE A RODA PRO VARÃO
    Autor: Robson Silva

    O Varão de Fogo entrou na igreja
    Trazendo seu bandejão… seu bandejão!
    Ele tem olho de fogo, veste branca
    E espada na mão

    Aproveita agora
    E receba já
    O Varão de Fogo
    Quer te abençoar

    Aproveita agora
    E receba já
    O Varão de Fogo
    Quer te abençoar

    Que o Senhor tenha misericórdia de nós.

    Prossigo para o Alvo… Fp 3:14

  2. Sou leitor do púlpito Cristão. E gosto mto do q se fala aqui. Na verdade concordo com 99% das observações aqui apontadas.

    Mas no caso desta crítica sou obrigado a discordar. Acredito q o estilo musical não entra em questão qdo se trata de louvor e adoração. Estes partem de corações sinceros e submissos à Deus, corações que reconhecem sua soberania e majestade, corações que são gratos pela obra salvadora da cruz e pela nova vida em Cristo. A expressão deste louvor, primeiro pode ser através da música, ou não… ou outras várias formas, já q a nossa vida por completo deve ser nosso louvor.

    No que tange a música como meio de expressar louvor, não vejo qualquer problema em usar quaisquer estilos musicais, pois Deus não está preocupado com música (certamente os anjos o louvam com algo muito melhor do que podemos fazer)e sim com os nossos corações e vidas rendidas a Ele.

    No caso do criticado "Axé" por mais q ela seja uma palavra usada em rituais de feitiçaria, ela hoje assumiu outro valor semântico, hoje é significante de um ritmo musical. E o ritmo musical, seja qual nome q tiver não tem nada haver com o nome que lhe foi dado… poderia ser outro…

    Axé, samba, choro, bossa e qualquer ritmo nosso pode e deve ser usado para louvar ao Senhor. Sou partidário, inclusive, de mais música brasileira no louvor das igrejas.

    Tudo q tem fôlego louve ao Senhor!

  3. A questão principal do texto não é o estilo musical apenas. Mas a origem e o propósito do que se chama de "louvor".

    AXE é palavra de origem no candomblé – de uso exclusivo na língua africana original – significando receba a luz dos deuses. A palavra não tem outro emprego na origem, mas virou expressão dominante fora dos terreiros, mediante os processos que bem conhecemos.

    Axé music é a mistura de samba e ritmos caribenhos. O ritmo é apenas questão secundária aqui. Saiba logo, que não tenho nada contra alguém que goste de RAP, por exemplo, e queira louvar a Deus em um evento ou show desta forma. Mesmo pensado que 90% dos RAPS tratam de violência de ruas e que este é um ritmo de origem na rebeldia dos guetos. Não há problema, se os jovens querem se expressar desta forma, se o fazem por amor, se não estão apenas querendo moldar a torpeza dos seus amores mundanos a um formato gospel forçado. Se o fazem adequando a expressão da arte à reverência a Deus e não queiram fazer o contrário e impor os valores do mundo à igreja. Que mal poderia haver? Mas será que é sempre assim? Eu tenho amigos que fazem RAP para Deus e vejo o comportamento santo neles, em outros não vejo.
    Tudo depende de onde está seu coração.

    Vamos ao ponto expresso no artigo que não é este, mas outros mais sutis no enlace do maligno. Como você acha que se comporta quem ouve AXE GOSPEL em um show? Irá dançar, certo? Eu escuto gospel contemporâneo e danço! Se isto se faz na igreja ou no culto, nem entro neste mérito agora, vamos seguir. No caso do AXE, como seria? Como se dança AXE, o ritmo: Dança da garrafa, do crocodilo, do bonde… TODAS ERÓTICAS. Não há outra forma de dançar! Complicado, não?

    Agora pense na origem do nome. Não é uma infelicidade começar um louvor a Deus com uma palavra de origem destas? Ou você pode ver alguma "luz" possível no candomblé? Você vai querer ofertar Axé a Deus? Deus receberia agradavelmente algo que se oferta ao inimigo?

    Finalmente, falemos da questão do layout do cartaz. Observe a clara e descarada formação da RODA.

    O samba de roda origina o chamado partido alto, depois pagode, fundo de quintal e outros, cujo ritmo nem me agrada muito, gosto mais de um samba do Chico Buarque ou Cartola, por exemplo! Mas tudo tem hora, não é mesmo?

    Mas você sabe o que é a RODA e de onde se origina o samba de roda?

    O samba de roda tem origem no terreiro de umbanda e candomblé. Não falo de qualquer tipo de samba, mas do especifico que nasce da origem do “pré-samba” com o toque das entidades. O samba que coloca os instrumentistas em RODA, no ritmo cadenciado das palmas (pratos, caixa de fósforos, etc.). O mesmo que na origem coloca os instrumentos em roda e os médiuns idem, batendo palmas para a entidade dançando no meio. Ou seja, sendo adorada!

    Fora do terreiro, no samba de roda, quem passou a dançar no meio foi a mulher… A referência da roda é clara , passa do demônio ao sexo. Mantém-se em sintonia com a origem, percebe? Procura um bom livro de referencia e vai conformar o que te informo.

    Eu não quis no texto acima nem entrar neste mérito pois imaginei que estaria sendo quase arrogante por falar o que a maioria já sabe. Errei. Nem todos perceberam, que é Jesus quem está na RODA, neste cartaz. Tão pouco atentaram para a origem da RODA que remete não apenas ao terreiro, mas a Baal. Aos celtas pagãos em Stonehenge… Enfim, é a forma de exaltação demoníaca, desde sempre!

  4. Axé
    1 a força sagrada de cada orixá, que se revigora, no candomblé, com as oferendas dos fiéis e os sacrifícios rituais.

    Uso
    de preceito entre os adeptos do candomblé no Brasil, a interj. axé generalizou-se na massa dos falantes das grandes cidades, especialmente de 1986 em diante.

    Fonte: http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm?verbete=ax%E9&stype=k

    Obs.: Tem q ser assinante para acessar o dicionário Houaiss na uol.

    PS: É por isso q eu já vi vários teólogos sérios neste país dizer a seguinte frase "Já ficou bem claro que no Brasil ser cristão e ser evangélico são coisas totalmente diferentes.

  5. Caio…
    Concordo com vc no q diz respeito a musica… mas pelo amor de Deus o problema desse povo aí é outro…
    Sou presbiteriano tb e nessas horas (e em muitas outras tb) me envergonho muito do q "meu" povo tem feito.

    Isso ai em cima pra mim é conformação… é exatamente o q Deus por meio de Paulo mandou q não fizéssemos… Rm 12.1,2

    Daqui a pouco vamos ter uma escola de samba na sapucaí… pera aí isso ja tem né…
    pronto falta mais o q meu Deus???

  6. Marcelo, mano, nem pense muito que você logo descobre que o que pensa que falta já existe. Eu já vi dançarem Macarena com reboladinha e tudo em "evangelismo de praça"!

    Já vi "ministras de louvor" subirem para louvar lá na frente, no tablado, com a lingerie de rendinha aparecendo por cima da calça de cintura baixa.

    Enfim… !

  7. Caio você falou que é uma questão semântica, que é o estudo das palavras em todos os termos;

    Daí chegamos na explicação do Danilo, corretíssimo na abordagem dele, sobre o significado da palavra receba a luz dos deuses, dos orixás.

    Quando estudamos as palavras seja dentro da semãntica ou dentro da semiótica, elas não perdem o sentido original delas só porque estão sendo utilizadas fora do seu local de origem.

    Nem a força da palavra não se perde porque a pronúncia dela se tornou branda.

    Quando eu dançava, era o meu vício, eu não conhecia JESUS; toda vez que tocava axé eu nunca consegui dançar, nem em shows, nem nas boites, onde eu via todos os seres que são ligados ao axé.

    Sobre o samba, cresci ouvindo samba canção, samba chorado. O samba de roda tem nele a batida da marcação do terreiro, eu nem era crente e percebia isso na produção da música.

  8. Gente… meu pensamento continua… O q eu quero dizer é q se Axé não se chamasse Axé e se chamasse por outro nome (embora o mesmo ritmo com todos os estilemas musicais) ninguém falaria nada. Se o Axé tivesse sido criado a 500 anos atrás e fosse adotado pelos reformadores tava todo mundo aplaudindo. O q eu quero dizer é q o nome não quer dizer absolutamente nada. O ritmo musical é em si inócuo… Na verdade é uma sucessão de sons em certos padrões matemáticos… Não acho demonizar qualquer ritmo musical q seja, qualquer q seja o seu nome.

    Se eles foram um dia dedicados a entidades maior ainda o milagre de Deus! Pois agora são dedicados a Ele (considerando corações sinceros)!

    Qto a questão da "roda" se for assim então nunca podemos fazer rodas para louvar a Deus… nada de rodas em retiros… nada de todos os irmãos da igreja darem as mãos em roda na igreja… nada de cultos nos lares onde os irmãos sentam em roda… pois roda é pagão… roda é do Diabo…

    Com relação às danças eróticas… concordo.. é só inventar uma outra forma de dançar… um simplesmente não dançar (se vc conseguir).
    Nem gosto tanto de Axé… não é mto a minha praia… mas sou da posição q qualquer ritmo pode louvar a Deus, pois Deus não liga para o ritmo… com certeza está mto mais interessado no nosso coração.

  9. Caio, acredite o que se diz da definição de uma palavra é a verdade sobre a mesma; pois a palavra é definidada dentro do contexto histórico originalmente onde foi empregada, fazendo parte dos usos e dos costumes de um povo.

    Vamos citar um exemplo, o nome IAHWEH, conforme a definição da wikipédia: "O Tetragrama YHVH (יהוה), refere-se ao nome do Deus de Israel em forma escrita já transliterada e, pois, latinizada, como de uso corrente na maioria das culturas atuais.

    Originariamente, em aramaico e hebraico, era escrito e lido horizontalmente, da direita para esquerda יהוה; ou seja, HVHY. Formado por quatro consoantes hebraicas — Yud י Hêi ה Vav ו Hêi ה ou יהוה, o Tetragrama YHVH tem sido latinizado para JHVH já por muitos séculos.

    Alguns historiadores acreditam que o tetragrama HVHY é o que restou de uma palavra com muito mais letras que as apresentadas. Era o nome completo de DEUS, e só quem tinha acesso a este nome era o Sumo Sacerdote.

    O nome só era passado de Sumo Sacerdote para Sumo Sacerdote, que entrava uma vez no ano, no Santo dos Santos para o sacrifício de expiação do pecado de todo o povo.

    Para ele entrar no Santo dos Santos e pronunciar o nome completo de DEUS, ele tinha que estar sem pecado, caso contrário morreria, pois o nome de DEUS completo era um nome tão sagrado que qualquer que o pronunciasse em pecado, morreria imediatamente.

    Assim muitos morreram e as letras foram sendo perdidas de um pra outro, ficando o YHVH, nós vemos em algumas Bíblias IAHWEH. Um nome em que até hoje muitos pronunciam sem reverência.

    Caio, o que é que você acha de se pronuncia o nome "axé" onde é proclamado o nome de IAHWEH.
    É uma tremenda falta de reverência, muitos Sumos Sacerdotes foram punidos com a morte no Velho Testamento por muito menos.

    Agora a gente ousa a afirmar que só porque estamos no tempo da Graça, vamos ter menor reverência a DEUS?
    Seja DEUS verdadeiro e todo homem mentiroso.
    Eu mudei, fui transformada por JESUS, mas DEUS continua o mesmo.

    Eu ter sido transformado por JESUS. Ter me tornado nova criatura nele, não me dá o direito de não ter reverência a ele. Ninguém serve a dois senhores. Não tem como servir a JESUS e ficar dançando axé, fazendo roda de gira, tatuagens, piercings, fazer a dança da fertilidade, ou coisas iguais…

    Pense, de DEUS não se zomba, tudo o que o homem plantar, ele colherá.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui