Falando sobre fé…

6
1084
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
.

.
Por Leonardo G. Silva – Th.M.
Você já parou para meditar na história daquela mulher cananéia que pediu que Jesus livrasse sua filha que estava atormentada por demônios? Eu tenho quase certeza que sim, mas mesmo assim quero convidar você a meditar nessa história comigo, e estou seguro que 90% dos leitores se surpreenderão com a conclusão.

O texto é composto por três cenas. A primeira cena começa com uma mulher que se acerca a Jesus clamando, crendo firmemente que ele poderia libertar a sua filha, mas termina com ela ignorada por Jesus.

Assine o Blesss

Logo vemos uma segunda cena, na qual essa mulher se aproximou pela segunda vez, só que desta vez ela estava disposta a se humilhar. Ela se lançou em terra, prostrando-se ante aquele Jesus que ela cria ser a resposta que ela tanto precisava, mas dessa vez a Bíblia diz que ela foi desprezada pelos dicípulos, e ainda humilhada por Jesus, que à comparou com um cachorrinho.

Vamos para a terceira cena do texto. Dessa vez aquela mulher, a mesma que foi ignorada no primeiro contato, desprezada e humilhada em uma segunda aproximação, ainda prostrada no chão, num ato último de auto-humilhação, aceita a sentença de Jesus sobre ela: reconhece ser ela o mesmo que um cachorrinho, mas acrescenta que “também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa do seu amo”. Sim; ali no chão, humilhada e com as roupas sujas de terra, ela lança um último rogo suplicante ao Senhor, quem naquele momento, havendo-a observado, exclamou dizendo: “Oh, mulher! Grande é a tua fé!”

Fé? Onde foi que Jesus viu fé? E em que momento esse texto fala de fé? Ora, ele fala de determinação e de auto-humilhação, de rogo suplicante de quem admite não possuir nenhuma virtude ou mérito, mas que precisa desesperadamente do favor do Filho de Deus, mas onde está a fé?

Ela está aí, bem diante dos nossos olhos. Jesus ao ver a atitude daquela mulher, discerniu a dimensão da sua fé. As atitudes daquela mulher, aos olhos de Jesus, foram atos de pura fé! “Oh, mulher! Grande é a tua fé!”

Vamos à parte didática do nosso texto. De acordo com o que acabamos de ler, quero fazer a você uma pergunta:

– “O que é a fé, desde a perspectiva de Jesus?”

Será que é uma mensagem psicologizante e triunfalista na qual somos ensinados a sobrevalorizar-nos, a ter uma imagem positiva acerca de nós mesmos e a dar ordens no céu e na terra?

Será que tem alguma coisa a ver com os chavões dos super crentes que dizem: Senhor, eu ordeno que…? Ou eu determino que…? Ou ainda, como diz aquele pregador da chapinha no cabelo: “Se eu tenho crédito no céééu…”?

Não, meu irmão. A fé, segundo a ótica de Jesus, está muito longe disso. Ela não é um ato de pensamento, e sim uma conduta. Não está na auto-exaltação humana, mas a humilhação de si mesmo. Os verdadeiros homens de fé não são aqueles que determinam, ordenam e dizem ter crédito no céu, e sim aqueles que sabem que nada merecem. Fé, desde a perspectiva de Jesus, nada tem que ver com aqueles que se exaltam nos púlpitos, mas se encontra na vida daquele que se deixa abater por Deus nos bastidores da vida.

***
Texto comentado: Mateus 15.21-28
.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

6 COMENTÁRIOS

  1. adorei mesmo. fé humilhação reconhecimento de q sem ele nada somos ,passei uma situação por esses dias q me fez reconhecer isso,minha filha teve um acesso de panico total está com muito medo ainda ela viu lago enquanto tomava banho, sabe têm coisas q sabemos resolver,mas tem coisas q nunca entederemos o suficiente para resolver alias não conseguiremos resolver, esse é o caso e sei q só o Pai pode . se lembrarem orem por mim .Que O Grande Amor do Pai nos fortaleça.

  2. .

    Olá Pâmela!

    Realmete há muitas coisas que não podemos entender ou resolver. Nesses casos, temos que fazer como essa mulher: aproximar-nos de Jesus com humildade, mas também com a determinação de quem conhece a misericórdia de Deus.

    Nessa aproximação, as vezes não ouvimos do Senhor nenhuma palavra e nessa espera nos sentimos ignorados e humilhados, mas ainda assim devemos insistir: Pedi, buscai, batei…

    Pode contar comigo sim. Estarei orando por ti e por sua filha, e creio que outros leitores também o farão.

    Abraço fraterno,

    Leonardo G. Silva

  3. Gostei muito do texto!
    Nada há de fé naquele grande palavreado de chavões inconsequentes.

    No entanto, penso que distorcemos o significado da palavra fé no seu radical original da palavra por causa da nossa simplificação do evangelho.
    Preferimos ficar com Hebreus 11 do que buscar o radical original da palavra na língua original em que foram escritas as sagradas escrituras, e por fim ficamos com um entendimento, salvo melhor juízo, “cambeta” da fé!
    O radical da palavra fé é o mesmo utilizado para definir obediência e fidelidade. A Palavra está íntima e intrínsicamente ligada a confiança que depositamos em ALGUÉM que tem capacidade de cumprir com a palavra empenhada. E nestes termos, não há ninguém que possa cumprir com a palavra, a não ser aquele a quem todas as coisas estão sujeitas! Não há ninguém que possa cumprir a palavra empenhada, a não ser aquele que não está preso ao espaço e ao tempo, mas que transcende todas estas coisas e que fazem deles nada perante Ele. Só alguém que esteja acima de todo e qualquer ação pode cumprir com aquilo que promete, pois não está subordinado a outra autoridade que pode lhe impedir de cumprir com a palavra a qual empenhou…
    Somente Deus tem esse poder, somente Ele é digno de fé, se tal ser não tem total e completo domínio acerca de todas as coisas, este ser não é Deus e, portanto, desmerecedor de fé.

    Realmente, a questão da humilhação com a qual ela busca que seu caso venha a ser julgado evidencia a questão a qual tencionei expor: Depositar a “confiança” em alguém que, realmente, é capaz de julgar nossa causa, crendo, “fielmente”, que o único capaz de alterar qualquer decreto seria àquele que não está limitado ao tempo e ao espaço, a alguém que uma vez tendo empenhado sua palavra, pelo seu próprio poder cumpriria o que disse, por que para este não há impossíveis! É o pleno reconhecimento da miserabilidade humana diante daquele que é o criador de todas as coisas! É a expressão máxima da necessidade diante daquele que abunda em todas as coisas! Um verme diante de Deus, conforme Isaías descreve…

    Meu amigo, rs, acho que escrevi mais do que deveria! Virou uma postagem dentro de uma postagem! Perdôe-me pelas letras que teimaram em aparecer uma após as outras!

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui