McCultos: a nova tendência evangélica

4
516
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por Marcos Inhauser
A moda da comida rápida e pronta veio para ficar. As lanchonetes, os “por quilo”, os rodízios de massa e de carne se espalham por toda a parte atendendo uma clientela cada vez maior e cada vez com menos tempo para esperar por um prato “a la carte”. O ritual do comer, que envolvia um tempo de relaxamento, de descanso ao sentar e esperar pela comida, cedeu lugar à pressa, o sentar-se cedeu ao comer em pé, andando ou dirigindo. É o sinal dos tempos. Vida moderna caracterizada pela azia, gastrite e úlceras do comer atabalhoado.

Outro problema dos tempos modernos é a massificação dos temperos e sabores. Há multinacionais fazendo comida para ser esquentada por cozinheiros e chefs, com molho pronto e sabor igual para todos. O toque pessoal, a criatividade, o tempero, o paladar refinado, vai cedendo espaço para os paladares acostumados ao “pret-a-porter” da comida. Muda-se de restaurante, muda-se o nome do prato, mas o sabor é o mesmo em toda parte. Cada vez fica mais difícil a individualidade, o gosto pessoal. Alfaiates, costureiras, cozinheiros, doceiros, sapateiros, são profissões que estão a se extinguir pela inércia geriátrica. Morrem os velhos e não há gente nova para substituí-los.

Assine o Blesss

Este tipo de comportamento massivo e massificante também tem chegado às igrejas. Tenho estado em contato com muitas igrejas em função de convites para pregar e dar palestras. Nos últimos tempos, por ter tido folga nos finais de semana, estive visitando várias igrejas de Campinas. Há em todas elas uma incrível similaridade na forma de conduzir a liturgia e em apresentar suas mensagens. Para quem se acostumou a liturgias bem feitas, estruturadas, com forte base teológica e unidade, ir a um culto pret-a-porter é algo nada edificante. Houve um empobrecimento das liturgias.

Aquilo que se construiu ao longo da história da igreja, os hinos, as litânias, as doxologias, as leituras responsais, cederam espaço a três momentos bem marcados: o louvor, os anúncios e a mensagem. O período de louvor é o tempo do barulho, da excitação, da empolgação. Há uma abundância de letras de adoração, mas faltam os cânticos dedicados ao arrependimento, à confissão, à consagração, à instrução. A moderna corinhologia tem se caracterizado pela abundância de cânticos que repetem jargões, lugares comuns e carecem de reflexão teológica.

Um estudo que serviu de tese de mestrado de um colega, mostrou que o hinário de uma das maiores igrejas evangélicas de Campinas não cobria a temática teológica existente no Credo Apostólico, mas havia profusão de cânticos de vitória e de adoração e muitos deles contrariavam a teologia pregada pela sua denominação.

As pregações são algo de se lamentar. Talvez tenha sido a coisa que mais empobreceu. Os sermões expositivos cederam lugar aos temáticos, onde é mais fácil o pregador dizer o que quer. E não são poucos os púlpitos onde se usa o texto por pretexto e não se tem sermão, mas arenga. O estudo cedeu lugar ao testemunho, a reflexão à empolgação, a instrução à confusão, a edificação à quantificação. A igreja é hoje avaliada pela sua platéia e não pela fidelidade a Deus e à Palavra.

Temos McCultos. Tudo pronto, embrulhado, ao gosto do freguês, digo, fiel. E fidelidade dos membros se mede pelas ofertas que faz. O McCulto é tanto mais abençoado quanto maior for o faturamento do dia.

***
Fonte: Qadosh [Via: Laion Monteiro]

Leia também: MacJesus: O fast faith da igreja brasileira

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

4 COMENTÁRIOS

  1. .

    Leo, quando vi McCultos, eu pensei que tinha qualquer coisa a ver com rappers. Depois entendi que o negócio: MacCultos.

    O blog PC está com muita personalidade. foi o efeito da fisgada da arraia no seu pé? He he he!

    Outra coisa: foi neste blog que eu li “Sermõezinhos produz crentinhos”? Estou procurando por este testo. E se não tiver, a gente escreve, não é?

    João.

  2. Olá João,

    Também achei que a fórmula Mc Cultos estava errada, e pensei em mudar o nome para MacCultos assim como eu fiz com o MacJesus, mas na dúvida acabei deixando como está. Faz tanto tempo que eu não como um big Mac que até esqueci como se escreve, rs…

    Não foi nesse blog que você leu “Sermõezinhos produz crentinhos”, mas bem que podia ser: o título cabe perfeitamente na proposta do blog. Vou buscar esse texto também, e se não houver, a gente escreve!

    Um abraço, e obrigado pela visita e comentário no blog.

    Em Cristo Jesus,

    Leonardo G. Silva

SUA RESPOSTA

Por favor, faça seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui