Igreja não satisfaz expectativas

3
744
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

.

Por Danilo Fernandes
As sagradas escrituras nos apresentam incontáveis mistérios para os quais não nos é dado entendimento. O livro “Em que crêem os que não crêem”oferece um diálogo fascinante de cartas trocadas entre o famoso escritor laico Umberto Eco e o Cardeal da Igreja Católica Romana Carlo Maria Martini. Em uma destas cartas, de Martini, o próprio título já nos lembra de que estamos diante do insondável: Igreja não satisfaz expectativas, celebra mistérios.

Assine o Blesss

Todos os dias o inimigo bombardeia o evangelho com sincretismo, idolatria, mercantilismo e tantas falsas doutrinas. Nós conhecemos os propósitos comerciais desta corja e sabemos as intenções de seu mestre, mas em certos casos, os absurdos cometidos são tão grandes que a dúvida nos alcança. Qual seria o propósito de uma heresia tão pouco sutil? Porque escrevem nas entrelinhas das Sagradas Escrituras quando o objetivo aparente parece ser apenas o de elucidar mistérios, ostentar revelações sobre questões deixadas ao conhecimento exclusivo de Deus? Qual o propósito de colocar a Bíblia, o conhecimento cientifico e a última abstração teórica produzida em Harvard em um molde, sob uma prensa hidráulica de 1000 toneladas? Aperta tudo. Levanta a prensa. Sai Salvação deste tijolo?

As razões, meus caros, são as mesmas de sempre. Mas nestes casos, não são apenas razões comerciais mais simplórias e objetivas. A idéia é atender a um aspecto importante do marketing do “evangelho produto”: Atrair clientes com necessidades superiores. E como fazem isto? A cartilha do marketing apresenta as necessidades do consumidor em grupos, entre as físicas, temos as fisiológicas e a segurança. Temos necessidades sociais, como relacionamento, amor, status. Temos necessidades relacionadas à auto-realização, que entre tantos aspectos, inclui o desejo de nos sentirmos completos, realizados em um sistema de valores que compreendemos. Esta é uma necessidade superior.

Um exemplo prático da exploração comercial desta necessidade é a chamada armadilha do acessório. Você compra um carro e se vê abrigado a ter as coisas que o complementam: Os opcionais. Compra um Ipod, mostra aos amigos, logo aparece alguém com uma capinha mais bonita que a sua, outro te mostra um carregador diferente, etc. No fim você quer comprar todas estas coisas, que sequer alteram o benefício principal do produto que é ouvir música. Não se trata apenas da necessidade social de status. De ter aquilo que o outro tem, ou ter melhor. Trata-se de auto-realização, desejo de ser completo.

As pessoas não querem coisas incompletas, parciais. Todas as expectativas devem ser satisfeitas. As pessoas querem resposta para tudo. Os novos convertidos (convencidos, na verdade) não satisfazem o seu intelecto com um evangelho onde haja mistérios. E o que fazem os profetas e apóstolos de plantão? Saem preenchendo os “espaços em branco” dando as explicações e esclarecimentos às questões que Nosso Senhor deixou em mistério. São como gerentes de produto, sempre pesquisando, sempre aprimorando a sua oferta buscando fidelizar seus clientes.

Parece incrível, mas se as razões comerciais são o motor principal, em outros casos o fazem por pura vaidade: – Eu tenho as respostas. Deus me usa. Foi o caso visto no artigo sobre Marcos Feliciano, o homem alçado ao momento da criação pelo próprio Jesus, dia destes, em Balneário Camboriú.

Esta heresia tem nome e endereço. Chama-se teologia da serpente. É artimanha do rabudo para desacreditar a Palavra de Deus. Coloca-se uma dúvida, depois outra e vocês conhecem o resultado, pois foi o que nos levou a este mundo perdido. Atentem para esta gente! Eles não são apenas parte da matilha, são os líderes.

Ariovaldo Ramos, em um de seus sermões nos fala dos mistérios e nos ensina a importância de celebrá-los. Neste sermão muitas questões são levantadas, eu resumo aqui:

Quem pode explicar o porquê da negação do povo Judeu da missão redentora de Jesus? Como interpretar o fato de que Jesus é dado aos pagãos para ser morto na cruz pelo Seu próprio povo? E o que dizer do fato de que esta inominável decisão não se deveu, em última instancia, a nenhuma questão política, econômica ou religiosa, ou mesmo ao estado de corrupção em que vivia o povo de Israel, mas tão somente devido à Vontade Soberana do próprio Deus que impede Seu povo de ver o seu Salvador? E o que pensar do fato de que esta tragédia já era prevista em salmos de David, em Isaias 43:3 e outros tantos escritos no primeiro testamento. Tempos remotos em que o messias ainda era uma promessa de Deus para o povo judeu. A sua chegada, a representação máxima da redenção após uma longa e dolorosa espera. A resposta ás suplicas diárias de toda uma civilização. A esperança que sustentou os sacrifícios, os rituais, os jejuns e as orações de todo um povo, desde o tempo de seus patriarcas. E, no entanto, como diz Paulo em Romanos 11:8-12, o próprio Deus os entorpeceu para que escurecessem os seus olhos e não O vissem e seus ouvidos para que não O ouvissem.

O mesmo povo escolhido por Deus para Se fazer conhecer. Por tanto tempo, o guardião único, em todo o universo, da Verdade e das promessas de Deus, foi dado a laço e armadilha para que não reconhecesse o seu libertador. Por que?

Ao Seu povo, o povo de Israel, o Senhor entregou homens, príncipes, reis e nações inteiras à morte. Por Sua gente, o Senhor derrubou muralhas, aniquilou cidades inteiras, abriu mares. Guiou Seu rebanho por quarenta anos no deserto, sustentando-o com alimento celestial e água brotada de pedras. Tudo fez o Senhor para depois os colocar em tropeço para que não vissem o seu redentor quando este finalmente chegou. Ainda fez o Senhor que a transgressão de Seu povo fosse usada para que a salvação chegasse aos gentios.

Ariovaldo e Martini estão certos. Lidamos com o fato de que Deus opera a Sua Misericórdia e Sua Vontade segundo Lhe apraz. Ele é Soberano. Seus Mistérios nos serão, ou não, revelados segundo Sua Vontade. Uma coisa, contudo, já sabemos, em cada mistério há JUSTIÇA, pois conhecemos o Seu caráter.

Abundam mistérios, mas também certezas e promessas. Entre tantas, a maior delas: Uma afirmação de vida feita pelo Senhor Jesus em tantos momentos. A minha ocasião favorita é aquela em que Ele decreta VIDA, na mesma frase em que lembra a sentença de MORTE dada ao homem: Ao ouvirem isso, os discípulos ficaram perplexos e perguntaram: “Neste caso, quem pode ser salvo?” Jesus olhou para eles e respondeu: “Para o homem é impossível, mas para Deus todas as coisas são possíveis”.

Se mortos nada podem, há Quem possa. Vamos, então, celebrar nossos mistérios e nossas certezas. ELE VIVE. TEMOS VIDA. VIDA ETERNA.

***
Danilo Fernandes é empresário, consultor de marketing e franchising e editor do blog cristão Genizah

Notas bibliográficas:

1) MARTINI, Carlo Maria; ECO, Umberto – Em A Igreja não satisfaz expectativas, celebra mistérios. Em que crêem os que não crêem, Editora Record, 1999.
2) RAMOS, Ariovaldo – Sermões em áudio, Entrando no mistério da ceia, Insights para transformação pessoal, Website SEPAL.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

3 COMENTÁRIOS

  1. JESUS satisfez quando eu não tinha mais nenhuma, quando todas já haviam cessados.

    JESUS veio sobre a minha vida, contra toda a esperança, num último raio de FÉ.

    JESUS me livrou do meu corpo dessa morte, que é diária e contante.

    Por isso JESUS entra com uma Salvação eterna.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui