Pecados sexuais: como a igreja deve encará-los?

33
9708
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

.

Por Leonardo G. Silva – Th.M.
Conforme está subentendido no título, a problemática abordada aqui não será o pecado em si, mas o modo como a igreja trata o pecador.

Assine o Blesss

Nós protestantes, em teoria, repudiamos a idéia católica de pecado venial e mortal. Porém, o que é admitido na teoria é negado na prática através do exercício daquilo que convencionamos chamar de disciplina eclesiástica. Podem relutar o quanto quiserem, podem me chamar de perturbador da ordem, mas o fato é que eu não consigo ser hipócrita e nem fechar os olhos para essa verdade.

Mas a disciplina eclesiástica (um eufemismo para excomunhão) é bíblica, alguém certamente dirá. A estes, responderei que não estou interessado em debater a “biblicidade” da prática. Quero antes, apelar para o nosso senso comum e propor algumas questões. Ora, se ela é bíblica, e uma vez que o pecador precisa ser “disciplinado”, porque é que não disciplinamos todos os mentirosos, os invejosos, os soberbos, os avarentos e herejes em nossas igrejas? Porque é que suportamos pacientemente estes pecados, e condenamos a exclusão apenas os pecados sexuais? Acaso isso não é usar de dois pesos e duas medidas? Será que isso não significa ressucitar uma doutrina católica refutada e abandonada na época da reforma e enxertá-la no nosso meio? Somos evangélicos de alma católica, essa é a verdade.

Os fariseus de plantão que me apedrejem se quiserem, mas definitivamente não concordo com essa praxe absurda das igrejas evangélicas. É injusto que um casal de namorados, que confessa seu pecado com lágrima nos olhos diante do pastor, declarando-se arrependidos, sejam punidos com três meses de “disciplina”, durante a qual não podem exercer atividades na igreja, nem participar da Ceia do Senhor; enquanto os hereges televisivos, que dão veneno para as ovelhas comerem, homens rebeldes e soberbos que não têm o menor interesse em se arrepender, são tolerados nas igrejas locais e nas convenções. Que cristianismo é esse, que oprime o arrependido e faz vista grossa para o impenitente? Que igreja é essa que pune o quebrantado e tolera o rebelde incontrito? Definitivamente, algo está errado em nosso meio.

Pecados sexuais, numa escala de 0 a 10, recebem pontuação 11 nas igrejas! O caso é tão extremo que admite-se reintegrar ao ministério pastoral a um ex-ladrão, ex-caloteiro, ex-corrupto, enfim, ex-TUDO, menos um ex-adúltero, ou um ex-fornicário! Não estou defendendo direito de púlpito para A ou para B; só estou tentando te convencer de que há certos costumes que precisam ser mudados. Somos bons para exercer justiça (a nossa, obvio!), mas péssimos em misericórdia. Ah, mas o obreiro deve ser irrepreensível, você me dirá. Mas sejamos sinceros, ao menos dessa vez: Quem entre nós, membros, líderes, pastores, é irrepreensível no sentido absoluto da palavra? Ora, se apelarmos para a literalidade nesse versículo, então nem eu, nem você, nem Tomé e nem Pedro o eram! Não devemos entender essa irrepreensibilidade como uma obra acabada, e sim como uma busca constante e sincera. Do contrário, a Bíblia não fará nenhum sentido!

Como a igreja deve lidar com os pecados sexuais? A resposta é simples: Da mesma forma como Jesus os tratou. Como atuou o Mestre quando lhe trouxeram aquela mulher apanhada em adultério? Ele não deu nenhuma ordem de linchamento, antes nivelou a situação ao perguntar se havia alguém, entre aquela enfurecida turba, que jamais houvesse pecado. Ao fazê-lo, Jesus mostrou àquela multidão envaidecida e cheia de auto-justiça, que o pecado daquela mulher não era maior que os pecados deles. Logo disso, Jesus perdoou aquela mulher, brindando-lhe aceitação e amor, e em lugar da costumeira repreensão, deu-lhe um sábio e concludente conselho: vá e não peques mais.

Amado pastor: Devemos aprender com o pastor Jesus. Quando estivermos no gabinete pastoral aconselhando um caso de pecado sexual, e não soubermos como lidar com o tema, façamo-nos a seguinte pergunta: “o que faria Jesus no meu lugar?”. Será que ele disciplinaria o casal arrependido, condenando-os à pena de 3 a 6 meses de reclusão, ou será que ele, após confirmar o arrependimento de ambos, diria: “nem eu te condeno: vá e não peques mais”? Pecado sempre será pecado, e deve ser tratado como tal. Mas lembremo-nos de que, assim como há pecado, também existe perdão.

Soli Deo Gloria!

***
Fonte: Púlpito Cristão

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

33 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde Leonardo…

    Achei o post bem interessante, visto que, com meus 20 e pouco anos passei por essa situação, pior ainda, sou visto até hoje como o cara que fez sexo com a namorada.

    É verdade que vacilei, hoje sou casado com outra pessoa (que amo muito…. minha Virgínia) e reconheço que teria sido muito melhor não ter caído na tentação da carne, mas melhor seria se a igreja (tradicional) tivesse me amado ao invés de me manter por longos anos afastado da Ceia.

    Sim, me afastaram da Ceia e de TUDO que fosse relacionado a igreja e seus afazeres, mas eu nunca deixei o meu Senhor, nunca virei as costa para aquEle que realmente se importou e se importa comigo.

    Com relaçlão ao amados da igreja que me vêem como um vil pecado, não os condeno, pois sei que o Jesus que morreu pelos meus pecados é o mesmo que morreu pelos pecados deles…

    Abçs… A PAZ!

  2. Olá meu amigo,
    Achei muito bom o texto. E de fato alguns não gostarão. Mas e dai? Importa é sermos corajosos em enfrentar a hipocria reinante em nosso meio.
    Eu passei por isso e por mais que digam que Deus não classifica pecados, a igreja o faz. E quando “cai” como dizem, fui esculhambado, nem tanto pelos imãos, mas por mim mesmo. Ora, havia introjetado o conceito de que o pecado sexual é crime grave contra Deus…enfim…parabém irmão pelo texto.
    E misericórida pelo irmão Rodrigo. Tirar da ceia? Que isso? Neste caso ninguem deveria participar da ceia, uma vez que todos somos pecadores. Ou a ceia é só para os santos?

    Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus.” (Mateus 21 : 31)

  3. A alguns anos atras quando ainda fazia parte de uma determinada denominaçao vi algo assim acontecer. Uma amiga muito querida por mim foi disciplinada acusada de fornicaçao…ela me garantiu que nao tinha feito isso, se ela falou a verdade ou nao isso e com ela.

    O que quero destacar foi a forma como trataram aquele caso. Eu nao sabia de nada, achei algo tao constrangedor como ela foi exposta na igreja. Parecia uma inquisiçao, achei aquilo terrivel. Fiquei impressionada com a forma como trataram tudo aquilo. Alguns “amigos” perceberam que fiquei chocada com aquele “evento” e me disseram com certo sarcasmo:- voce nao sabia que ela era assim? nos sempre soubemos. Puxa como eu fiquei chateada com aquela postura deles. Pensei comigo…camabada de covardes! Eu conhecia muito bem como era o procedimento daquelas pessoas que estavam acusando minha amiga, e acredite, eles viviam numa vida totalmente desconsertada. Como eles podiam entao se juntar pra atirar a primeira pedra?

    Pecado e pecado, isso e certo. Mas entendemos que quem vacila merece uma segunda chance. Jesus deixou isso bem claro quando deu sua vida por nos…foi uma segunda chance.

    Fica na paz Leonardo!

  4. Rodrigo Melo,

    Sua história não é só sua (vale a redundância). É claro que eu não quero defender o pecado, mas o fato é que a postura que a igreja tem tomado em relação ao pecador, ao menos ao meu ver, está equivocada. Eu creio sim que há casos em que a tal “disciplina” (excomunhão?) pode e deve ser aplicada, porém entendo que só devem ser privados da graça aqueles que se privaram dela, ou seja, aqueles que mesmo estando em flagrante pecado, não querem se arrepender. Onde há arrependimento, há perdão, e se Jesus perdoa aquele que se arrepende, quem somos nós para não perdoar?

    Que bom também que toda essa situação não te afastou de Cristo, mas mesmo assim, me preocupo com aqueles que não tiveram a mesma estrutura que você, e por coisas desse tipo, acabaram esfriando na fé… O que nós podemos fazer por eles?

    Abração, e obrigado pela visita e comentário.

    Leonardo.

  5. Daniel Grubba,

    Você tocou outro tema igualmente importante: não é apenas a igreja que estigmatiza o pecador; nós também o fazemos! Estamos tão habituados a receber esse tratamento farisaico, que quando pecamos, nos sentimos indignos da graça de Deus. Ora, isso é pecar contra Cristo, que nos fez dignos desse perdão mediante o seu próprio sacrifício. Ao fazê-lo, estamos desprezando o sangue de Cristo que nos purifica e limpa de todo pecado, além de colocar um limite na misericórdia divina.

    Abraço fraterno,

    Leonardo.

  6. Olá Luclécia,

    Que triste essa história que você contou, minha irmã. Que falta de tato! Com respeito ao pecado, eu creio que ele é algo muito mais grave do que um vacilo (embora concorde com o uso dessa palavra como eufemismo), mas estou convicto de que o arrependimento do pecador é suficiente, e não precisamos impor um jugo desnecessário sobre ele.

    Abraço, e obrigado por visitar e comentar.

    Leonardo.

  7. Caro Leonardo

    Este excelente texto, me fez lembrar do caso de um rapaz crente que pediu perdão a igreja, por ter cometido o pecado da prostituição.
    O pastor perguntou:”os irmãos querem perdoar este rapaz?”.
    Todos levantaram as suas mãos em sinal de aprovação.
    Fiquei estarrecido e envergonhado, quando após o culto, ouvi auxiliares do trabalho falarem de ouvido a ouvido: “Não quero filha minha sentada perto desse tarado”.
    É triste, mas essa é a realidade de nossas igrejas, onde santidade é sinônimo de hipocrisia.

  8. Aconteceu com uma amiga minha. A igreja dela é em células. Ela namorava um diácono da igreja e ele vivia tentando transar com ela, até que um dia ela quase cedeu. Daí ficou tão incomodada que procurou a bispa da igreja para confessar o pecado e pedir perdão. Imediatamente a bispa tirou as 30 células dela, colocou minha amiga no banco para ser disciplinada e foram consolar o diácono, safado que além da minha amiga, namorava mais duas crentes de outras denominações.

    Acredite conheço bem a minha amiga, ela é uma pessoa extremamente sincera, entrou em uma tristeza profunda que adoeceu, a mãe dela teve de levá-la para outra cidade para se recuperar. Graças a DEUS ela se recuperou, voltou para a mesma igreja e continua seu trabalho.

  9. Graça e paz Leonardo, na Bíblia encontramos o quando e o por quê desligar uma pessoa do rol de membros, e isto se dá nos casos de “HERESIA”(impenitente) e prática de pecado de forma obstinada e impenitente(devassidão,avareza,idolatria,roubador,maldizente,beberrão, prostituição,homicidas,cães,feiticeiros,fornicadores,abomináveis,sodomitas e pessoas contrárias à sã doutrina)—-Todos estes que se recusarem a se arrepender e continuarem de forma obstinada e impenitente em tais práticas devem ser LANÇADOS FORA da comunhão da igreja.Pois um pouco de fermento leveda toda a massa!
    Todavia, muitas igrejas(cristianismo institucionalizado) tem realmente feito triste confusão e injustiça, tratando o pecador arrependido como o mesmo rigor que a Palavra orienta a tratar tão somente os impenitentes(obstinados)
    Agora faço o seguinte comentário, todo membro de igreja começa com a primeira prática de pecado sexual(queda)que pode se suceder recorrentemente até a prática obstinada,pois o mal fermento pode levedar toda a massa, ou seja, contaminar toda a consciencia do pecador.Como um câncer,o pecado deve ser tratado preferencialmente no início para se evitar que o pecador se torne obstinado e o tratamento agora seja o radical(amputação do membro,de seu corpo = exclusão)—-todavia isto requer acompanhamento pastoral pessoal,vizando a restauração do membro doente(e que durante este processo creio que deve sim haver afastamento de funções até a restauração da saúde espiritual).Todavia hoje temos mais GERENTES DE LOJA que PASTORES,então prioriza-se mais as “campanhas de prosperidade” que a saúde das ovelhas.Vivemos o momento do evangelho “triunfalista e ufanista”que serve bem a propósitos financeiros,e hoje o desenvolvimento de um caráter cristão(frutos do Espírito)parece não atrair nem os pastores nem os frequentadores de igrejas evangélicas.
    É triste, mas a realidade é que a saúde financeira está em primeiro lugar no coração de pastores e inclusive nos das ovelhas em detrimento da saúde espiritual.
    Você quer saber ? Existe muita injustiça no meio evangélico,motivo pelo que deixei de ser evangélico,(fui evangélico por 17 anos),hoje sou apenas um cristão,nem católico,nem evangélico.Estou fora do cristianismo institucionalizado.
    Finalizando, em se tratando de pecados sexuais, o hedonismo e o humanismo tem prevalecido no meio evangélico em detrimento do negar a si mesmo,tomar a sua cruz e seguir a Jesus.Quem frequenta igreja evangélica,que fique com um olho na sardinha e outro no gato!!!

  10. pastor sou apenas um membro, mas não concordo com seu ponto de vista acho ke a diciplina deve ser aplicada, digamos ke um irmão fornicou ou, adulterou, se ele não recebeu disciplina ele poderá´continuar com suas atividades, é´justo ele cantar e outros adulteros fornicadores ke estão sentados no banco não poderem, e se todos puderem ke igreja é´esta

  11. Que igreja é essa, né Leandro, cheia de gente pecadora tocando no púlpito! Sò pode exercer as funções quem não é pecador, né? É um absurdo estarmos reunidos com tantos pecadores e alguém ainda criticar o método de disciplina das igrejas, acho que estão certos, e espero que no futuro os apedrejamentos voltem à ficar em moda.
    Afinal, Jesus gosta é das pessoas boas que se acham melhores que as outras. Que Igreja é essa em que estamos vivendo, realmente.

    [/ironia]

  12. Excelente comentario. O que vale nesses casos nao eh o coracao quebrantado e contrito, o que conta eh a influencia do sujeito. Eh influente? Tem poder material? tem cash? Entao esta tudo ok.
    Nao tem? vai pro sacrificio. E assim vamos empurrando com a barriga.

  13. Olá! Graça e Paz!!!
    Achei muito interessante este assunto que pra mim, não é discutido o sufisciente. Onde eu congrego, sei que não teria nenhum tipo de julgo, disciplinas tolas, onde não agradariam a Deus e de nada adiantariam…..
    Tenho total conhecimento de que Deus pode me perdoar e me mudar, mas eu não consigo sair disto…. eu e meu noivo temos cometido pecado, que terão consequências e já o têm, em nosso relacionamento, porém clamo a Deus para nos guardar, mas tenho vivido uma tristeza sem igual e não consigo sair disto….
    Queria rasgar isto do meu coração…., porém sei que é o Senhor quem me molda e faz de novo….
    Só queria encontrar, apesar de já o ter confessado…”o lugar de quebrantamento”…
    Que o Senhor os abençõe!!!!!

  14. Realmente foi muito bem colocado. O que intitula o termo pecadinho e o pecadão. Que Deus os desconhece. A Sexualidade é cheio de tabus e suas complexidades de aceitação na mente humana. A chave realmente esta em se arrepender e largar o pecado, mas o homem que tem a necessidade de fazer a sua justiça, não devemos nunca esquecer que o Senhor disse com a medida que medires sereis medidos e com a medida que jugares sereis julgados.

    A Paz seja com todos,

  15. Graça e Paz!

    Tenho várias dúvidas: fui ao dicionário e busquei os significados de fornicação, prostituição, adultério etc. Tudo isso, envolve o pecado que satisfaz à carne! Até aí, tudo ok…
    Mas, e quando existe AMOR verdadeiro??? Quando um casal, livre e desimpedido, estão juntos (independente se estão casados ou não), mas tem a intenção de um futuro juntos, e aí??? Onde há AMOR, há a presença do Senhor… Ou não???
    E o que vc me diz de casais que se casaram conforme a “igreja” prega, mas não se amam e ainda assim fazem sexo por obrigação??? Só por estarem do jeitinho que a igreja quer, deixa de ser pecado??????????????
    Abraços!

  16. Como disse uma irmã após um caso desses lá na igreja…

    ” eu peço pra Deus abençoar, e ai de quem falar, pq todos somos pecadores, e na verdade o telhado de todos nós é de VIDRO”

    Fiquei muito feliz com a posição dela, e com o apoio que deu ao casal.
    Após o primeiro caso, se sucederam alguns outros…Talvez estivessem muitos em pecado, mas apenas com medo e vergonha de confessar.
    Mas feliz aquele que confessa e deixa.
    Fizemos nesse ano, muuitos casamentos, os casais deixaram o pecado, pra viverem suas vidas em santidade!
    O concerto comedido salva, o excessivo mata.
    Não é com vergonha, ou fazendo-os sentir as piores pessoas do mundo que salvaremos suas almas.
    Afinal, importa pra Deus que os pobres pecadores (iguais a todos nós) sejam apedrejados em praça pública e morram indo direto para o inferno, ou que aprendam que o pecado nos afasta de Deus, e que devemos renunciá-lo se queremos a Cristo!?

    Fike na paz

  17. Amigo Anônimo,

    Interessante o fato de que você teve que buscar o dicionário para saber o significado de fornicação! Eu também tive que olhar no dicionário pra saber o que era, quando li pela primeira vez. Isso prova também que a linguagem utilizada na Revista e Corrigida e outras versões clássicas da Bíblia em português não é apenas “erudita”, como dizem os seus defensores. Ela é arcaica mesmo! Por essas e outras que eu gosto mesmo é da NVI!

    Bom você disse que está certo que fornicação e adultério são pecados. Porém argumenta se ambos seguirão sendo pecado se houver amor. Portanto, acho que é uma questão de lógica. Acho que “silogisticamente” (hãn?) seu argumento poderia ser escrito assim:

    1. Adultério e fornicação são pecados
    2. Joãozinho adulterou ou fornicou
    3. Logo, Joãozinho pecou.
    4. Só que Joãozinho amava
    5. Portanto Joãozinho não pecou.

    Aparentemente, teu argumento está perfeito. Mas vamos pensar biblicamente. Ora a bíblia diz que o amor é paciente, e que ele espera (1Co 13.4 e 7). Só que o Joãozinho, ao que me consta, passou o carro na frente dos bois e comeu a sobremesa antes do almoço!!! O novo argumento ficaria assim:

    1. Joãozinho disse amar Maria
    2. Quem ama espera
    3. Joãozinho não quis saber de esperar, e passou o carro na Maria
    4. Logo, esse amor do Joãozinho é uma cascata (ou ao menos é o que parece, rs)

    Espero ter ajudado. Um forte abraço, do seu amigo;

    Leonardo =)

  18. Amiga anônima,

    Sexo no púlpito ainda é tabu, mas isso não significa que seja em si pecaminoso. Deus gosta de sexo, e não criou os humanos assexuados: ele fez nosso corpo, e fez o homem para a mulher, e esta para o homem. Ele não o fez apenas para que pudessemos reproduzir e preservar a espécie, mas para que pudessemos desfrutar mesmo. Deus inventou o orgasmo!

    Agora, devemos discernir entre a sexualidade saudável e abençoada por Deus, e o sexo irresponsável, que vê o parceiro(a) como um meio de obter prazer, e não como pessoa. O sexo que tem a benção de Deus é aquele realizado dentro dos limites do matrimônio, onde há dependencia e compromisso mutuo, onde ambos abriram mão de sua individualidade para viver uma vida a dois, e agora são literalmente uma só carne. Isso envolve deixar e unir: um deixar geográfico (a casa da mãe), emocional (cortar o “cordão umbilical”) e financeiro (a responsabilidade de manter o novo lar é dos esposos, e não do sogro ou do pai); e um unir também geográfico (quem casa, quer casa!), emocional (um voto de renúncia ao amor de outros homens, fidelidade) e financeiro (uma vez que ambos são uma só carne, não tem mais essa de MEU dinheiro. Tudo é de ambos). Grosso modo, isso é matrimônio.

    Se você “caiu” com o seu noivo, não fique “caída”: levante-se já! Deus perdoa os nossos pecados, se realmente nós nos arrependemos. Agora, uma vez que você pediu perdão, procure evitar certas intimidades, tipo ficar à sós por muito tempo. Prefira lugares públicos, pois à menos que vocês sejam realmente dois doidos de marca maior, vocês não vão fazer “bobagem” na praça da cidade ao meio-dia! Rs… Aguenta aí, minha irmã. Vocês já estão noivos mesmo: falta pouco pra essa benção se concretizar.

    Acima de tudo, ore bastante, peça a Deus que te ajude neste momento de debilidade, e busque não dar ocasião à carne. Eu sei que a carne é fraca, mas pecado não é vitamina! =)

    Um abraço, do seu amigo,

    Leonardo.

  19. rs, confesso que já estava um pouco cansado de ouvir falar sobre pecados sexuais, e por isso pulei essa publicação aqui, mas você me obrigou a retornar para lê-la ao publicar Lógica Sexual: Dois pesos e duas medidas…

    Confesso que a leitura valeu a pena…
    Um abraço…

  20. Graça e Paz.

    Parece que as pessoas não compreendem o que é disciplina, e simplesmente cai tudo na exclusão e no apartar de tais eventos na iGREJA.

    Parabéns pelo artigo, isto realmente revela o que acontece no meio na qual estamos inseridos.

    Se soubéssemos realmente o que Jesus queria dizer quando afirmou: “Misericórdia quero e não sacrificio” não teriamos centenas que lideres arrogantes com legalismos e costumes eclesiasticos sem respaldo biblico, levando centenas de milhares de crentes a um desespero psicológico e desistencia de prosseguir contra as suas mazelas.

    Abraços

    Pb Renato Silva

  21. Caro irmão Leonardo!!!!
    Muito me abençõou o seu comentário! Mas existe mais uma coisa que gostaria de colocar; Deus tem me moldado em tantos aspectos, têm feito depender de Sua Graça, a confiar Nele, porém desejo tanto isto, viver em santidade, mas não encontro o lugar de quebrantamento, para não cometê-lo novamente…. é muito frustrante, ao passo que penso que estou desonrando os meus pais e pecando contra Deus. Uma certa época eu até me afastei do meu noivo, mas acabou voltando tudo de novo….e eu o amo muito, mas sinto muita falta de vivermos em santidade. Nós casaremos em breve, mas sinto que este pecado têm sérias consequência no nosso relacionamento, em relação a comunhão com Deus. Bom ainda não perdi a fé que Deus trabalhe em nós,…..espero Nele.
    Graça e paz!

  22. humn…
    tudo bem que deve ser tratado com qualquer outro pecado, já que para Deus não existe pecadinho,pecadão,pecado médio…
    mas muita gente só está concordando porque fez sexo antes do casamento… 😡

    a paz do Senhor!

  23. Tenho muito interesse no assunto, até tenho escrito o esboço de um livro, e dois blogs que estou montando para auxiliar pessoas que entraram nesse mar de lama do pecado sexual e da pornografia, principalmente na net. o material de voces é muito bom, e gostaria de trocar idéias. Penso em trabalhar em um curto prazo com homens e mulheres que passam por lutas nessa área específica. Um ósculo santo à todos da vossa amada igreja.

  24. Paz do Senhor tm muita pessoa esta precisando de ajuda mais nao achar porque o amor nas igreja esta frio outra pessoa joga pedra cade o amor jesus ele ama as pessoa muito ele por elas eu quero oraçao para mim minha familia tambem estou quero um esposa porque nao quero fica mais so quero mulher que ama premeiramente a Deus que gosta muito de fazer obra missionaria tambem que me ama vedaderamente obrigado fik com Deus paz

  25. O casal de namorados citado no texto não deveriam ter pedido perdão publicamente, e sim a Deus e se concertarem. Ou a igreja andou servindo de colchão como testemunha do ocorrido? É obrigação do pastor conduzir o rebanho á maturidade espiritual – ensinar sobre o perdão e a fragilidade do ser humano, para evitar o sofrimento dos irmãos. A ignorância faz todos sofrerem. Sei de um ocorrido trágico dentro de uma igreja pentecostal. O ocorrido começou com o relacionamento entre uma jovem e um oficial da igreja, casado. Ambos da mesma igreja. Se arrependendo a jovem, esta resolveu procurar a irmã da intercessão para desabafar, acontece que esta, não se conteve, e achou que a igreja toda deveria saber. Pois bem: o circo pegou fogo, pois a mulher do oficial se separou, ele perdeu o ministério – se desviou, e a jovem também pulou fora. Não seria bem melhor, que os dois pedissem perdão a Deus em secreto e acabassem com o caso? Quando a gente faz alguma coisa contra a irmandade , aí sim, vamos pedir perdão públicamente – fora disso, é melhor ficarmos caladinhos diante as pessoas, porque a igreja também é uma casa de marimbondos.

  26. Até bem pouco tempo atrás, eu trafegava entre a luz e a escuridão, entre a fé e a total ausência dela. Vivia no juízo e nele realizei muitas coisas das quais me orgulho, especialmente em relação ao meu próximo. Recentemente me converti e "aceitei" Jesus. Então descobri que em matéria de integridade divina, estava totalmente no "vermelho".
    Hoje travo uma batalha diária, pois descobri que tudo que eu faço ou penso, é pecado! Adoro fantasiar sexualmente com a minha própria esposa (ela era evangélica, eu não) e criar um clima de sensualidade e sedução na nossa intimidade. Mas a visão dela é totalmente distorcida em relação a este tipo de coisa, o que nos deixa muito distantes do entendimento de Salomão…
    Fantasias sexuais com a minha própria esposa é pecado?
    Se o sexo é tão pecaminoso como somos convencidos a acreditar, porque Deus o criou de forma a proporcionar tanto prazer? Que sentimento mórbido teria o Criador e nos dar algo tão especial e depois dizer: É seu, é bom, mas não use que é pecado.

    O entendimento das pessoas em nosso meio em relação ao fato é muito contraditório e nos remete a uma série de interpretações distorcidas. Bom mesmo seria se tivéssemos sido criados todos assexuados. Assim não haveria pecado, nem tentação.

    Hoje, dentro de uma igreja, protegido e orientado, sinto que faço bem menos pelos meus irmãos do que fazia no período em que vivia no juízo e confesso, em muitos aspectos me sentia muito mais perto de Deus, mesmo não acreditando muito Nele.

    Será que tenho que ser disciplinado?

    J.Carlos

  27. Achei interessante seu texto e concordo quando você diz que há hipocrisia nas igrejas, todavia penso que devemos levar o pecado muito a sério para não nos conformarmos cada dia mais com este mundo pecaminoso. Um abraço!

  28. Muito bom o comentario acredito que devemos ter muito cuidado ao disciplinar , fui de uma igreja onde a disciplina publicada e algo meio que " normal " e ate aceitavel pelos membros , porem ha alguns meses uma Jovem apos passar por essse tipo de disciplina , cometeu suicidio , e o triste foi ter que ouvir no domingo apos o ocorrido o pastor falando que o suicida pode ser salvo desde que blah blah blah !!

    Essa Igreja Nova Igreja Batista – Manaus Amazonas

  29. sou nova convertida e meu namorado e da igreja da assembleia ha 5 anos , pecamos em cometer fornicação e agora ele não me atende ao telefone não responde msgs, isso faz parte da punição da igreja???

  30. Se a disciplina é biblica, conforme foi afirmado, o melhor nao seria ampliar e disciplinar as outras práticas de pecado também.
    Nao é porque nao diciplinamos aqueles que devemos para de disciplinar estes.

    Assim eu penso.

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui