Edir Macedo versus Bíblia Sagrada (2): Riquezas

7
93
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Edir Macedo diz:

“A Igreja Católica sempre impregnou na cabeça das pessoas que riqueza é coisa do mal e que pobreza é boa. Eles querem que eu pregue a “teologia da miséria”? […] O objetivo (de construir catedrais) é abrir a cabeça do pobre que dá oferta. Na sua casa, ele senta no sofá rasgado ou até no chão. Na Igreja ele é honrado. Tem o direito de sentar numa cadeira estofada, com ar-condicionado, usar um banheiro limpo. Recebe um atendimento exemplar. Eu quero mostrar que ele é capaz de conquistar coisas grandes, uma vida melhor. Algo como dizer: ‘Veja a grandeza de Deus. Sua casa é um barraco. Olha o que Deus pode fazer. A Igreja Universal também começou em um barraco, mas olha como está hoje. Você precisa investir nesse Deus” (“O Bispo”, p. 208, 211).

A Bíblia diz:

A frase do bispo Macedo soa simpática ao pobre e se parece com a fé de que a pobreza se resolve no relacionamento particular com Deus, na prática de uma fé pessoal. A Igreja Universal não foi a primeira a construir catedrais. Toda confissão religiosa parece ter uma visão de que Deus se agrada da riqueza. No Antigo Testamento temos duas construções milionárias. O que está em pauta, portanto, não é a construção de catedrais, porque essa prática é milenar, transcultural e transreligiosa. A questão é a natureza da pobreza. Seria resultado de um insuficiente relacionamento com Deus, algo como falta de fé? Portanto, uma questão espiritual? Significaria que quem é rico (não se contempla aqui a questão da origem da riqueza, mas a simples posse da mesma), independente da relação que tem com Deus, é uma pessoa abençoada? É de se supor que haja gente rica que não tenha relacionamento algum com Deus.

A Bíblia fala do pobre e da pobreza. Em Deuteronômio 15.4, Deus dá orientações para que não haja pobre entre o povo de Israel. E a solução apresentada é de ordem econômica. Deus exige que a cada sete anos as dívidas sejam perdoadas sem cobrança de juros, para que não existam pobres. A causa apontada (nesse contexto) para a existência da pobreza também é de ordem econômica: o endividamento.

Assine o Blesss

Em Levítico 25.10-55, Deus proclama o Jubileu, uma série de medidas econômicas limitando o direito à propriedade, assim como o direito de explorar o trabalho alheio. Era um modo de evitar a pobreza, sanando a situação a cada cinqüenta anos, uma vez que a cada cinco décadas a sociedade voltava ao estado de igualdade. Mais uma vez a pobreza é relacionada com questões de ordem econômica, e o Jubileu é um modelo econômico de reordenamento das relações, de modo a erradicar a causa da pobreza, que nesse contexto era a perda da posse da terra.

Desde a promulgação de sua lei, e diante da desobediência à mesma, Deus vem estabelecendo práticas para que o pobre não seja desamparado, a fim de que a sociedade se aproxime do estado de igualdade.

Há a pobreza fruto de má administração, ou de irresponsabilidade, ou de desobediência ao Senhor. O livro de Provérbios está repleto dessas advertências, mas elas têm caráter pessoal e extemporâneo, sem cair no reducionismo de classificar a pobreza como resultado destes atos particulares.

Em Provérbios encontramos também uma série de advertências contra a exploração do pobre, assim como a orientação de que se deve cuidar dele e buscar a sua emancipação.

No Novo Testamento a busca pela erradicação da pobreza continua. É o que se vê na proposta de sociedade que se pode abstrair da fala de Jesus Cristo: “Como vocês sabem, os governadores dos povos pagãos têm autoridade sobre eles e mandam neles. Mas entre vocês não pode ser assim. Pelo contrário, quem quiser ser importante, que sirva os outros, e quem quiser ser o primeiro, que seja o escravo de todos. Porque até o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para salvar muita gente” (Mc 10.42-45, NTLH).

Jesus Cristo preconizou uma nova sociedade, cujo poder governamental seja exercido por meio do serviço a todos. Trata-se de uma sociedade em que todos sejam cidadãos, pois só numa sociedade em que o governo assume a sua vocação de servo de todos é que a cidadania floresce.
.

Na sociedade do Cristo, o poder deve ser exercido dessa forma para que ela seja um espaço em que:
.
O uso da terra seja regulamentado tendo em vista o bem de todos, pois Deus não admite que alguém possa comprar casa sobre casa e terra sobre terra até ser o único morador do lugar (Is 5.8). Na sociedade do Cristo a terra tem de ser repartida entre todos, pois é para todos;

.

A riqueza seja distribuída com eqüidade, pois Deus quer que quem colheu demais não tenha sobrando, e quem colheu de menos não tenha faltando (2Co 8.15); haja consciência de coletividade; o imposto seja um instrumento legítimo de distribuição de renda; .
.
O trabalhador usufrua da riqueza que produz, pois ele é digno de seu salário (Lc 10.7). Não se pode amordaçar o boi que debulha o milho (1Tm 5.18), isto é, aquele que produz deve ser o primeiro a usufruir do que produziu. Esta seria uma sociedade de trabalhadores para trabalhadores;
.
A criança tenha prioridade, pois Deus não quer que nenhum dos pequeninos se perca e ameaça com duras penas a sociedade que desviar as crianças de sua vocação divina: vocação à saúde, à educação, à segurança, à longevidade, ao emprego, enfim, a uma vida que possa ser celebrada;
.
Os órfãos e as viúvas, isto é, os que tudo perderam, não fiquem desamparados; ao contrário, parte da produção deve ser destinada exclusivamente para estes, para que não haja miséria na sociedade. Trata-se de uma sociedade em que todos desfrutem do direito à dignidade; uma sociedade de cidadãos, pois só onde há dignidade há cidadania.
.
O idoso seja referencial de sabedoria, nunca um fardo, pois na Bíblia ele é o conselheiro que ajuda o jovem na sua caminhada e por este é visto como um mentor, como guardião dos valores que devem nortear a sociedade, como alguém que deve ser honrado, o cidadão por excelência, pois construiu e legou para as gerações que o sucedem.

.

Na sociedade preconizada por Cristo o conjunto de cidadãos é o estado, e todos são cidadãos. Por isso, o governo estaria a serviço de todos, o que significa estar sob o controle da cidadania. Assim, os direitos humanos seriam respeitados. E onde os direitos humanos são respeitados há previdência, isto é, o futuro do cidadão estaria assegurado; ele seria o beneficiário da riqueza que produziu. E previdência seria um conceito que abrangeria não apenas a saúde ou a velhice, mas a educação, a segurança, o emprego, o lazer, enfim, tudo o que dá qualidade à vida. Nessa sociedade, o governo seria um agente previdenciário, e o futuro seria, não algo que quanto mais remoto melhor, mas uma sucessão de presentes, em que cada dia traria a garantia de um futuro assegurado.
.
A pobreza é uma questão econômica e que tem de ser resolvida por via econômica, o que se logrará quando as proposições de Deus forem ouvidas.

***
Fonte: ULTIMATO

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

7 COMENTÁRIOS

  1. Amados irmãos… Constatei que já a alguns dias os controles de atualização de postagens (RSS) do seu blog estão fora do ar.
    Espero que não esteja ocorrendo esse problema com todos os seus leitores pois seus a grande maioria de seus textos são edificantes para o povo de Deus nesses tempos de "vitória" e "prosperidade".
    Deus o abençoe.

  2. Essa leitura confronta não o posicionamento do sr. Edir Macedo, como também o posicionamento meu e dos demais leitores.
    Estamos condicionados a pregar um "evangelho" de rituais: Levantar a mão, repetir algumas palavras, batizado e ceia; pronto, salvação garantida!
    Mas o evangelho é muito mais do que isso, se ele não gerou transformação de caráter ele não foi absorvido, e se não foi absorvido não fez com que o Dono dele fosse conhecido.

  3. REPONDENDO A UM EMAIL

    É inconcebível tratar a IURD como uma "IGREJA"! Também é inconseqüente aceitar que o que se pratica ali tenha qualquer relação com os ensinos de Jesus Cristo. Na verdade absoluta a IURD está sim DESMORALIZANDO e RIDICULARIZANDO os ensinos Sagrados, pior, enganando pessoas que por total falta de informação, acreditam nas trapaças pregadas por esta entidade comercial. Causa-me espécie ver que em todas as partes do mundo há pessoas precisando ouvir e conhecer o AMOR INSONDÁVEL de Deus sendo alimentados com porcarias e com produtos falsificados, alimentos produzidos nas indústrias do inferno.

    Lembro que “PERSEGUIÇÃO” é uma coisa, ser “RESPONSÁVEL” é outra completamente oposta e diferente. Aliás, quem comete crime na esfera cível é criminoso e tem, por oficio de justiça, ser perseguido e preso para que pague pelos seus crimes, mas como na religião não há um Ministério da Justiça, temos como CRENTES em Jesus Cristo, que alertar quanto aos atos criminosos praticados contra a fé do cidadão. Com absoluta certeza se tivéssemos um Ministério e um código civil espiritual esta IURD já estaria nos tribunais sendo julgada pela exploração imoral da boa fé do povo que acredita nas suas falácias.

    Não, não é uma questão de inteligência, longe disto! É, antes de tudo, uma questão de responsabilidade, pois são almas que estão sendo tratadas como objetos e como mercadorias no mercado inescrupuloso da religião. Ninguém precisa ser inteligente para ver que o evangelho pregado pela IURD é sim voltado para o BOLSO e não para o coração do ser humano. Cabe ressaltar que ninguém escapa desta indústria de exploração da fé e para isto usa-se os mais BAIXOS argumentos e os mais sórdidos instrumentos de convencimento. O absurdo é que tudo é feito á luz do dia e debaixo das barbas das autoridades que nada fazem para combater esta imoralidade perniciosa que avilta o cristianismo.

    Envergonha-me sobremaneira ver a indústria dos “FALSOS MILAGRES” sendo explorada nas telas da RECORD com as pessoas sendo expostas ao RÍDICULO em troca de uma suposta cura que quase sempre se resume a uma “DOR DE BARRIGA” ou a uma “DOR DE COTOVELO”. Conceitos como, ÉTICA, VERADE, HONESTIDADE, RESPEITO, TRANSPARÊNCIA são desconhecidos dos que na IURD vivem de enganar o povo com um evangelho esdrúxulo, mesquinho e sem qualquer fundamento Bíblico. Mentem descaradamente ao mandarem o povo tomar atitudes como “dar um nó em uma camisa” para desatar a vida como se fosse a coisa mais natural do mundo, o que não me assusta posto que a mentira é prática natural e comum nos ensinos dos Bispos da IURD.

    Continua…

  4. Continuação…

    Quanto a um verdadeiro encontro com Deus, sugiro que os “B I S P O S” da Universal possam experimentar o que de fato significa encontrar Deus e ser inteiramente submisso a ele. Lembro que Deus “L I B E R T A” a alma, mas a IURD com suas práticas escravizam o cidadão tornando-o dependente dos sacrifícios e da submissão do homem ás suas práticas de mistificação do culto. É duro ver o poder de Deus sendo negociado por “rosas consagradas, sessão de descarrego, camisa amarrada” e mais um monte de “P O R C A R I A S” que em nada acrescentam a fé do povo e que literalmente não encontram indicativos de suas práticas nas Escrituras Sagradas.

    Na verdade a IURD é sim um grande “C I R C O” religioso onde não faltam os atores para levar o povo ao delírio com suas mágicas e com as suas ilusões religiosas e só não vê quem não quer ou está comprometido com as trapaças ali praticadas. No picadeiro não faltam, o Médicos Espirituais, os Pai de Santo, as Mãe de Santo, os Donos de Terreiro todos escolados e diplomados em enganar e ludibriar a boa fé do povo, que por desespero ou por interesses, recorrem a IURD. Lembro que ali as pessoas não procuram Deus pelo que ele é, mas sim pelo que ele pode oferecer, e aí como a mensagem da UNIVERSAL é fundamentada na prosperidade e não na salvação da alma, o homem por sua natureza corre para onde as facilidades lhe permite alcançar os seus objetivos materiais.

    Paulo recomenda expressamente: “Sede meus imitadores como eu sou de Cristo”. Portanto, se ele, o Apóstolo Paulo não adotou qualquer prática das aplicadas e adotadas pela IURD, é evidente que há algo errado com esta E M P R E J A.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    crms2casa@otmail.com

  5. o senhor "bispo" edir macedo é nada mais nada menos que um empresário que fez sucesso com a carência de um povo, e ele veio com que esse povo necessitava. Mas ele é sabedor que oque ele faz com sua empresa: iurd vai leva-lo para o inferno, pois ele também sabe oque a palavra de DEUS fala sobre os falsos profetas e de seus destinos, quem cre em DEUS de verdade sabe que ele é dono da prata e do ouro e de tudo oque existe nesse mundo, e oquê ele esta fazendo e tantos outros, sim é para cunprimento de sua palavra, coisas horriveis aos nossos olhos, mas tem que acontecer,pois para se cumprir oque DEUS determinou se fará, pessoas servos de DEUS têm que orar por outras pessoas que vão às esses tenplos abertos a vender a palavra de DEUS, fala sério só DEUS mesmo pra ter misericórdia, ele sabe que naquele dia não havera sacos de dinherio que comprará a entrada no CÉU!!!

  6. Inicialmente gostaria de cumprimentar a todos que expressam aqui neste espaço a sua indignaçâo pelo o a IURD, está fazendo com a fé de pessoas desinformadas, não só no Brasil como em vários continentes , usando à palavra de Deus como instrumento de manipulação para arrecadar somas milionárias para o império de EDIR MECEDO, que formou nesta "republiqueta de bananas", verdadeira quadrilha, já apanhada pela policia federal, más que infelizmente ainda não foi definitivamente desbaratada.

  7. picareta salafrario,hitler do mundo moderno. os otario sempre dizem estou numa igreja onde seu lider é rico naõ é um miseravel qualquer, mal sabem eles que toda riqueza deste espertalhão foi comprado pela fé de um povo a maioria simples é humilde, A rede Record é um exemplo quantos jovens e mwembros cataram latinhas para comprar a tal Tv. pornográfica como é a que elesa acusam, a que eles odeiam, cade o coração bom deste salafrario que diz que precisamos perdoar, mas ele mesmo odeia os Marinho e incurte na cabeças de todo um povo a cultivar este ódio.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui